PF obtém provas de corrupção na delegacia do caso Marielle

A informação é do site UOL. Ao menos dois delegados estariam na folha de pagamento do "Escritório do Crime", um grupo de milicianos

qui, 04/04/2019 - 11:03
Divulgação/PSOL Divulgação/PSOL

A Polícia Federal encontrou provas de que houve atos de corrupção por agentes da Delegacia de Homicídios da Capital, no Rio de Janeiro, para impedir o esclarecimento de assassinatos que envolvem milicianos membros do chamado "Escritório do Crime" e integrantes da máfia do jogo do bicho na capital carioca. As informações são do site UOL. A delegacia é a mesma que investiga os assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, em março de 2018.

De acordo com a reportagem, ao menos dois delegados estariam na folha de pagamento do "Escritório do Crime" e a propina era paga na sede da delegacia. Um dos delatores da investigação, o ex-PM Orlando de Araújo, mais conhecido como Orlando Curicica, já chegou a dizer que membros do "Escritório" pagavam uma mesada a alguns policiais da Delegacia de Homicídios para que algumas práticas não chegassem aos responsáveis.

A PF agora apura se houve obstrução na investigação sobre a morte de Marielle e Anderson - a polícia já confirmou o envolvimento de milicianos com o crime. Oito inquéritos da delegacia estão sob a análise da PF por determinação da Procuradoria Geral da República (PGR).

O "Escritório do Crime" é composto, principalmente, por policiais e ex-policiais de grupos de elite da polícia, como o Batalhão de Operações Especiais (Bope). O sargento reformado da PM Ronnie Lessa, apontado como o autor dos disparos que matou Marielle e Anderson, foi do Bope.

COMENTÁRIOS dos leitores