Técnicas criativas em Hong Kong contra o gás lacrimogêneo

Guarda-chuvas, para se proteger do impacto das granadas, e óculos de natação, para se proteger do gás pimenta, se tornaram também objetos essenciais

qui, 08/08/2019 - 17:50
Gal ROMA Os principais métodos empregados pelos manifestantes em Hong Kong durante confrontos com a polícia. Gal ROMA

Após a explosão de uma bomba de gás lacrimogêneo, um manifestante corre em direção à mesma com um cone, para neutralizá-la, uma cena cada vez mais comum durante os protestos em Hong Kong, onde técnicas criativas surgem para enfrentar a repressão da polícia.

A megalópole do sul da China atravessa há dois meses sua maior crise política desde que deixou de ser um território britânico e voltou a a ser administrado pela China em 1997.

As manifestações quase diárias geralmente levam a confrontos entre grupos radicais e forças de segurança.

A polícia endureceu sua repressão aos manifestantes cada vez mais violentos. Em apenas um dia de paralisações e bloqueios, as forças de segurança utilizaram na última segunda-feira 800 granadas de gás lacrimogêneo.

Diante da ação cada vez mais virulenta da polícia, os manifestantes criaram novas táticas para se proteger do gás.

Agora, muitos que participantes dos protestos vão às ruas equipados com luvas à prova de fogo para poder recolher as granadas do chão e também com máscaras de gás, apelidadas de "focinho de porco".

Em fóruns de discussão na internet analisam os melhores modelos de máscaras e compartilham os locais onde podem ser compradas.

"Preciso de uma! É muito difícil encontrar uma boa máscara", escreve um internauta.

Também trocam conselhos sobre como utilizá-las nas manifestações.

Tampa de panela

Os manifestantes inclusive criaram "unidades" especializadas em buscar alternativas para combater as bombas de gás.

Alguns ativistas cobrem os braços com filme plástico para evitar as irritações provocadas pelo gás e carregam uma garrafa de soro para proteger os olhos.

Volta e meia devolvem as granadas à polícia ou tentam neutralizá-las com água.

Talvez a técnica mais engenhosa seja a utilização de um cone de sinalização para reter o gás da granada para que um segundo manifestante jogue água pelo orifício superior do cone para "desativá-la".

"O que está acontecendo em Hong Kong permitiu que os manifestantes aprendessem e desenvolvessem novas táticas", explica Tony Davis, especialista em questões de segurança do grupo IHS Jane's, com sede em Bangcoc.

"Eles estão se tornando um exército organizado, algo que não eram no começo", acrescenta.

Apesar de aturarem como um exército, estão equipados apenas com objetos artesanais, muitos deles utensílios de cozinha.

Algumas pessoas vão para as ruas com tampas de wok, uma frigideira tradicional da culinária asiática, que se converteu numa arma eficaz para se defender das bombas de gás.

Guarda-chuvas, para se proteger do impacto das granadas, e óculos de natação, para se proteger do gás pimenta, se tornaram também objetos essenciais.

Antes do início dos protestos em junho, a polícia de Hong Kong raramente usava gás lacrimogêneo.

O uso desse recurso de dispersão era tão incomum que, quando as forças de segurança começaram a lançar as bombas de gás contra os participantes do "Movimento dos Guarda-Chuvas" em 2014, gerou grande controvérsia.

COMENTÁRIOS dos leitores