PT oficializa rompimento com o PSB em Pernambuco

Segundo o deputado federal Carlos Veras, partido apresentará um nome para o governo de Pernambuco em 2022

qui, 14/01/2021 - 12:27
Chico Peixoto/LeiaJáImagens/Arquivo 'Por que não o PSB apoiar a candidatura de Humberto Costa a governador', questionou Carlos Veras Chico Peixoto/LeiaJáImagens/Arquivo

Em reunião realizada nesta quinta-feira (14), lideranças do PT em Pernambuco decidiram romper com o governo do PSB no estado. Atualmente, o partido ocupa a secretaria de Desenvolvimento Agrário com Dilson Peixoto.

Em nota, o presidente estadual do PT, Doriel Barros, diz que a decisão é consequência política da disputa eleitoral de 2020, especialmente no Recife. "(...) Recebemos da campanha do PSB tratamento inaceitável, desrespeitoso e incompatível com o histórico de relacionamento de nível elevado entre nossas siglas", assinala. No segundo turno para a prefeitura da capital, João Campos (PSB) derrotou a prima Marília Arraes (PT).

A nota também destaca que a participação na gestão foi decorrência da aliança construída com o PSB em 2018, que tirou Marília Arraes da disputa ao governo, havendo apoio do PT a Paulo Câmara a nível estadual, e do PSB a Fernando Haddad no primeiro e segundo turno das eleições presidenciais. "A partir de agora, assumimos um posicionamento de independência em relação ao governo estadual que pautará também a nossa conduta na Assembleia Legislativa de Pernambuco", comenta Barros.

O deputado federal Carlos Veras, que participou da reunião, diz que agora o partido deverá construir um nome para disputar o governo em 2022. "O PT vai apresentar um nome para o governo do estado. Pode ser que saia com candidata ao governo ou em aliança com partidos da frente popular", afirmou ao LeiaJá.

Para o parlamentar, a decisão tomada pelo PT cria dificuldades para uma nova aliança entre os dois partidos em 2022. "É claro que com a saída do PT do governo do Estado se cria um distanciamento do PT com o PSB, mas muito mais distantes estávamos em 2018, mas foi possível. Mas nós, do PT estadual, vamos nos dedicar a construir uma candidatura do PT. Por que não o PSB apoiar a candidatura de Humberto Costa a governador de Pernambuco? Nós não apoiamos o PSB por três vezes? Por que eles não podem nos apoiar uma?", questionou Veras.

Confira a nota completa do PT de Pernambuco, Doriel Barros:

Nota sobre a entrega de cargos ao Governo do Estado

Como resultado de debates internos sobre a continuidade da participação do Partido dos Trabalhadores  no Governo do Estado, decidimos deixar os cargos que o PT ocupa na atual gestão(PSB-PE).

Nossa participação na gestão foi uma decorrência natural da aliança que celebramos com o PSB em 2018 e que teve resultados extremamente positivos para ambos os partidos, entre os quais as reeleições  do governador Paulo Câmara no primeiro turno e do senador Humberto Costa, além da significativa contribuição ao desempenho eleitoral de Fernando Haddad no primeiro e segundo turnos das eleições presidenciais.

Ao longo desses dois anos, o PT contribuiu de forma decisiva para o sucesso da administração estadual, desenvolvendo políticas públicas com criatividade, competência e compromisso com a maioria da população, especialmente no segmento da agricultura familiar. Implantamos um trabalho que, se continuado,  permitirá a colheita de importantes frutos para a gestão estadual e mudanças estruturais nesses setores.

Nosso posicionamento não decorre de divergências administrativas com o governo que consideramos estar cumprindo os compromissos celebrados no programa de governo referendado em 2018 pela população pernambucana. É uma consequência política  do acirrado enfrentamento eleitoral municipal de 2020, especialmente no Recife, onde recebemos da campanha do PSB tratamento inaceitável, desrespeitoso e incompatível com o histórico de relacionamento de nível elevado entre nossas siglas.

Decorre também da posição da direção nacional do PT que não produziu nenhuma manifestação pública ou reservada que demonstrasse o interesse em preservar nossa participação no governo como espaço facilitador de conversas entre as duas siglas em nível nacional.

A partir de agora, assumimos um posicionamento de independência em relação ao governo estadual que pautará também a nossa conduta na Assembleia Legislativa de Pernambuco.

Esperamos ainda a continuidade de um diálogo respeitoso com o governo estadual e com a própria Frente Popular.

Recife, 14 de janeiro de 2021.

Doriel Barros

Presidente do Partido dos Trabalhadores de Pernambuco.

COMENTÁRIOS dos leitores