Recife: Krause diz que remédios de intubação podem vencer

Segundo a deputada estadual, 80% do propofol adquirido pela prefeitura, com validade até 30 de abril, ainda não havia sido utilizado em 31 de janeiro deste ano

ter, 06/04/2021 - 14:16
Divulgação Sedativo compõe o kit de intubação para pacientes com Covid-19 Divulgação

A deputada estadual Priscila Krause (DEM) denuncia que grande quantidade de medicamentos do kit intubação adquiridos pela Prefeitura do Recife podem perder a validade neste mês sem terem sido utilizados. Segundo Krause, a Prefeitura do Recife adquiriu 591 mil unidades de propofol em abril de 2020. O medicamento é um sedativo que compõe o kit intubação para pacientes com Covid-19. A gestão atual da Prefeitura do Recife teria, segundo dados obtidos pela parlamentar, 471.588 unidades em 31 de janeiro deste ano.

"Significa dizer que das 590 mil compradas pela gestão Geraldo Julio via dispensa de licitação, 80% ainda estavam oficialmente sem uso. Mais grave: consta que a data de validade desse lote é o próximo dia 30 de abril", disse Krause. A parlamentar esteve, nesta terça-feira (6), no Almoxarifado da Secretaria de Saúde do Recife para averiguar os estoques, mas foi orientada a fazer um pedido via ofício para ter acesso ao local.

A deputada afirma que houve uma compra em exagero dos medicamentos em 2020 e que eles poderiam ser encaminhados para locais em falta. "É muito sério ter uma quantidade dessa que abasteceria, se não o país inteiro, boa parte do país estocada pela Prefeitura do Recife", afirmou Krause em frente ao Almoxarifado. Ainda de acordo com a deputada, a prefeitura abriu um processo licitatório neste ano para a aquisição de 1,8 mil unidades de propofol. "A gente não pode admitir que esses medicamentos, esse propofol, vença daqui a menos de um mês."

O Ministério da Saúde e os Ministérios Públicos Federal (MPF), de Pernambuco (MPPE) e de Contas (MPCO) foram notificados para apurar a situação do estoque municipal, as condições de armazenamento e o plano de utilização. O Portal LeiaJá aguarda posicionamento da Secretaria de Saúde do Recife.

COMENTÁRIOS dos leitores