Um Salgueiro de 'pés no chão', mas sonhando com o título

Líder do Campeonato Pernambucano, o Carcará, mais uma vez, está perto de chegar à final do Estadual. Jogadores e técnico tentam afastar a ansiedade pelo título, mas garantem que estão preparados para qualquer confronto

por Nathan Santos ter, 04/04/2017 - 16:51
Brenda Alcântara/LeiaJáImagens Time do Sertão vai disputar a semifinal do Campeonato Pernambucano Brenda Alcântara/LeiaJáImagens

Do sertão de Pernambuco, um time de futebol se lança entre as grandes equipes da capital. Nos últimos anos, o Carcará voou alto, brilhante, imponente, arisco, pronto para beliscar glórias para a sua história. Em 2017, o Salgueiro novamente faz uma bela campanha no Campeonato Pernambucano, liderando a competição antes mesmo do fim da fase classificatória do Hexagonal do Título. São os 20 pontos somados, entre outros critérios, que dão à equipe o direito de decidir os jogos do mata-mata em casa.

A possibilidade do título parece clara para o Salgueiro. À frente de Sport, Santa Cruz e Náutico, o Carcará soma seis vitórias na competição, graças à atuação que mescla jogadores experientes com jovens talentos. Os números, no entanto, não fazem os atletas e o próprio comando técnico da equipe sertaneja entrarem no clima de ‘já ganhou’. Há um discurso humilde, com os pés no chão, mas de muita confiança. Um dos responsáveis diretos pelo desempenho do time, o técnico Evandro Guimarães representa bem a postura sertaneja. 

“Atribuo nossa campanha ao trabalho. Não existe algo especial, é simplesmente o trabalho de todos que estão envolvidos. Nem pensei em considerar o Salgueiro como a quarta força do futebol pernambucano, porque nós temos que estar focados na nossa preparação. Nos organizamos para isso, tive uma conversa muito forte com os atletas, afirmando que poderíamos fazer história”, explica o treinador.

Com uma folha salarial de cerca de R$ 100 mil mensais, Evandro Guimarães é ciente do poderio financeiro de Sport, Santa e Náutico. Por esse e outros fatores, ele reforça o otimismo do Salgueiro para a conquista do título, mas entende que os três clubes do Recife são fortes concorrentes, além de possuírem torcidas que fazem a diferença nos jogos decisivos. Alimentado de esperança, o comandante deu entrevista exclusiva ao LeiaJá e analisou a boa campanha do time sertanejo: 

Embed:

Apaixonados pelo Carcará

O currículo do lateral direito Tamandaré é vasto. Vestiu camisas como as do Sport e do Corinthians, mas desde 2011 escolheu o Salgueiro como o clube do seu coração. Adaptou-se à cidade sertaneja e descobriu uma equipe organizada em termos financeiros e administrativos. Fatores que contribuíram para a continuação do experiente atleta.

“O Salgueiro é um time que tem um estádio com um bom campo de trabalho, possui um centro de treinamento e uma academia para se trabalhar. Para um time do interior de Pernambuco, nossa equipe tem uma boa estrutura. Na parte financeira, a diretoria paga rigorosamente em dia. O time está muito focado, esperamos brigar e conquistar esse título. A cidade é muito boa de morar, os torcedores nos respeitam e mesmo nas derrotas eles têm um carinho muito grande por nós. Esperamos o apoio deles agora nesta reta final”, destaca o lateral direito.

Aos 36 anos, Marcos Tamandaré acredita que 2017 é o ano do Salgueiro se tornar campeão pernambucano. Em 2015, o Carcará bateu na porta, mas continuou focado nas competições e manteve atletas experientes na equipe. Tamandaré até já pensa em pendurar as chuteiras no time do sertão. “Acho que este é o ano de conquistarmos o título. Fizemos um ótimo trabalho. Sempre jogamos de igual para igual com os times grandes e esperamos fazer uma grande reta final. Sobre a minha carreira, não tenho interesse em sair do Salgueiro, pois espero atuar por um ou dois anos para depois encerrar”, revelou.

Com quase sete anos de Salgueiro, o volante Rodolpho Potiguar é outro atleta que representa um dos pilares das boas campanhas do Carcará. O atleta teve a oportunidade de ser campeão em 2015, além de integrar a equipe que disputou a Série B do Campeonato Brasileiro de 2011. “É um time do interior que paga em dias e trabalhamos há quatro anos com praticamente os mesmos jogadores. Isso tudo facilita. Em 2015 não fomos campeões, ano passado ficamos na semifinal, e este ano a gente tem tudo para chegar à final. Temos a vantagem de decidir em casa e quem sabe seremos os vencedores”, projeta o volante de 29 anos, capitão da equipe.

Pelas mãos do goleiro Mondragon, o Salgueiro vai segurando as vitórias. Com passagens por inúmeros times do futebol pernambucano, o arqueiro agora defende as cores do Carcará e também sonha em levantar o troféu do Estadual. Aos 34 anos, o goleiro exalta sua confiança na equipe sertaneja. “Nosso pensamento é de vitória, porque estamos trabalhando para isso. Este ano estamos mais preparados e esperamos mais sorte. A explicação da nossa campanha é o trabalho que desempenhamos junto com a diretoria e o técnico Evandro”, diz o goleiro.

Se o Hexagonal do Título chegasse ao fim hoje, o Salgueiro, por liderar a competição, enfrentaria o Náutico, quarto colocado. Já Sport e Santa Cruz formariam o outro confronto. Mas esse quadro pode mudar já que a última rodada será realizada no próximo domingo (9) e na segunda-feira (10). 

COMENTÁRIOS dos leitores