Ataque do Talibã mata sete soldados no Afeganistão

O ataque ocorre um dia depois que o Talibã assumiu a responsabilidade pela morte de um soldado das forças especiais americanas

ter, 24/12/2019 - 07:53
HOSHANG HASHIMI Foto de 27 de novembro de soldado afegão em Herat HOSHANG HASHIMI

Sete soldados afegãos foram mortos em um ataque do Talibã nesta terça-feira a uma base no norte do Afeganistão, informou o ministério da Defesa, no momento em que as partes em guerra se preparam para outro inverno mortal.

Segundo o ministério, "terroristas" atacaram uma base compartilhada pelo exército e pela Direção de Segurança Nacional (NDS, serviços de inteligência afegãos) no distrito de Dawlat Abad, na província de Balkh, perto da fronteira com o Uzbequistão.

"Como resultado desse ataque, sete soldados morreram e três outros ficaram feridos", enquanto três agentes do NDS também ficaram feridos, informou o ministério da Defesa em comunicado.

O porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, disse que 20 soldados morreram no ataque, incluindo um comandante.

"Seis soldados ficaram feridos e quatro foram presos. A base foi capturada", escreveu ele no Twitter.

As forças de segurança afegãs e os talibãs geralmente exageram as perdas infligidas ao outro lado e minimizam as próprias.

O ataque ocorre um dia depois que o Talibã assumiu a responsabilidade pela morte de um soldado das forças especiais americanas, morto na província de Kunduz, também no norte.

Em um comunicado enviado à AFP por WhatsApp, Zabihullah Mujahid, afirmou que os talibãs "provocaram a explosão de um veículo americano no distrito Char Dara de Kunduz".

Antes da divulgação do comunicado talibã, o exército americano anunciou a morte de um soldado "em ação" no Afeganistão, sem revelar mais detalhes.

Uma fonte americana afirmou que o soldado falecido inspecionava um esconderijo de armas no momento da explosão. "Não foi o resultado de um ataque, como afirma o inimigo", disse, sob a condição de anonimato.

A morte acontece no momento em que Washington e os talibãs tentam alcançar um acordo sobre a retirada das forças americanos, em troca de garantias em termos de segurança por parte dos insurgentes.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, suspendeu o diálogo no início de setembro, após um atentado em Cabul reivindicado pelos insurgentes que deixou 12 mortos, incluindo um soldado americano.

O inverno geralmente marca uma desaceleração nos combates no Afeganistão. Os talibãs retornam às suas aldeias, enquanto a neve e o frio tornam os ataques mais difíceis de realizar. Mas nos últimos anos, a distinção entre as estações praticamente desapareceu.

De acordo com oficiais de inteligência alemães de Camp Marmal, uma base operada pelo exército alemão na província de Balkh, o número de ataques em janeiro de 2019 foi um dos mais altos já registrados no norte.

"Estamos falando de uma média de duas dúzias de incidentes de segurança por dia" no comando norte da OTAN nesse período, observou uma autoridade. "Se não houver desenvolvimento estratégico, será um inverno quente", continuou ele.

"Houveram combates ferozes ao longo de todo o ano, o que significa que o Talibã conseguiu se espalhar para áreas que não eram seus territórios tradicionais", disse a autoridade.

COMENTÁRIOS dos leitores