Bivar: 'nem passa pela cabeça' expulsar Bolsonaro do PSL

O presidente nacional do PSL disse que frase de Jair Bolsonaro dizendo que ele estava 'queimado para caramba' foi uma 'facada no coração'

qui, 31/10/2019 - 10:14
Agência Brasil/Arquivo Agência Brasil/Arquivo

Presidente nacional do PSL, o deputado federal Luciano Bivar (PE) afirmou que não passa pela cabeça dele a possibilidade de expulsar o presidente Jair Bolsonaro do partido. Em entrevista ao programa Em Foco, da Globo News, Bivar alegou que essa decisão cabe ao próprio Bolsonaro.

“Eu acho que seria uma violência [expulsar o presidente] e é muito ruim para o país. Isso nem passa pela cabeça porque ele é o presidente, é meu presidente, é seu presidente. Eu acho que tem que se ter um respeito à liturgia. Por mais terrível que seja”, declarou Bivar.

“É uma coisa subjetiva dele, mas você tem.... acho que Ana Bolena incendiando na fogueira ela diz ‘Deus salve a rainha’, entendeu? Deus salve o rei. Eu sou muito ruim de história, eu acho que, mesmo com tudo, você tem de respeitar o presidente da República”, emendou o dirigente partidário.

Jair Bolsonaro tem protagonizado um imbróglio dentro do PSL desde 8 de outubro, quando pediu para um apoiador do Recife “esquecer” o partido e alegou que Luciano Bivar estava “queimado para caramba”. 

Depois disso, o presidente já solicitou uma auditoria nas contas internas do partido e, nessa quarta-feira (30), ele e aliados pediram o afastamento de Bivar do comando da legenda. Além disso, Bolsonaro também articulou a queda do líder da bancada da legenda na Câmara dos Deputados, a segunda maior da Casa, Delegado Waldir (GO) para que seu filho, Eduardo Bolsonaro (SP), assumisse o cargo. 

Ao ser indagado sobre como avaliou a frase de Jair Bolsonaro dizendo que ele estava “queimado para caramba”, Luciano Bivar relatou ter ficado triste.

“Olha, foi uma facada no coração. Como eu falei, um entristecimento enorme porque eu sempre me dei, me doei, eu tenho amigos empresários, amigos de toda ordem, que sempre contrariam os discursos dele, pela rejeição ao Bolsonaro. E hoje eu não digo 'mas', me cria um certo constrangimento eu falar com alguns amigos e ‘Olha, Luciano, você tanto tempo falou isso’, mas agora pelo menos eu fico quieto, porque eu não sei [...] Mas daqui a pouco isso passa”, contou. 

Luciano Bivar não conversa, desde então, com Jair Bolsonaro e seus filhos filiados ao partido Eduardo e o senador Flávio Bolsonaro (RJ). Contudo, salientou ainda estar sempre aberto ao diálogo.

COMENTÁRIOS dos leitores