Wallace brilha e Náutico desbanca favoritismo do Sport

Meia viveu dia de centroavante e foi decisivo para o Timbu vencer o primeiro clássico do ano por 3 x 0

por Renato Torres qua, 24/01/2018 - 23:24
Chico Peixoto/LeiaJáImagens Wallace foi o nome do jogo Chico Peixoto/LeiaJáImagens

O primeiro clássico do ano. Na noite desta quarta-feira (24), a Arena de Pernambuco foi o palco para o primeiro duelo entre Náutico e Sport de 2018. Mesmo sem seu artilheiro, o Leão entrou mais favorito do que nunca, o que tornou o jogo tão surpreendente. Com dois gols marcados ainda no primeiro tempo, e um no finzinho, o Timbu venceu o apático time rubro-negro sem sofrer muito perigo e, de quebra, assumiu a liderança do Campeonato Pernambucano.

Leão apático, Wallace inspirado

Mesmo entrando de azarão, o Timbu sabia que tratava-se de uma partida diferente das demais. Em clássico, má fase nasce, ou some e foi pensando nisso que os alvirrubros começaram a apertar pelos lados do campo. Tanto que, aos 11, a primeira chance clara de marcar foi convertida. O escanteio alto encontrou Wallace Pernambucano. O meia praticamente chutou com a cabeça, superando Magrão para abrir o placar; 1x0.

Atrás, e com tanta pressão por uma vitória segura, o Leão trabalhava a bola buscando o ataque. Houve a chance do empate em falta que Marlone cruzou na área e Jefferson deixou solta na área, porém Camutanga chegou explodindo para longe. O problema é que o time rubro-negro tinha muita dificuldade em conduzir a bola até a área adversária. Quando parecia fluir, a jogada era interrompida pela posição irregular dos jogadores de frente. E como os visitantes tinham a posse de bola, o jogo era de poucas emoções. E, enquanto aguardava um erro adversário, o time de Roberto Fernandes foi premiado pela paciência.

O relógio marcava 41 e a bola era de posse rubro-negra no meio de campo. Pedro Castro falhou feio e acabou lançando Wallace no ataque. Mesmo pesado, o meia arrancou em velocidade, deixando o marcador para trás e aproveitando a saída de Magrão para bater tirando dele; 2x0. Foi o último lance de um primeiro tempo que pode ser resumido pela boa marcação somada ao dia inspirado de Wallace, contra um Sport apático.

Náutico administra e Sport aceita

A partida recomeçou com a torcida do Leão na bronca. Logo aos 5 minutos, Rogério foi lançado e deu um tapa para tirar do goleiro Jefferson antes de cair. Além de não marcar pênalti, Péricles Bassols deu amarelo para o atacante por simulação. O Sport precisava encontrar outra forma de marcar seu primeiro gol. E tentou em cruzamento de Raul Prata que Marlone e Rogério não alcançaram. Ter a posse, sem finalizar, não era o que o treinador esperava. 

Era um duelo muito travado pela forte marcação alvirrubra que, ocasionalmente, envolvia uma entrada mais dura. O passar do tempo era melhor para os donos da casa e jogar a bola na área sem jogador de referência não mudava a realidade do rubro-negro no jogo. O cansaço era mais um adversário e quase piorou a situação quando Gabriel puxou contra-golpe em velocidade e lançou Tharcysio. Ele apareceu bem entre os zagueiros, porém, Magrão chegou para evitar o terceiro gol aos 31 minutos. 

Tanta insistência na bola aérea tirou a paciência dos torcedores leoninos. Ainda mais com as péssimas conclusões de Rogério, quando havia alguma. Já o Náutico curtia o passar dos minutos com certa tranquilidade aos seus defensores, garantindo um ótimo resultado em um clássico que deveria ser complicado. O resultado final ainda piorou nos acréscimos porque Sander errou a saída de contra-ataque e Tharcysio não desperdiçou a chance de bater sem chances de defesa; 3x0 e jogo encerrado.

FICHA DE JOGO

Campeonato Pernambucano - 3ª rodada

Local: Arena de Pernambuco

Náutico: Jefferson; Thiago Ennes, Camutanga, Breno e Kevyn; Negretti, William Gaúcho (Hygor) e Josa; Gabriel Araújo (Luiz Henrique), Medina e Wallace Pernambucano (Tharcysio). Técnico: Roberto Fernandes.

Sport: Magrão; Felipe Rodrigues (Raul Prata), Durval, Ronaldo Alves e Sander; Anselmo, Pedro Castro (Thallyson), Marlone e Thomás (Juninho); Rogério e Gabriel. Técnico: Nelsinho Baptista.

Arbitragem: Péricles Bassols

Assistentes: Marcelino Castro de Nazaré / Bruno Cesar Chaves Vieira

Gols: Wallace Pernambucano x2 e Tharcysio (CNC)

Cartões amarelos: Kevyn e Josa (CNC) / Anselmo e Rogério (SPT) 

Público: 3.685 torcedores

Renda: R$ 73.235,00

COMENTÁRIOS dos leitores