Bolsonaro diz não ter "nada a ver" com morte de petista

Presidente voltou falar sobre a filiação partidária de Adélio Bispo, autor da facada que o atingiu, em 2018

por Vitória Silva seg, 11/07/2022 - 15:23
Isac Nóbrega/PR Jair Bolsonaro, presidente da República Isac Nóbrega/PR

O presidente Jair Bolsonaro (PL) se manifestou pessoalmente pela primeira vez sobre o assassinato de um dirigente do PT em Foz do Iguaçu. Junto a apoiadores e à imprensa na manhã desta segunda-feira (11), o mandatário criticou a forma como está sendo divulgada a morte de Marcelo Aloizio de Arruda, que foi assassinado a tiros no sábado (9), na sua festa de aniversário, por um policial penal bolsonarista.  

"Vocês viram o que aconteceu ontem, né? Uma briga de duas pessoas lá em Foz do Iguaçu. 'Bolsonarista não sei o que lá'. Agora, ninguém fala que o Adélio é filiado ao PSOL, né? A única mídia que eu tenho é essa que está nas mãos de vocês aí", disse Bolsonaro a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada. "Agora, o que eu tenho a ver com esse episódio em Foz do Iguaçu? Nada. Você desconta qualquer ato de violência. Eu já sofri isso na pele”, continuou, de acordo com o UOL. 

Bolsonaro foi questionado por jornalistas sobre o caso na entrada do Palácio do Planalto. O presidente reclamou de quem, segundo ele, busca associá-lo ao ato de Jorge Guaranho. 

"Quando o Adélio me esfaqueou, ninguém falou que ele era filiado ao PSOL", disse Bolsonaro, em referência a Adélio Bispo, que desferiu uma facada no presidente durante a campanha de 2018. "Agora, o que eu tenho a ver com a com esse episódio [de Foz do Iguaçu]?", questionou. 

Adélio Bispo, autor da facada em Bolsonaro na campanha de 2018, foi filiado ao PSOL. Porém, de acordo com a investigação federal, o autor do atentado contra o mandatário planejou e executou sozinho o crime. Foi considerado inimputável por ter doença mental e cumpre medida de segurança em um presídio federal. 

LeiaJá também: ‘Bolsonaro cobra investigação de morte e culpa esquerda’

COMENTÁRIOS dos leitores