Magno Martins

Magno Martins

Política Diária

Perfil:Graduado em Jornalismo pela Unicap e com pós-graduação em Ciências Políticas, possui 30 anos de carreira e já atuou em veículos como O Globo, Correio Braziliense, Jornal de Brasília, Diário de Pernambuco e Folha de Pernambuco. Foi secretário de Imprensa de Pernambuco e presidiu o comitê de Imprensa da Câmara dos Deputados. É fundador e diretor-presidente do Blog do Magno e do Programa Frente a Frente.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

A justiça existe para todos

Magno Martinsqui, 13/07/2017 - 10:38

Já esperada, a condenação do ex-presidente Lula, ontem, pelo juiz Sérgio Moro, a nove anos e seis meses de reclusão, não pegou ninguém de surpresa, nem muito menos o próprio réu. Uma sentença, aliás, previamente anunciada. Como previsto, dividiu o País. Os lulistas, evidentemente, receberam como uma decisão política e jogaram pedras em Moro.

Os que acham que a justiça existe para todos, aplaudiram. A sentença é uma peça histórica. Nunca um ex-presidente da República no Brasil foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Um ex-presidente extremamente popular, um político de massas. Tanto que está à frente de todas as pesquisas de intenção de voto para presidente nas eleições de 2018.

Na decisão, Moro afirma que houve condutas inapropriadas por parte da defesa de Lula que revelam tentativa de intimidação da Justiça e, por isso, até caberia decretar a prisão preventiva do ex-presidente. Porém, decidiu não mandar prendê-lo por "prudência". No decorrer da sentença, o juiz afirmou que há provas documentais contra o ex-presidente e que Lula não apresentou resposta concreta. Disse que as reformas feitas no apartamento têm caráter de personalização.

"Assim, por exemplo, não se amplia o deck de piscina, realiza-se a demolição de um dormitório ou retira-se a sauna de um apartamento de luxo para incrementar o seu valor para o público externo, mas sim para atender ao gosto de um cliente, já proprietário do imóvel, que deseja ampliar o deck da piscina, que pretende eliminar um dormitório para ganhar espaço livre para outra finalidade, e que não se interessa por sauna e quer aproveitar o espaço para outro propósito", diz Moro.

A condenação mostra que a Justiça é igual para todos, inclusive para ex-presidentes da República. Lula é o principal responsável pelo grande escândalo de corrupção no País. Uma condenação esperada, fruto do trabalho da Lava Jato e de Sérgio Moro. E é só o começo. Lula ainda tem mais outros quatro processos em andamento. Trata-se de uma condenação que terá forte impacto no cenário político atual e nas articulações para as eleições presidenciais de 2018.

EXPLICAÇÕES – Ao condenar Lula, o juiz federal Sérgio Moro poderia ter decretado a prisão do petista, mas não tomou a medida. Moro alegou ‘prudência’ e a necessidade de se evitar ‘certos traumas’. Moro condenou o ex-presidente no caso triplex. O juiz destacou na sentença que o réu adotou táticas de intimidação. “Aliando esse comportamento com os episódios de orientação a terceiros para destruição de provas, até caberia cogitar a decretação da prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.” Mas o magistrado considerou. “Entretanto, considerando que a prisão cautelar de um ex-presidente não deixa de envolver certos traumas, a prudência recomenda que se aguarde o julgamento pela Corte de Apelação antes de se extrair as consequências próprias da condenação”. 

Livre de expulsão – Presidente estadual do PSD, o deputado André de Paula, ao contrário do deputado Jarbas Vasconcelos, não corre, aparentemente, nenhum risco de ser expulso do partido ou sofrer retaliações pelo seu voto favorável à investigação do presidente Michel Temer. Segundo ele próprio antecipou, ontem, no Frente a Frente, o PSD não fechou questão em torno da matéria. Já o PMDB não apenas fechou questão contra como já ameaçou em público os dissidentes. Embora histórico peemedebista, Jarbas pode pagar o preço pela sua votação contra Temer com a perda da legenda no Estado.

Fernando e Armando de olho no PMDB – Se Jarbas Vasconcelos vier a ser expulso do PMDB, o fato poderá ter enorme repercussão com a sucessão estadual em 2018. Um dos nomes cotados para tomar as redes do partido é o senador Fernando Bezerra Coelho, atualmente numa posição desconfortável no PSB, partido que fechou questão pela investigação do presidente Temer. O que se diz em Brasília é que de imediato os caciques do PMDB entregariam o partido a FBC, mas há quem admita também um flerte do comando nacional da legenda com o senador Armando Monteiro Neto, pré-candidato a governador.

Momento inadequado - O governador Paulo Câmara resolveu retomar os seminários “Pernambuco em ação” amanhã por Petrolina, mas devido ao agravamento da crise nacional é bem provável que não acabe não tendo repercussão, especialmente se o plenário da Câmara agende a votação do pedido de investigação do presidente Temer para o mesmo dia. Neste caso, as atenções estarão concentradas em Brasília e seria bem melhor o governador aguardar o desfecho do processo. Há uma grande chance de ocorrer um entendimento ao longo do dia de hoje para a votação ocorrer amanhã. O problema reside no quórum. Nunca a Câmara conseguiu votar alguma matéria importante numa sexta-feira.

A versão de Moro – Ao condenar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a nove anos e seis meses de prisão no caso triplex, o juiz federal Sérgio Moro afirmou que a sentença ‘não traz qualquer satisfação pessoal’. O petista foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro. “Registre-se que a presente condenação não traz a este julgador qualquer satisfação pessoal, pelo contrário. É de todo lamentável que um ex-presidente da República seja condenado criminalmente, mas a causa disso são os crimes por ele praticados e a culpa não é da regular aplicação da lei. Prevalece, enfim, o ditado “não importa o quão alto você esteja, a lei ainda está acima de você” (uma adaptação livre de “be you never so high the law is above you”)”, afirmou Moro.

CURTAS

DISSIDÊNCIA – Diante da decisão da Executiva do PMDB de fechamento de questão em favor do presidente Michel Temer, um grupo de deputados da bancada decidiu criar um grupo denominado "PMDB independente". A intenção é dar respaldo ao relator, deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), que apresentou parecer pela admissibilidade da denúncia contra o presidente, e também a alguns deputados que já sinalizaram disposição de acompanhar a posição do relator no plenário.

FINANCIAMENTO – O governo anunciou, ontem, um programa de financiamento e apoio a obras e concessões em estados e municípios. O programa disponibilizará R$ 11,7 bilhões em linhas de crédito para obras públicas e para financiar concessões na área de infraestrutura.

A proposta é estimular, prioritariamente, obras nos setores de saneamento, mobilidade urbana, iluminação e gestão de resíduos sólidos.

Perguntar não ofende: Lula será condenado também em segunda instância?


Sem risco de cassação

Magno Martinsqua, 12/07/2017 - 10:01

Em um País que não é governado com firmeza, o primeiro aspecto a sofrer é a economia. Aqui no Brasil, felizmente, o que presenciamos é uma economia absolutamente controlada, em plena recuperação, com todos os sinais de crescimento, como juros em baixa, inflação em baixa, o emprego já mostra recuperação, obras reativadas com a transposição do São Francisco, ajuda aos Estados repactuando as dívidas, dólar controlado, estatais dando lucro e até a Petrobrás no azul.

A Democracia? Forte democracia que tem suportado ações mentirosas e caluniosas de setores da imprensa, que vão desde especulações acerca da renúncia do presidente até uma suposta cassação do seu mandato pelo Tribunal Eleitoral, além de alegações no sentido de que o presidente seria comparável ao deputado A ou ao senador B, sem contar que uma tal delação premiada findaria por comprometer o mandatário da República.

Porém, o que estamos assistindo é diferente de todos esses disparates noticiosos. Depois de alguns dias, o Brasil concluiu que não há nada além do vazio. O País quer seguir em frente e percebe o presidente desmanchando as questões maliciosamente a si imputadas, uma a uma, dentro da lei e da democracia. E também dentro da lei, fará com que as acusações falsas e indutoras de tentativa de desordem social sejam responsabilizadas e punidas.

O Governo Temer é setorialmente aprovado em todas as áreas. Educação, Cidades, Relações Exteriores, Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, todos os ministérios ganhando batalhas importantes para a retomada do crescimento do País. Outra área que sofre em governos frágeis é a segurança nacional. Assistimos também a competência do Ministério da Defesa nas intervenções pela segurança das cidades, nas guerras dos presídios, nas badernas de rua, como a de Brasília, ou nas enchentes do Sul e do Nordeste.

A partir desse rápido panorama, percebemos que o Brasil está, enfim, organizando-se. O presidente Michel Temer continuará aprovando as reformas que o País necessita. E daí ter que enfrentar uma acusação julgada contra ele, desde a primeira notícia (Barriga de Lauro Jardim). Caso da gravação, bem diferente do presidente Collor, com o irmão e com o PC Farias; do presidente Lula que envolve ministros, diretores de estatais, empresários, filhos, sítio, cobertura em Guarujá; da ex-presidente Dilma, com ministros, Lula, Dirigentes do Banco do Brasil, Petrobrás, os Marqueteiros, os empreiteiros, as contas bancárias no exterior.

Com o presidente Temer não existe isso, só a gravação que não diz nada, e a delação totalmente suspeita do Joesley. Vejamos: como profissional, sou acostumado a ouvir gravações, muitas ainda da época dos primeiros gravadores, com a qualidade bastante precária. Não consigo entender como uma gravação com a qualidade que Joesley fez do Presidente Temer está sendo considerada pela justiça e pela imprensa. A questão é simples e objetiva: se você recebe na sua casa à noite uma pessoa que tem a liberdade de falar qualquer assunto, pessoa que já lhe corrompeu outras vezes, que você é acostumado a pedir dinheiro, somas vultosas, tipo dez milhões de reais, trinta milhões de reais, e está aceitando um intermediário para receber quinhentos mil por semana durante vinte anos, tem intimidade para passar a mão nas nádegas do Presidente.

Aí, a conversa não ia ser cheia de enigmas, falhas e interpretações. O Joesley ia falar abertamente. “Michel, olha cara, encerrei o pagamento do Cunha, ficou tudo certo, fiz outro acerto com ele e com fulano para não fazerem delação, fica tranquilo que tá tudo certo. Olha cara, os juízes fulano e sicrano, comprei os dois, e nem foi caro, paguei X a cada um para segurar aqueles processos e despachando favorável a Friboi.

Michel, vamos subir que estou com uma fome danada. Pede pra a Marcelinha organizar o jantar agora. Sim, o CADE manda nomear José dos grudes que aí só faz o que eu quero. Garantida tua aposentadoria, quinhentos mil por semana, durante vinte anos. O Michelzinho tá feito. Vai ficar rico o resto da vida por conta da Petrobrás”.

Seria nesse nível, nesse tom, se Joesley tivesse a intimidade que alegou ter com o Presidente. Intimidade falsa, totalmente desmentida pela própria gravação. Além do mais, é muita confiança um sujeito com 76 anos fazer um negócio de 20 anos de boca. É preciso acreditar em Papai Noel. A gravação é uma farsa, cheia de arrodeios, falando coisas sem clareza para poder dizer depois que é outra. É simplesmente ridículo.

A verdade que o País precisa saber é por que um bandido como Joesley faz acordo com o Procurador da República para ficar impune? O único brasileiro, vivo ou morto, que tem um salvo conduto desses. É estranho ter sido de graça. O regime é capitalista, o governo Temer é apoiado pela imprensa Paulista, pela FEBRABAN, FIESP, Governador e Prefeito de São Paulo, pelos Senadores Aécio, Serra, Eunício e Jucá. O Ás da Câmara é o próprio Temer. O Brasil não terá um presidente que, apesar de Presidente da Câmara, não representa nem o baixo clero.

Os Paulistas não farão uma troca desastrosa para eles, além de ainda precisar esclarecer delações feitas, inclusive contra ele. É jovem, conhece a Câmara, está se saindo bem no caso, mas falta muito chão ainda. A mala com os quinhentos mil reais foi devolvida trinta dias depois pelo próprio Rodrigo Loures, que a recebeu. Tanto foi para o próprio que devolveu trinta e oito mil reais a menos. Quanto à substituição de membros da Comissão de Constituição e Justiça, o que os líderes governistas fizeram foi o certo. Já dizia Agamenon Magalhães: “Feio é perder”. O relatório que vai para o plenário, vai contra o Presidente Temer ser investigado.

NO PARALELO – A bancada do PMDB protocolou na manhã de ontem, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), um voto em separado contra a denúncia do presidente Michel Temer (PMDB). A ação é um movimento da bancada para mostrar que o relator Sérgio Zveiter (PMDB-RJ), que apresentou parecer pela admissibilidade da denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR), está isolado. O parecer paralelo é apoiado por membros titulares e suplentes da CCJ. Assinam a peça Alceu Moreira (RS), Daniel Vilela (GO), Darcísio Perondi (RS), Hildo Rocha (MA), Lelo Coimbra (ES), Soraya Santos (RJ), Carlos Marun (MS), Carlos Bezerra (MT) e o líder Baleia Rossi.

PSL no palanque de Paulo – O governador Paulo Câmara (PSB) estava na dependência apenas de uma conversa do deputado Kaio Maniçoba com o ex-deputado Luciano Bivar, ambos do PSL, para anunciar, formalmente, a escolha do primeiro para a Secretaria de Habitação no lugar de Bruno Lisboa, da cota do deputado Jarbas Vasconcelos (PMDB). Com a ida de Kaio para o Governo, Bivar volta ao Congresso como deputado e seu partido passa a integrar a aliança de apoio à reeleição do governador em 2018.

A cota do Solidariedade – As mudanças no secretariado do governo Paulo Câmara não devem parar apenas na Habitação. O partido Solidariedade, presidido no Estado pelo deputado federal Augusto Coutinho, há muito vem cobrando um espaço mais amplo na gestão estadual. É bem possível que o governador, já de olho na reeleição em 2018, reacomode o partido. Como o PMDB perde a Habitação, Câmara deve também incluir entre as suas preocupações a procurar de espaço para atender o deputado Jarbas Vasconcelos, padrinho da ida de Bruno Lisboa para Habitação.

Oposição contrariada - A ida de Luciano Bivar para o Congresso numa negociação direta com o governador contraria lideranças do PSL estadual, como a deputada Socorro Pimentel e o seu marido, o prefeito de Araripina, Raimundo Pimentel. O casal faz oposição ao Governo do Estado e certamente sequer foi consultado. Quem também sai perdendo é o deputado federal Daniel Coelho, que já estava fazendo a travessia do PSDB para o PSL, inconformado com a posição das lideranças nacionais tucanas em apoio ao Governo Michel Temer. Indo para a legenda, o tucano passaria a comandá-la com mão de ferro no Estado.

Na jugular – Ao afirmar que o ex-vereador Zé Ailton, seu ex-líder na Câmara havia morrido desgostoso com a prefeita Raquel Lyra (PSDB), durante fala, ontem, na missa de sétimo dia pela alma do parlamentar, o ex-prefeito José Queiroz (PDT) incendiou de vez sua relação, já estremecida deste o resultado da eleição, com a tucana. Na verdade, Queiroz tem razão. A prefeita, conforme registrou esta coluna, além de negar espaço para o ex-vereador, assim como todos os suplentes que a apoiaram, ainda demitiu o seu filho, que ocupava a Diretoria de Esportes na gestão de Queiroz.

CURTAS

ELOGIOS – Na entrevista que concedeu ao programa Roda Viva, da TV-Cultura, segunda-feira passada, o senador Cristovam Buarque (PPS-DF), provocado a dar uma opinião na condição de ex-ministro da Educação sobre a gestão Mendonça Filho, foi generoso com o pernambucano. Disse que é um dos melhores auxiliares de Temer e que fez uma competente reforma no ensino médio.

MUTIRÃO – Com o objetivo de manter a cidade limpa e evitar a proliferação de focos do mosquito Aedes Aegypti, a Prefeitura de Serra Talhada realiza um mutirão de limpeza nas ruas do centro e bairros da cidade. A ação teve início na última sexta-feira pela Avenida Afonso Magalhães, com recolhimento do lixo, capinação dos canteiros e pintura de meio-fio. Coordenada pelas secretarias de Serviços Públicos, Saúde, Meio Ambiente, Planejamento e Gestão, e pelo vice-prefeito Márcio Oliveira, a ação percorrerá todos os bairros da cidade recolhendo lixo e entulhos espalhados pelas vias.

Perguntar não ofende: Quantos votos Tasso Jereissati, presidente interino e sem força do PSDB, influencia na bancada tucana da Câmara contra Temer na votação do pedido de investigação?


Maia não é o fim da crise

Magno Martinsseg, 10/07/2017 - 08:06

Em 15 dias, o Brasil pode ter o terceiro presidente de um mandato de quatro anos, mas a substituição de Michel Temer (PMDB) pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o primeiro na linha sucessória, está longe de representar o fim da crise. A queda de Temer apenas atenua o grave momento político que o País atravessa. Da mesma forma que o atual presidente, Maia também está sendo investigado por abuso de poder econômico, Lava Jato e uso do caixa dois.

Os holofotes ainda não estão direcionados a ele porque o alvo é Temer. Maia só vira a bola da vez quando assumir, provisoriamente por 180 dias, período que Temer ficará afastado para fazer a sua defesa, caso a Câmara dos Deputados aprove o pedido de investigação feito pelo Supremo Tribunal Federal. Como Temer, Maia tem um grande lastro de apoio na Câmara. Numa eleição indireta, é imbatível, porque conta com os votos do baixo clero, a maioria silenciosa da Casa.

Mas Maia, mesmo mantendo a equipe econômica de Temer, à frente o competente Henrique Meirelles, não garante a estabilidade política que o País necessita para a retomada do desenvolvimento. Para que seja o timoneiro da travessia para 2018, primeiro terá que se livrar de processo de investigação de caixa dois. A Polícia Federal diz ter indícios de que Maia recebeu propina de Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, em troca de “favores políticos” à empreiteira no Congresso, entre 2013 e 2014. 

A conclusão faz parte de um relatório da PF, revelado em reportagem exibida pelo “Jornal Nacional”, na quarta-feira (8). A apuração da PF é com base em mensagens encontradas no celular de Pinheiro, preso pela Lava Jato, em que ele conversava com o então deputado federal. 

Ele é acusado de participar do cartel de empresas, que fraudava licitações e pagava propina para obter os contratos de interesse com órgãos públicos. De acordo com o relatório, Maia atuou na Câmara pela aprovação de medidas provisórias que beneficiavam interesses da OAS. Em troca, o deputado pediu doações eleitorais para sua campanha em 2014.

PROCESSO MANTIDO – A presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, rejeitou, ontem, dois pedidos para suspender a tramitação da denúncia contra o presidente Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. O primeiro foi um pedido dos deputados Afonso Motta (PDT-RS) e André Figueiredo (PDT-CE). Eles queriam suspender a tramitação até que o presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), colocasse em votação pedido para ouvir o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, sobre a denúncia. O segundo pedido negado foi apresentado pelo deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), com a mesma pretensão, de ouvir Janot. 

Sem botar a cara – A vereadora Marília Arraes, líder da oposição na Câmara do Recife, ainda não assume sua candidatura ao Governo do Estado pelo PT. “Mesmo que o presidente Lula fosse simpático à minha candidatura, no PT o debate não se trava assim. Primeiro se discute o projeto, o direcionamento que o partido irá tomar nas próximas eleições, para depois se discutir qual o melhor nome a ser apresentado. Humberto Costa e eu conversamos com Lula sobre a conjuntura política no Estado e afirmamos ser muito complicado ter uma política de alianças com os candidatos e os partidos que estão postos”, afirmou. 

Sertanejo na APL – O jornalista, escritor e dramaturgo Cícero Belmar, natural de Bodocó, é o mais novo membro da Academia Pernambucana de Letras (APL), passando a ocupar a cadeira de número 33. A concorrida cerimônia de sua posse aconteceu na sede da APL, no Recife, com a participação do prefeito de Bodocó, Túlio Alves, do escritor José Paulo Cavalcanti Filho, da secretária da Mulher do Recife, a bodocoense, Cida Pedrosa, entre outras autoridades. “É motivo de muito orgulho para cada bodocoense ter Belmar representando nossa cidade na APL, uma instituição de densidade artística e literária de grande respeito”, disse o prefeito. Belmar é o segundo bodocoense a ocupar uma cadeira na Academia Pernambucana de Letras, sendo o primeiro o escritor Lourival Holanda, empossado ano passado. 

Acenando para pular fora - Na véspera de uma reunião que deverá reunir as principais lideranças tucanas para discutir o possível desembarque do PSDB da base aliada do governo do presidente Michel Temer (PMDB), o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), indicou, ontem, que, por ele, a legenda romperia a aliança e destacou que a decisão de seu partido sobre a permanência ou não na gestão do peemedebista é questão de semanas. Mas o governador ponderou que o partido tem responsabilidade com o País e que um eventual desembarque pode gerar tumulto num momento em que o governo federal já encontra dificuldades para aprovar a reforma trabalhista.

Cabo vira sede do poder – O governador Paulo Câmara transferiu, por decreto, na última sexta-feira, a sede do Governo para o Cabo em comemoração aos 140 anos de emancipação política do município. Ao longo do dia, comandará uma série de ações ao lado do prefeito Lula Cabral (PSB). Entre as ações, assinatura de termo de doação de terreno para a construção da nova sede do 18º Batalhão de Polícia Militar de Pernambuco e visita ao terreno onde será construída; o lançamento do edital de licitação da ponte que ligará a BR-101 Sul ao Distrito Industrial do Cabo; assinatura da Ordem de Serviço para o início das obras da PE-33 e do contrato que vai possibilitar a instalação da Academia Pernambuco. O governador irá inaugurar, ainda, o Hotel Intercity Suape, onde se reunirá com empresários e convidados. 

CURTAS 

COM FHC – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso confirmou que o presidente Michel Temer o convidou para um encontro. O convite é para discutir o cenário político em meio à ameaça de desembarque do PSDB do Governo. Fernando Henrique disse que está verificando se terá disponibilidade para marcar o encontro até amanhã, pois está com viagem marcada para a Europa.

BATE CHAPA – Anda não há consenso em relação à recondução do presidente estadual do PSB, Sileno Guedes. Tem uma corrente no partido, insatisfeita com as dificuldades de acesso a ele e sua ausência no Interior, que trabalha um nome dentro do partido para bater chapa. A renovação do diretório estadual está prevista entre setembro e outubro, assim como a direção nacional. 

Perguntar não ofende: Se Eduardo Cunha delatar entrega Rodrigo Maia também? 


PSDB cai fora, DEM conspira

por sab, 08/07/2017 - 09:33

O jornal O Estado de São Paulo entrou em contato com os 513 deputados federais, por telefone, e-mail, mensagem ou pessoalmente. De acordo com o placar, 162 deputados são favoráveis à admissibilidade da denúncia por corrupção passiva contra o presidente Michel Temer e 57 são contrários. A maioria informou que não vai manifestar seu voto ou se declarou indecisa: 293.

Na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, o parecer do relator Sergio Zveiter (PMDB-RJ) deve ser divulgado na próxima semana - o placar mostra que, dos 66 parlamentares do colegiado, 19 são favoráveis à aceitação da denúncia, sete são contrários, 32 não responderam e 8 se declaram indecisos. Para que o Supremo Tribunal Federal julgue a denúncia da Procuradoria-Geral da República contra Temer, a Câmara deve, antes, dar aval. 

O processo é analisado na CCJ, que emite um parecer contrário ou favorável ao processo. Independentemente do resultado na CCJ, o caso é votado no plenário. Para que seja encaminhada ao STF, a denúncia precisa do apoio de dois terços da casa (342 votos). Enquanto o PSDB sinaliza que pulou do barco de Temer, o DEM dá sinais ainda de lealdade. Mas o que se diz nos bastidores é que tem muita gente do partido conspirando, porque na linha de sucessão, em caso de vacância do cargo, quem assume é Rodrigo Maia, principal liderança democrata. 

O presidente, senador José Agripino (RN), diz que o partido mantém o apoio ao Governo e não vai "precipitar" um eventual afastamento do presidente Michel Temer. Segundo ele, como o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é o primeiro na linha sucessória da presidência da República, a legenda não vai "empurrar nenhuma solução" para a saída de Temer.

Agripino disse que, caso a denúncia seja aceita pela Câmara e Temer seja afastado, o DEM vai apenas seguir o que determina a Constituição e "manter seu compromisso com o País". Nesse caso, Maia assumiria o cargo por até 180 dias até que o Supremo Tribunal Federal (STF) julgue o caso. Se Temer for condenado, o democrata também é considerado o candidato o favorito em caso de eleição indireta.

DÁ PARA ACREDITAR?– O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), declarou lealdade ao presidente Michel Temer (PMDB), no momento em que existe defesa de seu nome por aliados do PSDB e do seu partido como alternativa viável à crise que desestabiliza a posição do peemedebista na Presidência. "Eu aprendi em casa a ser leal, a ser correto e serei com o presidente Michel Temer sempre", disse o democrata, em Buenos Aires, ao participar do encerramento do Fórum de Relações Internacionais e Diplomacia Parlamentar.

Também investigado– O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), primeiro na linha sucessória de Michel Temer (PMDB-SP), também é alvo de inquéritos no Supremo Tribunal Federal. Recaem sobre ele citações de delatores da Odebrecht sobre repasses, via caixa dois, nas eleições de 2008, 2010 e 2012. O valor total dado pela empreiteira, às margens da lei eleitoral, é de R$ 1 milhão, segundo relataram os colaboradores à Procuradoria-Geral da República. Nas planilhas do departamento de propinas da Odebrecht, Maia era identificado por ‘Botafogo’, time pelo qual torce. Somente com base nas delações da empreiteira, dois inquéritos tramitam no Supremo.

Zero preocupação– O presidente Michel Temer afirmou, ontem, após participar de agenda oficial na Alemanha, que acredita na lealdade o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), Maia é o primeiro na linha sucessória e assumiria a Presidência da República em caso de queda de Temer. Essa situação pode ocorrer se a Câmara der prosseguimento à denúncia contra o presidente e o Supremo decidir pela condenação de Temer. "Acredito [na lealdade de Maia]. Ele só me dá provas de lealdade, o tempo todo", disse o presidente após ser questionado por jornalistas sobre o assunto. Sobre o PSDB, que está querendo cair fora, Temer disse: "Zero preocupação. O PSDB tem quatro ministérios, os ministros todos estão muito tranquilos, exercendo as suas funções. Ainda agora me ligaram todos, digamos assim, dando explicações, dizendo que essa fala, do senador Tasso, não condiz com aquilo que pensa o PSDB. Acho que não há esse problema". 

Tucanos não se entendem - O líder do PSDB na Câmara, Ricardo Tripoli (SP), saiu em defesa do presidente interino do partido, senador Tasso Jereissati (CE), que foi criticado, ontem, pelo chanceler Aloysio Nunes por defender o desembarque dos tucanos no governo.  “O Tasso está verbalizando aquilo que pensa a maioria das bancadas no Senado e na Câmara. Isso vai na contramão do que o Aloysio está falando”, disse Tripoli ao Estado. Após Tasso dizer que o País “beira a ingovernabilidade”, o ministro das Relações Exteriores escreveu no Twitter que “nem Lula nem Dilma tiverem esse tratamento de nossa parte quando éramos oposição”.

Desemprego em massa– Em visita, ontem, ao blog, o presidente estadual do Sindicato dos Metalúrgicos, Henrique Gomes, disse que a crise que atinge o setor, agravada pelo panorama nacional, está provocando uma média de 700 demissões por mês no Estado. "No acumulado, são mais de 4,7 mil trabalhadores na rua da amargura", afirmou. O líder dos metalúrgicos veio acompanhado do superintendente regional do Trabalho, Geovane Freitas, que está promovendo, nos próximos dias, uma audiência pública com a classe política para discutir a situação da indústria naval no Estado. Henrique afirmou, em entrevista ao Frente a Frente, programa ancorado por este blogueiro e retransmitido pela Rede Nordeste de Rádio, que a categoria pensa também em promover uma grande manifestação pelas ruas do Recife para chamar a atenção do Governo Federal. 

CURTAS 

CANDIDATURA – A Igreja Assembleia de Deus - Ministério novas de Paz - em Jaboatão- decidiu lançar a candidatura do evangelista Ibineias Júnior, para tentar um mandato na Assembleia Legislativa. O radialista "IBI", como é conhecido, faz parte da equipe de comunicadores da Rede Novas de Paz de Comunicação que possui cinco emissoras de Rádio, sendo três na Região Metropolitana e duas no interior. O irmão "IBI" também é muito conhecido em São Lourenço da Mata, onde já atuou em rádios locais. 

APOSTA NA QUEDA– O PMDB de Minas Gerais reuniu sua Executiva, ontem, para discutir a conjuntura política em meio à crise política que atinge Michel Temer. Durante a reunião, peemedebistas fizeram críticas ao governo, reclamando da ausência de um mineiro no primeiro escalão do ministério. O ex-governador Newton Cardoso subiu o tom, e disse que Temer "esnobou" Minas Gerais, "não terá votos" e "vai cair".

Perguntar não ofende: Temer confia em Maia da boca para fora?


A defesa de Temer

Magno Martinsqui, 06/07/2017 - 12:04

O advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, que representa o presidente Michel Temer (PMDB) na defesa do processo em que o STF pede autorização da Câmara para investigar o chefe da Nação, entregou o documento de defesa do à Câmara no final da tarde de ontem. A Casa vai decidir se aceita a denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Temer e seu ex-assessor especial Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) por corrupção passiva. 

No documento de defesa, Mariz ataca inicialmente o “açodamento” dos investigadores. “Foi aberto um inquérito sem sequer haver verificação da gravação (da conversa de Joesley com o presidente). Pediram inquérito e o ministro (Edson Fachin, relator do caso no STF) foi logo deferindo. Houve açodamento tanto do Ministério Público como do ministro que, sem maiores verificações, e monocraticamente, autorizou a investigação”, questionou o advogado.

Para acrescentar: “Mostramos a inexistência de provas de corrupção passiva. A prova toda é baseada em gravação ilícita e contaminou todos os demais elementos. Mesmo que assim não fosse, considerando-se como correta, como em ordem a gravação, mesmo assim, não encontra nenhum elemento que comprometa o presidente da República”. 

Em português claro, o advogado diz que não há nenhum indício na gravação da conversa do presidente (com Joesley Batista, da JBS) que mostra que o presidente cometeu o crime de corrupção passiva. Ele disse que aguardará com "serenidade" a decisão da Câmara e acredita que a denúncia não terá prosseguimento porque, em sua opinião, "prevalecerá o discernimento, o senso de justiça e o patriotismo" dos deputados.

A denúncia está na CCJ da Câmara. Cabe ao relator, deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), formular um parecer recomendando a aprovação ou rejeição da denúncia. O parlamentar já disse que com ele "não tem pressão". Independentemente do resultado na comissão, o relatório de Zveiter será submetido à votação em plenário e somente seguirá para o STF se pelo menos 342 parlamentares votarem a favor do prosseguimento da denúncia.

TRAMITAÇÃO VAPT-VUPT– Um dia após anunciar o nome do relator da denúncia contra Michel Temer, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), afirmou que com a entrega da defesa do presidente Michel Temer, ontem, à Câmara dos Deputados, o parecer poderá ser apresentado na próxima segunda. Ainda de acordo com o dirigente da comissão, a discussão do relatório do deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), que antecede a votação do parecer, deve ser iniciada na próxima quarta-feira. 

Escondendo o jogo – Líder do PT no Senado, o senador Humberto Costa tentou minimizar os efeitos para o cenário da eleição estadual em 2018 a ida da vereadora Marilia Arraes, por iniciativa dele, ao ex-presidente Lula, segunda-feira passada, em São Paulo. “A conversa não teve relação com candidaturas, mas o cenário nacional”, despistou o senador em entrevista, ontem, ao Frente a Frente, na qual admitiu que o PT está aberto para um entendimento com o senador Armando Monteiro, pré-candidato a governador. Para Humberto, Marília somente será encarada como uma alternativa de candidatura do PT em faixa própria se o partido não conseguir construir alianças. 

O lado perverso da política– Vítima de infarto, o vereador Zé Ailton (PDT), enterrado, ontem, em Caruaru, morreu desgostoso com a prefeita Raquel Lyra (PSDB), a quem apoiou no segundo turno atendendo a um pedido do ex-prefeito José Queiroz (PDT). Não reeleito, depois de cinco mandatos populares, pelos quais ficou conhecido como Zé Matuto, ele alimentou esperanças de ocupar um cargo na gestão da tucana. Mas o que o feriu profundamente foi a demissão do seu filho da Diretoria de Esportes tão logo a prefeita tomou posse. A política muitas vezes proporciona momentos de felicidade e alegria, mas tem também o seu lado perverso. 

Hemobrás ameaçada– Coube ao deputado Jarbas Vasconcelos (PMDB) mobilizar a bancada federal e os senadores, ontem, em Brasília, para deflagração de um movimento político que possa barrar a pretensão do ministro da Saúde, Ricardo Barros, de transferir a sede da Hemobrás de Goiana, na Mata Norte do Estado, para a cidade de Cascavel (PR), principal base política do ministro. Ao final do encontro, que contou com 12 deputados e os senadores Armando Monteiro e Humberto Costa, a Armando foi a delegada a missão de elaborar um documento cobrando do presidente Temer e do próprio ministro da Saúde uma posição favorável a manutenção da empresa em Pernambuco. 

Temática municipal– O prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque (PT), participou, ontem, em Brasília, da reunião da Frente Nacional de Prefeitos – FNP, da qual o gestor faz parte como vice-presidente de Educação Ambiental. Na pauta, assuntos relacionados à governança municipal e projetos tocados pela FNP. “Discutimos agendas e projetos que serão implantados nos municípios brasileiros, inclusive no município de Serra Talhada. Por isso, estamos buscando parcerias que serão fortalecidas a partir desse encontro, para que possamos avançar na construção de políticas públicas que melhorem a educação, saúde, meio ambiente e a política para as mulheres”, disse Luciano, que levou para o encontro o secretário de Meio Ambiente, Ronaldo Melo Filho.

CURTAS 

LABORATÓRIO - A rede de diagnósticos Diagmax abre sua quarta unidade no Recife com a inauguração de suas dependências no Shopping Recife. Como novidade, a unidade da Zona Sul - que funciona no 1º piso da 5ª Etapa - também oferecerá aos pacientes a possibilidade de realização de exames de sangue com laboratórios próprios, tornando a rede o maior grupo de exames diagnósticos ambulatoriais (realizados sem regime de urgência) fora de grandes complexos hospitalares de Pernambuco. No total, a unidade teve investimentos da ordem de R$ 10 milhões em reformas estruturais no espaço de 700m² e em seu parque de máquinas.

AGRADECIMENTO– O deputado Silvio Costa Filho, líder do bloco de oposição na Assembleia Legislativa, telefonou, ontem, para o ex-presidente Lula, agradecendo o apoio dado ao prefeito eleito de Belo Jardim, Hélio dos Terrenos (PTB), na eleição suplementar de domingo passado.  Silvio esteve, ao lado de Hélio, no Instituto Lula, quando o ex-presidente gravou um vídeo de apoio para o agora prefeito de Belo Jardim.

Perguntar não ofende: Se o pedido de investigação feito pelo Supremo passar no plenário da Câmara, o presidente Temer renuncia? 


O recado de Armando

Magno Martinsqua, 05/07/2017 - 11:43

Em Pernambuco, o PT deve disputar o Governo do Estado em 2018 em faixa própria. Sem um nome de maior envergadura, apostará na vereadora Marília Arraes, conforme este blog antecipou no início deste ano, sendo negado por ela sem convencimento. Sabendo que não contará com o partido em seu palanque, o senador Armando Monteiro Neto, pré-candidato do PTB a governador, disse, ontem, em entrevista a este blog, que deixará o PT bastante à vontade.

Armando foi candidato a governador em 2014 com o apoio do PT e nas eleições municipais em 2016 se aliou também com a legenda petista no Recife, tendo o seu candidato, o ex-prefeito João Paulo, perdido para Geraldo Júlio. São duas eleições seguidas sem sucesso. Os tempos são outros. De olho no Palácio das Princesas, o senador está em busca de uma aliança diferenciada do espelho das anteriores, que pode contar ou não com o PT.

Ele flerta com o PSDB e o DEM, partidos que hoje estão sem espaço no Governo Paulo Câmara e que representam a cara de uma nova oposição no Estado. Isso, entretanto, não significa que forças mais à esquerda, campo que o senador sempre militou, não venham estar presentes em seu palanque, incluindo ai o PT. A não ser que o PT resolva de fato caminhar com os seus próprios pés.

Neste caso, a única saída para um fato novo seria a aposta em Marília Arraes. Ela e o PT têm pesquisas internas que lhe dão uma posição até confortável, levando-se em consideração que ainda é um nome bastante desconhecido. Marília, no entanto, pode soar aos ouvidos do eleitorado de forma mais suave por ter o sobrenome Arraes, ser mulher e representar uma novidade.

Armando tem mantido com o ex-presidente Lula uma boa relação, assim como com figuras importantes do PT estadual, a exemplo do ex-prefeito João Paulo. Mas por ser um político bastante experiente e consciente de que o tempo obriga a criar cenários novos e diferenciados do passado, trabalhará para agregar mais lideranças de peso de outros segmentos partidários ao seu palanque, nem necessariamente excluir o PT, que segundo ele, é quem decide suas alianças. 

O QUE DISSE O SENADOR– “Eu vejo com naturalidade que o PT busque e encontre o seu melhor caminho. Todo partido, em diferentes momentos, precisa fazer uma avaliação de cada circunstância, de cada tempo histórico. Portanto, um partido que tem em Pernambuco tantos e tão valorosos quadros terá sempre muitas opções. Eu vejo o nome de João Paulo como um nome que tem muita densidade do ponto de vista eleitoral e vejo também despontando com muita força a vereadora Marília Arraes, que é um quadro que alia tradição, pela história de sua família, combatividade, firmeza. Portanto, o PT dispõe de quadros para, a depender evidentemente da definição do partido. Como eu disse, cada circunstância é uma circunstância. No passado, o PT priorizou muito as alianças. Cabe agora ao partido definir, na perspectiva de 2018, qual é a melhor estratégia: seguir numa política de alianças ou buscar uma opção de maior identidade partidária”. 

Sai, enfim, o relator – O deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) foi escolhido relator da denúncia contra o presidente Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. O relator será responsável por emitir parecer à CCJ sobre a denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o presidente Michel Temer por corrupção passiva. Os advogados do peemedebista têm até 10 dias para apresentar manifestação. Já o relator terá cinco sessões para apresentar seu voto. Após a CCJ, o pedido de autorização para aceitação de denúncia pelo Supremo Tribunal Federal é votado em plenário. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou criminalmente Temer ao STF com base na delação dos acionistas e executivos do Grupo J&F, que controla a JBS, no dia 26 de junho.

Aceno para Temer– O discurso de retorno de Aécio Neves ao Senado depois de 46 dias afastado por decisão do Supremo Tribunal Federal e alvo de denúncia por parte do Ministério Público Federal foi um aceno a um acordo amplo entre partidos que poupe as principais lideranças na mira da Lava Jato. Numa fala curta em que se disse vítima de uma “armadilha” por parte de Joesley Batista, mas poupou também ataques ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, Aécio teceu loas às “conquistas” do governo Michel Temer, defendeu apoio às reformas e não fez sequer uma crítica ao PT, tônica de suas falas anteriores.

Hospital reaberto– Fechado desde o dia 28 de maio devido às fortes chuvas que atingiram a Mata Sul, o Hospital Municipal Maria José Monteiro, localizado em Rio Formoso, volta a funcionar, hoje, após investimento de cerca de R$ 104 mil do Governo do Estado. A retomada do atendimento do hospital também contou com a ajuda de instituições hospitalares do Recife, como o Hospital de Câncer e do Tricentenário, que realizaram a doação de equipamentos à Prefeitura de Rio Formoso. O Hospital Municipal vai voltar a funcionar 24 horas por dia, contando nos plantões com um médico clínico geral, um enfermeiro plantonista e quatro técnicos de enfermagem, além do apoio de um enfermeiro diarista e da equipe administrativa. Diariamente, são realizados, em média, 120 atendimentos adulto e infantil.

Sem temor de expulsão – Em entrevista ao Frente a Frente, ontem, o deputado Daniel Coelho (PSDB) negou que tenha planos de deixar o partido, negou que ingressaria no PSL e disse não acreditar em expulsão pela sua posição já clara e aberta pela abertura do processo de investigação do presidente Temer. Para o tucano, o partido dificilmente fechará questão contra a investigação porque está rachado. “Se temos um presidente (Tasso Jereissati) que é favorável ao processo, como o partido pode expulsar alguém? Para fechar a questão tem que reunir a bancada e o aval da executiva”, avaliou. 

CURTAS 

ABASTECIMENTO - Após três anos e meio em colapso, a Barragem Mororó, localizada no município de Pedra, voltou a acumular água com as chuvas do último final de semana. O manancial é a única fonte de abastecimento para a população da cidade, que está desde o ano de 2014 sendo atendida exclusivamente por meio de carros-pipas. O reservatório estava completamente seco e com as chuvas conseguiu atingir 19,66% da sua capacidade máxima de armazenamento, que é de 2,9 milhões de metros cúbicos de água. Com o volume de 576 mil metros cúbicos, a Compesa já está trabalhando para retomar a operação do sistema de distribuição de água até o final de julho.

PORTO DE NORONHA – A Administração de Fernando de Noronha divulgou o início do processo de regularização do Porto de Santo Antonio. Conforme o diretor Financeiro, Rodrigo Valença, os técnicos da Agência Nacional de Transportes Aquaviários, Melzac Amaro da Silva e Aretta Gomes, chegaram à ilha para dar continuidade à avaliação do porto. Conforme Valença, a administração já havia provocado a agência reguladora no Recife para dar inicio ao processo, tendo em vista que já deveria ter regularizado há algum tempo. 

Perguntar não ofende: Temer vai aguentar até quando a política miúda de procurar deputado um por um para se salvar?


Semana reserva fortes emoções

Magno Martinster, 04/07/2017 - 08:51

A semana promete. Hoje, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), deve escolher o relator da denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Temer. O responsável pela relatoria terá cinco sessões, após a manifestação da defesa, para apresentar seu parecer. Aliados do governo defendem que, no mesmo dia, o presidente apresente seus argumentos contra a denúncia.

Os advogados dizem que, até o fim desta semana, devem apresentar a defesa. Temer tem até dez sessões para protocolar a defesa na Câmara e a intenção do Planalto é entregá-la o mais rápido possível. Também hoje, o PSB deve fazer uma reunião para discutir sobre a posição da bancada em relação ao seguimento da denúncia. A líder Tereza Cristina (MS) é próxima a Temer, mas admite que a maioria da bancada, de 36 deputados, deve optar por votar pelo seguimento da denúncia.

A semana também será agitada no Senado. Autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a retomar o mandato após afastamento do cargo desde maio, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) deve fazer, hoje, um discurso no plenário para se defender de acusações da PGR. O tucano também deve ouvir seus colegas de partido sobre seu retorno ou não à presidência da sigla, ocupada interinamente pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE).

Após a saída do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) da liderança do partido na Casa, os peemedebistas devem fazer, também hoje, uma reunião para decidir quem ocupará o cargo. Com o partido fragilizado, os senadores querem evitar uma votação e preferem fazer o encontro já com um nome acordado para o cargo. A escolha acontece em meio a um novo debate sobre a reforma trabalhista na Casa.

O presidente do Senado, Eunício de Oliveira (PMDB-CE), programou para hoje a votação do requerimento de urgência para o projeto. Se todos os prazos forem cumpridos, o projeto poderia ser votado já no dia seguinte. Porém, para evitar confrontos com a oposição e buscar apoio mais consistente na base, a votação de amanhã deve ser adiada.

GASTOSO teto dos gastos enfrenta a sua primeira prova de fogo no ano que vem. Pela regra, a despesa da União poderá crescer pouco mais de 3%. No entanto, a previsão é que as despesas obrigatórias com INSS, aposentadorias de servidores federais e benefícios a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda crescerão mais que o dobro desse valor permitido: 8%. O limite para o crescimento de gastos da União é uma das principais medidas econômicas do governo Michel Temer. Ao colocar freio nas despesas, o Estado sinaliza que tem compromisso com a saúde das finanças públicas e preserva a confiança junto a investidores. Pela regra, o gasto anual corresponde à inflação oficial, medida pelo IPCA, acumulada em 12 meses até junho do ano anterior. Junho já passou e é possível traçar cenários.

Lira substitui RenanDe acordo com parlamentares ouvidos pelo blog, o senador Raimundo Lira (PB), que presidiu a comissão especial do impeachment de Dilma Rousseff, desponta como favorito para assumir a liderança do PMDB no Senado no lugar de Renan Calheiros (AL). Na última sexta-feira, ele foi recebido por Temer no Palácio do Planalto. Outro senador cotado para assumir a função, Garibaldi Alves (RN), disse que não quer assumir a função, porque neste momento está mais dedicado ao Estado. Investigado na Operação Lava Jato, o parlamentar enfrenta um momento delicado na carreira política.

Sem fechar questão– O presidente do PMDB e líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou, ontem, que o partido não vai fechar questão sobre a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer na Câmara. Segundo ele, por não ser uma questão partidária, não há razão para obrigar os deputados a seguirem uma orientação.   "Não precisa fechar questão, pois isso não é questão partidária, é questão de foro íntimo, de julgamento", afirmou Jucá. Ele, no entanto, não descarta que a bancada do partido tome a iniciativa. "A bancada do partido, se quiser, vai pedir no âmbito Câmara. A posição do presidente do partido é analisar qualquer pedido e agir como juiz”, afirmou.

Iluminação da BR-104 – A deputada estadual Laura Gomes (PSB) quer que o Governo ilumine a BR-104, com a implantação do posteamento e de luminárias no acesso à Universidade Federal de Pernambuco, no Campus do Agreste. A licitação destinada a contratar um consórcio de três empresas para restaurar e duplicar trechos da BR-104 demandará recursos da ordem de R$ 77 milhões. “Para Caruaru, a prioridade é a iluminação, porque a via atravessa extensas áreas urbanas das zonas norte e oeste, afetando a segurança de milhares de pessoas. Além disso, trata-se de melhorar as condições da via para o deslocamento de milhares de condutores diariamente”, disse.

Ventos de mudançaAo celebrar a vitória do prefeito eleito de Belo Jardim, Hélio dos Terrenos (PTB), o senador Armando Monteiro (PTB-PE) disse que o “vento de mudança” vai se espalhar por todo o Estado. "Esse vento que está passando por Belo Jardim vai também se espalhar por Pernambuco", afirmou.  Para ele, passada a vitória nas urnas, o desafio será colaborar com a futura gestão de Hélio para fazer o município avançar e se desenvolver. “Havia no município um sentimento de mudança, um anseio da população por um novo caminho, um novo rumo. Hélio soube encarnar essa mudança. Agora, o desafio é poder corresponder na administração essa expectativa. Nossa responsabilidade é ajudar Hélio governar e atender o desejo do povo”, destacou.

CURTAS

COMPLICADOR - A prisão do ex-ministro da Secretaria de Governo na gestão Temer, Geddel Vieira Lima, pegou o Palácio do Planalto de surpresa em um momento no qual o Governo seguia com os preparativos para tentar barrar na Câmara dos Deputados a denúncia da Procuradoria Geral da República contra o presidente por corrupção passiva. Até o início da tarde, o Governo não tinha qualquer indicativo de que Geddel seria preso, e o ambiente no Palácio era de normalidade.

NO CABO Após visitas realizadas a diversos bairros do Cabo de Santo Agostinho em situação crítica devido às fortes chuvas que caíram no município, o prefeito Lula Cabral (PSB) autorizou, ontem, uma força-tarefa em várias localidades. As Ruas Cristo Rei e da Paz, no bairro da Cohab, também receberam uma atenção especial e já começaram a receber brita e pó de asfalto para melhorar a mobilidade dos motoristas e pedestres que transitam nos locais.

Perguntar não ofende: Depois da Geddel, quem vai ver também o sol nascer quadrado?


Hélio derrota dois grupos

Magno Martinsseg, 03/07/2017 - 07:35

Conforme indicaram as duas pesquisas feitas pelo Instituto Opinião, de Campina Grande (PB), em parceria com este blog, o candidato do PTB a prefeito de Belo Jardim, Hélio dos Terrenos, venceu, ontem, as eleições suplementares para prefeito do município. Sai como grande derrotado o ex-prefeito João Mendonça (PSB), que fomentou uma campanha difamatória ao longo dos últimos dez dias para atingir as pesquisa e este veículo.

Em grupos no Whatsapp e nas redes sociais, o ex-prefeito, cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral por contas rejeitadas em sua gestão, estimulava a militância do seu candidato Luiz Carlos (PSB), ex-vice-prefeito, com agressões ao Instituto Opinião afirmando que as pesquisas eram falsas. Resultado: nas urnas, o resultado oficial bateu exatamente com os números antecipados pelos levantamentos de intenção de voto. Não é a primeira vez que acertamos. Nas eleições passadas, os acertos chegaram a mais de 90%.

A vitória de Hélio dos Terrenos é uma soma de vários fatores: fez a melhor e mais estratégica campanha, agregou o maior palanque e contou com o sentimento de mudança soprado em todos os segmentos da sociedade de Belo Jardim. Saem ainda vitoriosas as forças do ex-prefeito Cintra Galvão, o grande cabo eleitoral do novo prefeito, e o senador Armando Monteiro Neto, pré-candidato do PTB a governador, que terá um aliado em 2018 num importante colégio eleitoral do Estado.

Hélio conseguiu impor, ao mesmo tempo, uma derrota também ao grupo do ministro da Educação, Mendonça Filho, principal liderança do DEM no Estado, que apostou na candidatura do prefeito no exercício do cargo, Gilvandro Estrela (PV). Diferentemente de João Mendonça, Mendonça Filho teve um comportamento digno na campanha. Ao lado seu aliado, em nenhum momento levantou suspeitas sobre as pesquisas nem tampouco jogou pedras neste blog.

O governador Paulo Câmara ficou de fora da curta campanha. Das lideranças estaduais do PSB deram a cara por lá apenas o jovem João Campos, chefe-de-gabinete do governador e pré-candidato a deputado federal, além do deputado Aluízio Lessa. Pela posição estratégia, Belo Jardim pode ser um polo indutor de influência na região do Agreste para 2018, razão pela qual Armando investiu bastante, tendo, inclusive, ido, ontem, à carreata da vitória de Hélio.

RUAS LIMPASO prefeito em exercício de Belo Jardim, Gilvandro Estrela, que disputou e perdeu a reeleição, ontem, começou o dia de ontem comemorando as ruas limpas, sem material de campanha jogado nas vias públicas. A decisão de não sujar a cidade com santinhos, adesivos e panfletos no dia da eleição foi uma orientação dele, que faz parte do Partido Verde e tem como bandeira principal a preservação do meio ambiente em seu governo. “Eu pedi a minha equipe que não sujasse as ruas. Isso é desnecessário. Se vamos mudar a cidade, devemos começar com nós mesmos”, afirmou.  Atrelado a isso, a Justiça Eleitoral também solicitou às demais coligações que não jogassem material de campanha nas ruas.

Trocando de candidato?Majoritário em Afogados da Ingazeira, o deputado federal Gonzaga Patriota (PSB) deve ficar de antena ligada: anfitrião da grande festa que promoveu pelos 108 anos de emancipação política do município, o prefeito José Patriota (PSB), que apoiou o xará em 2014, andou de braços dados com o jovem João Campos, chefe de gabinete do governador e pré-candidato a uma vaga na Câmara dos Deputados em 2018. Na solenidade oficial, Campos trouxe até uma excelente notícia para dar o molho especial às comemorações: a autarquia de ensino superior do município ganhará em breve o curso de Direito. Pelo que deixou a entender, o herdeiro de Eduardo está de namoro com os votos de Afogados apadrinhados pelo prefeito.

Festividades nota mil– As festividades pelo transcurso dos 108 anos de emancipação política de Afogados da Ingazeira, que coincidiram com a Expoagro, atraíram uma multidão nos três dias de shows musicais – de quinta a sábado. O prefeito José Patriota organizou uma excelente grade artística, dos grandes astros da musicalidade sertaneja ao pop star do pé de serra, o grande Maciel Melo, que fez uma das melhores apresentações. O prefeito comemorou, também, a transformação da Serra do Giz em patrimônio estadual de meio ambiente, decreto assinado pelo governador Paulo Câmara.

Deslocamento estratégico – A possibilidade de a Câmara dos Deputados autorizar a investigação e, consequentemente, poder afastar o presidente Michel Temer por um prazo de até 180 dias fez o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se descolar do Palácio do Planalto. “O presidente da Câmara é presidente da Câmara, não de um governo. Não cabe ao presidente da Casa cumprir o papel de defensor de uma agenda porque essa não é uma agenda da Casa. Meu papel no caso da denúncia é ser o árbitro desse jogo. Não é ser defensor de uma posição ou de outra. Não tem como ter uma posição nem para um lado nem para outro”, disse Maia em entrevista ao Estadão.

História nas ParedesA Prefeitura do Recife, o Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano (IAHGP) e a Grande Loja Maçônica de Pernambuco lançam o projeto História nas Paredes, que vai distribuir em oito locais do Recife e em mais dois lugares - um em Olinda e outro em Salvador - placas comemorativas em alusão ao bicentenário da Revolução Pernambucana de 1817. O prefeito Geraldo Júlio (PSB) faz o lançamento do projeto, hoje, às 11h30 no Museu da Cidade do Recife, Forte das Cinco Pontas, um dos locais icônicos para o movimento de 1817, que vai receber uma das placas e compor o roteiro que conta a história da Revolução.

CURTAS

DOAÇÃO DE LIVROS– Para ajudar a recuperar o acervo das 240 bibliotecas de escolas públicas estaduais e municipais das cidades da Mata Sul atingidas pelas chuvas, o governador Paulo Câmara lançou, ontem, a campanha Livro Solidário, numa parceria com a Biblioteca Pública do Estado e com a Companhia Editora de Pernambuco (Cepe), que doou mais de 200 títulos para a campanha durante o evento, realizado no Museu do Estado de Pernambuco, no bairro das Graças. Obras de literatura adulta e infanto juvenil serão aceitas até o próximo dia 4 de agosto em diversos postos de arrecadação espalhados por todo Estado.

EXTENSÃO RURAL O governador Paulo Câmara assina, hoje, no Palácio do Campo das Princesas, o contrato de trabalho de 113 novos extensionistas que irão fortalecer e ampliar os serviços de assistência técnica e extensão rural a todos os segmentos da agricultura familiar, garantindo a presença  em 182 municípios. A contratação contempla todas as regiões do Estado, e os novos extensionistas vão compor o quadro já existente da equipe multidisciplinar, formado por, entre outros profissionais, engenheiros agrônomos, médicos veterinários e economistas domésticos.

Perguntar não ofende: Vale a pena questionar resultado de pesquisas?


A polêmica do fatiamento

Magno Martinssex, 30/06/2017 - 13:10

Após dias em silêncio, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou, ontem, que, apesar de ser aliado do presidente Michel Temer, vai adotar uma postura “republicana” em relação à denúncia protocolada contra o peemedebista. O processo foi enviado, ontem, à Câmara, pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Em sua primeira entrevista sobre o tema, enquanto a leitura da denúncia era feita no plenário, Maia disse acreditar ser difícil votar em conjunto todas as denúncias que serão movidas contra o presidente como queria a base aliada.

Segundo ele, se o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, decidiu “fatiar” as acusações, não caberia à Câmara apensá-las. “Eu não estou tratando sobre apensamento. Eu estou tratando sobre a denúncia que tem. Eu acredito que Janot vai encaminhar outra peça. Se fosse a mesma peça, não viria separado. Como Janot é um homem preparado, ele não vai copiar e colar, ele vai apresentar outros argumentos”, disse.

A denúncia que chegou à Câmara acusa Temer e seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures de ter recebido uma mala com R$ 500 mil de propina do grupo J&F. Há a expectativa de que pelo menos uma segunda denúncia, sobre obstrução de Justiça, seja formulada por Janot. Para Maia, caberia ao ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo, decidir pelo apensamento, caso considere que as duas denúncias devam tramitar em conjunto.

Ele, no entanto, afirmou que ainda vai debater esse tema com os demais deputados. “Eu estou discutindo tudo, com todos os líderes, inclusive da oposição, apesar de o meu partido ser da base. Isso aqui vai ser um debate republicano, a instituição precisa ser preservada, aqui não é para defender nem a posição do presidente, nem a posição da oposição, nem da PGR”, afirmou.

RECURSO– O advogado Renato Oliveira Ramos, que representa o presidente Michel Temer em uma queixa-crime contra o empresário Joesley Batista, recorreu da decisão do juiz Marcos Vinícius Reis, da 12.ª Vara Federal de Brasília, de rejeitar a ação contra o empresário por difamação, calúnia e injúria. No recurso, o advogado argumenta que "não se pode ser mantida a conclusão a que chegou ora impugnada, na medida em que os próprios fundamentos por ela invocados atestam expressamente a existência de dúvidas a respeito do real propósito das declarações prestadas pelo Recorrido (Joesley) à Revista Época e, mais ainda, a quanto a veracidade das suas informações, o que, por si só, já justificaria a apuração dos fatos, com recebimento da inicial acusatória".

Sem paralisação– Pouco depois de o Palácio do Planalto ser notificado com a denúncia contra o presidente Michel Temer, apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, negou que esse processo vá deixar o governo paralisado. Imbassahy criticou o fatiamento das denúncias como deseja Janot e disse que o seu partido, o PSDB, decidiu, "há três semanas, por ampla maioria, permanecer no governo, apoiar as reformas e acompanhar as investigações". Para o ministro, "foi essa a posição que o PSDB tomou e está mantida". Mesmo reconhecendo os problemas a serem enfrentados pelo governo, Imbassahy lembrou que, "se fizer uma retrospectiva, em todos os momentos de maior tensão, o Congresso votou as reformas estruturantes”.

Pressão pelo impeachment– O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), solicitou explicações do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a respeito da não apreciação dos pedidos de impeachment contra o presidente Michel Temer (PMDB), diante do questionamento feito por quatro deputados federais em um mandado de segurança apresentado ao Supremo. O ministro fixou um prazo de 10 dias para a resposta. Alegando omissão por parte de Maia, os deputados Alessandro Molon (Rede-RJ), Aliel Machado (Rede-PR), Henrique Fontana (PT-RS) e Júlio Delgado (PSB-MG) protocolaram a ação na noite de ontem no STF pedindo que a Corte concedesse uma liminar obrigando o presidente da Câmara a dar andamento aos pedidos de impeachment.

Combate à violência – Do governador Paulo Câmara (PSB) ao participar, ontem, das festividades dos 192 anos da Polícia Militar de Pernambuco: “Continuamos na busca incansável de enfrentar a criminalidade de maneira determinada e profissional. Não vamos medir esforços e nem descansar enquanto não atingirmos os resultados. Quero continuar a trabalhar por Pernambuco tendo a certeza que a Polícia Militar tem o compromisso com o povo. A todos que fazem a PMPE, meu abraço. A corporação completa 192 anos e honra a tradição de lutar por justiça e pela paz”.

O novo e o velho – Com a inauguração do novo prédio da Assembleia Legislativa, ontem, mérito do corajoso presidente Guilherme Uchoa (PDT), dois deputados entraram para a história da antiga sede do Legislativo, que agora vira peça de museu: Henrique Queiroz (PP), por ser o decano, e Claudiano Martins (PSDB), na foto ao lado, o mais jovem parlamentar a ter assento naquela Casa. Vão, claro, não apenas para os anais, mas para a história do parlamento pernambucano.

CURTAS

DROGAS– Em uma iniciativa inédita no Brasil, o município do Recife agora vai contar com uma parceria com o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC) para garantir o acompanhamento do programa de prevenção ao uso e abuso de drogas lançado pela Prefeitura do Recife na última terça-feira  durante a programação da Semana de Prevenção às Drogas. O termo de cooperação técnica firmado pelo prefeito Geraldo Julio e o representante do UNODC no Brasil, Francisco Cordeiro. 

HOMENAGENS– No último dia de Reunião Plenária no Museu Palácio Joaquim Nabuco, o deputado Waldemar Borges prestou homenagem aos que usaram a tribuna da Assembleia Legislativa para destacar os valores mais caros da população pernambucana, que deixaram a marca da dignidade, da altivez, da coerência e do compromisso com a democracia e com as causas populares. Entre tantos nomes, citou Adalgisa Cavalcanti, Miguel Arraes, Almany Sampaio, Waldemar Rodrigues Filho, Paulo Cavalcanti; Luciano Siqueira; Byron Sarinho e Eduardo Campos.

Perguntar não ofende: Ao aprovar a reforma trabalhista, ontem, na CCJ do Senado, Temer mostrou que ainda está vivo?


Temer declara guerra a Janot

Magno Martinsqua, 28/06/2017 - 12:45

Com uma claque de deputados aliados e ministros, o presidente Michel Temer (PMDB) criticou, ontem, em pronunciamento, o fatiamento da denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, oferecida contra ele ao Supremo Tribunal Federal. “Se fatiam as denúncias para provocar fatos semanais contra o governo. Querem parar o País, parar o Congresso num ato político, com denúncias frágeis e precárias. Atingem a Presidência da República, atentam contra o País”, afirmou.

Temer disse que “reinventaram o Código Penal e incluíram uma nova categoria: a denúncia por ilação”. “Se alguém cometeu um crime e eu o conheço, logo sou também criminoso”, disse. Janot denunciou criminalmente ao STF o presidente por corrupção passiva com base na delação dos acionistas e executivos do Grupo J&F, que controla a JBS. O ex-assessor especial do presidente e ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures também foi acusado formalmente.

Sem citar nenhuma vez o nome de Janot, Temer disse ainda está disposto a lutar pelo governo e por sua honra. “Não fugirei das batalhas, nem da guerra que temos pela frente. A minha disposição não diminuirá com os ataques irresponsáveis à instituição Presidência da República, nem ao homem Michel Temer. Não me falta a coragem para seguir na reconstrução do Brasil e na defesa de minha dignidade pessoal”, disse no fim do discurso de cerca de 20 minutos.

O presidente afirmou que foi denunciado por corrupção passiva, sem jamais ter recebido valores. “Nunca vi o dinheiro e não participei de acertos para cometer ilícitos. Onde estão as provas concretas de recebimento desses valores? Inexistem. Reinventaram o código penal e incluíram uma nova categoria: a denúncia por ilação. Se alguém cometeu um crime e eu o conheço, logo sou também criminoso”, reforçou.

Temer destacou ainda que é advogado e que está tranquilo em relação a denúncia no âmbito jurídico, e que ela é na realidade uma “infâmia de natureza política”. “No momento que estamos colocando o País nos trilhos somos vítimas desta infâmia de natureza politica”, disse o presidente, destacando que foi denunciado “a essa altura da vida por corrupção passiva”. Segundo Temer, “abriu-se perigosíssimo precedente em nosso Direito”. “Esse tipo de trabalho trôpego permite as mais variadas conclusões sobre pessoas de bem e honestas”, disse.

Sempre tão frio, contido, formal, o presidente foi mercurial na sua declaração pela TV e partiu diretamente para cima do procurador geral da República, Rodrigo Janot. Classificando a denúncia contra ele de “ilações”, Temer fez uma comparação: se a mala de dinheiro de Rocha Loures foi para ele (como acusa a PGR), por que os “milhões” que o ex-braço direito de Janot, Marcelo Miller, teria ganhado para advogar na delação da JBS não seriam também de Janot?

REAÇÃO DA OPOSIÇÃO– A oposição reagiu fortemente ao pronunciamento do presidente Temer, classificando-o de desastroso. Para o líder da Rede, Alexandre Molon (RJ), Michel Temer usou e abusou de cinismos e ironia. “Na ausência de qualquer argumento minimamente razoável para fundamentar a sua defesa, o presidente recorreu à tática baixa e rasteira de tentar desqualificar quem teve a coragem de denunciar os crimes dele. Foi um pronunciamento que revelou não uma defesa fraca, mas a inexistência da própria defesa, porque ele simplesmente abriu mão de tentar se defender. Um desastre para o país", afirmou.

Impeachment engavetado– A denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Michel Temer forneceu o argumento perfeito para que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), colocasse de vez em banho-maria os pedidos de impeachment do presidente. Maia vinha sendo cobrado pela oposição para que tratasse dos pedidos e, agora, diz que “não tem sentido tratar disso ao mesmo tempo em que já está sendo apresentada uma denúncia pela PGR”. Oficialmente, Maia diz que não está arquivando os pedidos. Na prática, ganha tempo para que eles percam força.

Mudança tucana– Principal interlocutor do governador Geraldo Alckmin na Executiva Nacional do PSDB, o deputado federal Silvio Torres, secretário-geral da legenda, avalia que o ambiente no PSDB em relação ao presidente Michel Temer mudou desde a reunião que decidiu no último dia 12 pela permanência dos tucanos no governo. "Essa mudança de posição de Fernando Henrique Cardoso não é diferente de uma mudança que já está acontecendo no PSDB", disse ele ao comentar o pedido do ex-presidente para que Temer renuncie ao cargo. Torres também defende uma mudança completa na composição Executiva Nacional tucana que se abra espaço para prefeitos e governadores, o que ampliaria a influência de Alckmin na cúpula partidária.

Reformas arquivadas - A decisão do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de fatiar as denúncias contra o presidente Michel Temer, vai inevitavelmente paralisar o Congresso e deve deixar a agenda de reformas para o próximo governo. Com o ambiente político conturbado, o teto do Produto Interno Bruto (PIB) este ano deve ser de crescimento zero e há risco de a recessão voltar. Não tem ambiente algum para discussão de qualquer tipo de reforma. O foco agora dos parlamentares será centrado em cima das denúncias contra o peemedebista. Em meio a acusações graves contra Temer - de corrupção, formação de quadrilha e organização criminosa - nem mesmo uma versão esvaziada do texto que muda as regras para a aposentadoria deve passar neste momento.

No palanque com Armando? – Em entrevista, ontem, ao blog, o advogado Antônio Campos, irmão do ex-governador Eduardo Campos, sinalizou que sua entrada no Podemos tem como objetivo apoiar a candidatura do senador Armando Monteiro a governador. “A prioridade do Podemos em Pernambuco é fortalecer o partido e fazer uma bancada Estadual e Federal. O presidente estadual Ricardo Teobaldo e eu estamos sintonizados, temos dialogado com as forças de oposição a atual gestão do Governo de Pernambuco, destacando o diálogo com o senador Armando Monteiro, que tem mostrado um projeto e força para liderar uma nova etapa política de Pernambuco”, afirmou.

CURTAS

DOAÇÕES– Cerca de cinco toneladas de alimentos reunidas em 600 cestas básicas completas e 600 kits de limpeza e higiene pessoal foram arrecadadas pela Campanha Alepe Solidária, promovida pela Assembleia Legislativa de Pernambuco. Voltada para as vítimas de enchentes na Mata Sul do Estado, a ação, que teve início no último dia 5, também coletou 300 garrafas de água mineral de 1,5 litro e 200 quilos de roupas.

O MAIS VOTADO– O atual vice-procurador-geral eleitoral, Nicolao Dino, foi o nome mais votado para integrar a lista tríplice com sugestões do Ministério Público Federal para o cargo de procurador-geral da República. O mandato do atual procurador-geral, Rodrigo Janot, termina em setembro. A lista será enviada pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) para o presidente Michel Temer, a quem cabe à palavra final de definir o substituto de Janot.

 

Perguntar não ofende: Traduzindo o discurso de Temer: Janot foi chamado de ladrão?