window._taboola = window._taboola || []; _taboola.push({article: 'auto'}); !function (e, f, u, i) { if (!document.getElementById(i)) { e.async = 1; e.src = u; e.id = i; f.parentNode.insertBefore(e, f); } }(document.createElement('script'), document.getElementsByTagName('script')[0], '//cdn.taboola.com/libtrc/leiaja/loader.js', 'tb_loader_script');
Magno Martins

Magno Martins

Política Diária

Perfil:Graduado em Jornalismo pela Unicap e com pós-graduação em Ciências Políticas, possui 30 anos de carreira e já atuou em veículos como O Globo, Correio Braziliense, Jornal de Brasília, Diário de Pernambuco e Folha de Pernambuco. Foi secretário de Imprensa de Pernambuco e presidiu o comitê de Imprensa da Câmara dos Deputados. É fundador e diretor-presidente do Blog do Magno e do Programa Frente a Frente.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Uma ação mais objetiva

Magno Martinsqui, 13/04/2017 - 09:08

Na agenda que os deputados de oposição cumpriram, ontem, em Santa Cruz do Capibaribe, parte da segunda etapa das plenárias “Pernambuco de verdade”, o improviso da estreia, dá dez dias, em Serra Talhada, deu lugar a muita objetividade e resultados. Primeiro, porque todos os compromissos foram previamente agendados, sendo recebidos até por representantes do Governo em alguns órgãos procurados, como a UPA regional e a Compesa.

Na UPA, que na prática passou a substituir a policlínica municipal, transformada pela gestão do tucano Edson Vieira num centro de internação, os parlamentares foram recebidos pelo diretor Ademir Pereira. Sem querer se estender nas explicações, alegando que muitas das perguntas só o secretário de Saúde poderia responder, Pereira confirmou que a UPA está com uma demanda excessiva, atendendo em média 500 pacientes por dia.

Ao Governo, a oposição vai sugerir, na prestação de contas a ser feita da tribuna da Assembleia, na próxima semana, que Santa Cruz do Capibaribe passe a ter um hospital regional para atender os seis municípios da região. Principal polo de confecções do Estado, Santa Cruz tem, hoje, uma população da ordem de 100 mil habitantes, mas uma estrutura de saúde extremamente precária.

Em outra ação, desta feita voltada para o maior drama de Santa Cruz, o abastecimento de água em colapso, os deputados Silvio Filho, Augusto César, Álvaro Porto, Socorro Pimentel, Joel da Harpa e Júlio Cavalcante, que integraram a caravana oposicionista ao município, foram recebidos por um dos coordenadores da Compesa no município. Falando mais abertamente, ele disse que a cidade está mergulhada num tremendo caos por falta de água.

Pelo cronograma estabelecido forçadamente pela Compesa, a água só chega às torneiras duas vezes por mês, mesmo assim só contemplando 30% da população. A solução definitiva, segundo ele, está na adutora do Agreste, que depende da conclusão das obras da Transposição do São Francisco. Os deputados, entretanto, estavam interessados em saber se o projeto do sistema Pirangi, anunciado como reforço do abastecimento, amenizaria. O representante da Compesa disse que se trata de uma saída que depende da barragem do sistema Prata, que abastece Caruaru. E que mesmo saindo só cobriria 30% das necessidades da população.

No mais, tudo funcionou perfeitamente, como as visitas ao Batalhão da Polícia, onde se constatou que motos tiveram que ser recuperadas por empresários para serem usadas por agentes da Rocam, simplesmente porque o Estado não estava repassando os recursos necessários. Quanto às estradas, o maior desapontamento se deu na PE-160, que liga Santa Cruz ao distrito de Pão de Açúcar, que o Governo anunciou a retomada das obras, mas lá os parlamentares não encontraram um só operário trabalhando bem tampouco as máquinas.

GARANHUNS– A próxima etapa da peregrinação da oposição na fiscalização das ações do Governo Paulo Câmara será em Garanhuns, na próxima quarta-feira. E está sendo aguardada com muita expectativa pelo fato do prefeito Izaias Régis (PTB), do grupo do senador Armando Monteiro, não ter recebido o governador Paulo Câmara, na última quinta-feira, para a programação do seminário “Pernambuco em ação”. Está previsto um manifesto respaldando a decisão do prefeito, que foi fortemente atacado por deputados da base governista, chegando a ser tachado de mal-educado e apontado sem estatura para a função.

Pacote contra a violência– Enquanto a oposição tacava o pau no Governo em Santa Cruz do Capibaribe, ontem, no final da tarde, o governador Paulo Câmara (PSB) anunciava as medidas para reduzir a violência em todas as regiões do Estado. Trata-se de um pacote de ações de investimento na área da segurança pública. Somente na renovação e ampliação das frotas das polícias civil, militar e Corpo de Bombeiros serão investidos R$ 150,8 milhões até 2018. Outra preocupação é o aumento do efetivo policial. Para tanto, está previsto um incremento de 4,5 mil novos policiais nas ruas, significando um aumento de 15% do atual efetivo, implicando em um incremento de R$ 140 milhões/ano na folha.

Fim da contribuição– Relator do projeto que prevê uma reforma trabalhista, o deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) apresentou, ontem, à comissão especial da Câmara que discute o tema o parecer preliminar em que propõe algumas garantias ao trabalhador terceirizado e o fim da obrigatoriedade do pagamento da contribuição sindical. O texto foi encaminhado ao Legislativo pelo governo do presidente Michel Temer e propõe uma reformulação nas regras trabalhistas. A leitura serviu apenas para dar conhecimento do teor do relatório aos demais integrantes da comissão. A apresentação oficial será feita na próxima terça-feira.

Pau em Raquel– Do delegado Erick Lessa, que disputou a Prefeitura de Caruaru ao avaliar os cem dias da tucana Raquel Lyra: “A nova gestão da cidade mais importante do interior do Estado, a nossa capital do Agreste pernambucano, completa 100 (cem) dias, entretanto sem muito que comemorar. Não há uma marca dessa nova gestão. O que a cidade inteira na verdade vê é um governo sem ação, ou seria a marca de SEM DIAS DE AÇÃO. Muito se ouve que estão dialogando, construindo, esperando de outros entes federativos o recurso, enfim, o que acontece em nossa querida Caruaru, pelo menos na administração pública do executivo municipal, é muitas reuniões para planejar algo que já deveria estar no plano de governo e agora em execução”.

Prestando contas– O prefeito de São Lourenço, Bruno Pereira (PTB), destacou algumas ações que fez em 100 dias de gestão, entre elas o decreto emergencial para o funcionamento mínimo dos serviços municipais, com exceção das áreas de saúde e educação, por um período de 180 dias. Para diminuir os gastos, reduziu em 15% os contratos de prestação de serviços e 60% os cargos comissionados. Também entregou 40% dos prédios alugados pela Prefeitura. Outra decisão importante, segundo ele, foi a redução de 13 para nove secretarias, com 80% dos cargos ocupadas por mulheres. E mesmo com as dificuldades financeira encontradas ao assumir a gestão, disse que efetuou o pagamento das folhas de funcionários que estavam atrasadas desde o ano passado.

CURTAS

DINHEIRAMA– O empresário Marcelo Odebrecht disse em depoimento ao juiz Sérgio Moro que destinou milhões para o "amigo", codinome referente ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Primeiro, ele cita o depósito de R$ 35 milhões; depois, fala em R$ 40 milhões. A conta, diz Odebrecht, era gerida pelo ex-ministro petista Antonio Palocci.

CANDIDATO– O prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vieira (PSDB), que não anda bem de opinião pública, anda dizendo aos seus aliados que se o ministro das Cidades, Bruno Araújo, entrar numa chapa majoritária em 2018, como se especula, largará a Prefeitura para disputar um mandato de deputado federal. O que dirá a população, que o reelegeu?

Perguntar não ofende: Brasília virou de cabeça para baixo depois da lista de Fachin?


Sete pernambucanos no listão

Magno Martinsqua, 12/04/2017 - 07:26

Enfim, o ministro Luiz Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou, ontem, a Procuradoria Geral da República (PGR) a investigar nove ministros, 29 senadores e 42 deputados federais que fazem parte da chamada "lista do Janot", conforme antecipou o jornal O Estado de São Paulo. Na lista, sete pernambucanos: os ministros Bruno Araújo (PSDB) e Roberto Freire (Cultura), os senadores Fernando Bezerra Coelho (PSB) e Humberto Costa (PT), os deputados federais Jarbas Vasconcelos (PMDB) e Betinho Gomes (PSDB), além do ex-prefeito do Cabo, Vado da Farmácia (sem partido).

Também entre os alvos dos novos inquéritos, segundo o site da publicação, estão os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE). O teor das decisões de Fachin não foi divulgado oficialmente. O texto da reportagem informa que o jornal teve acesso a despachos do ministro, assinados eletronicamente no último dia 4.

Os pedidos de investigação apresentados em 14 de março ao Supremo pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se basearam nos depoimentos das delações premiadas de 78 executivos e ex-dirigentes da Odebrecht. De acordo com o site da publicação, Fachin autorizou a quebra do sigilo das 83 investigações que ele mandou abrir a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

A chamada "lista do Janot" contém 83 pedidos de abertura de inquérito, 211 pedidos de remessa de trechos das delações que citam pessoas sem foro no STF para outras instâncias da Justiça, sete pedidos de arquivamento e 19 outras providências. Segundo o jornal, o relator da Lava Jato também autorizou a investigação, no próprio STF, de um ministro do Tribunal de Contas da União, de três governadores e de 24 outros políticos e autoridades que, embora não tenham foro no tribunal, estão relacionados aos fatos narrados pelos colaboradores.

RELAÇÃO MENOR – Embora o Estadão tenha antecipado uma lista com 108 nomes, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), informou, ontem, que determinou a abertura de apenas 76 inquéritos contra políticos e autoridades com base nas delações de ex-executivos da Odebrecht. A informação de caráter oficial, foi repassada pela assessoria do tribunal. Dessas investigações, duas estão mantidas em sigilo pelo ministro, que é relator da Operação Lava Jato no tribunal.

A madrinha é Roberta – Dez dias após a deputada Roberta Arraes (PSB) bater à porta do secretário da Defesa, Ângelo Gioia, implorando por medidas que possam minimizar os efeitos da violência em Araripina, chegou, ontem, ao município, uma unidade móvel da Polícia Civil totalmente equipada. A parlamentar só não gostou da versão espalhada na cidade pelo prefeito Raimundo Pimentel (PSL), adversário, de que seria obra dele. “Foi uma ação nossa e o secretário me ligou no momento em que estava enviando o equipamento para a cidade”, destacou.

Saindo na frente – Os primeiros a reagir, ontem, com o vazamento da lista de Fachin foram o senador Humberto Costa (PT), o ex-prefeito do Cabo, Vado da Farmácia (sem partido), e o deputado Betinho Gomes (PSDB).  Humberto disse que o Supremo, lá atrás, já havia se manifestado pelo arquivamento do seu processo, enquanto Vado afirmou desconhecer ter recebido doações para a sua campanha. O deputado Betinho Gomes disse, por sua vez, não ter cometido irregularidades e que irá pedir acesso às informações ao STF com o objetivo saber do que realmente está sendo acusado. “Sou é o maior interessado nesta apuração e quero ter acesso ao teor das denúncias para poder me defender”, afirmou.

A lista dos governadores – Os executivos e ex-dirigentes da Odebrecht que fecharam acordo de delação premiada com a Operação Lava Jato citaram situações suspeitas envolvendo 12 governadores. Deste total, três serão investigados no Supremo Tribunal Federal (STF) por terem sido mencionados ao lado de outras autoridades que têm foro privilegiado na Corte: Tião Viana (PT), do Acre; Robinson Faria (PSD), do Rio Grande do Norte; e Renan Filho (PMDB), de Alagoas. Os demais são os seguintes: Paulo Hartung (PMDB), do Espírito Santo; Geraldo Alckmin (PSDB), de São Paulo; Beto Richa (PSDB), do Paraná; Fernando Pimentel (PT), de Minas Gerais; Flávio Dino (PC do B), do Maranhão; Luiz Fernando Pezão (PMDB), do Rio de Janeiro; Marconi Perillo (PSDB), de Goiás; Raimundo Colombo (PSD), de Santa Catarina e Marcelo Miranda (PMDB), de Tocantins.

Pressão na PM – Recado do governador Paulo Câmara (PSB), ontem, ao empossar 22 novos comandantes de áreas da Polícia Militar: “Os números são muito ruins, a sensação é de muita dificuldade, mas a gente tem plena confiança no nosso trabalho, no trabalho da Polícia Militar e do comandante, que a partir de hoje tem novos comandados, uma equipe que vai ajudá-lo para alcançarmos a diminuição dos índices e ao mesmo tempo voltarmos a ter uma sensação de segurança no nosso Estado. A cobrança vai continuar muito grande e a gente espera ter resultados em um período muito curto”.

CURTAS

OPOSIÇÃO – A caravana da oposição, formada por sete deputados estaduais, cumpre agenda do “Pernambuco de verdade”, hoje, em Santa Cruz do Capibaribe. Pela manhã, o roteiro ficou restrito a entrevistas em emissoras de rádio. Depois do almoço tem visitas surpresas a obras paradas do Estado e a noite a plenária com a comunidade na Câmara de Vereadores.

FUNDO – Presidente da comissão da reforma política, o deputado Lucio Vieira Lima (PMDB-BA) defende o fundo eleitoral específico de campanhas para custear gastos dos candidatos. Sem o fundo, segundo ele, os candidatos não terão como custear despesas de campanha, como internet para divulgação das atividades, carros de som para eventos e deslocamentos dos candidatos.

Perguntar não ofende: Vem uma segunda lista de Fachin? 


Cem dias e pouca luz

Magno Martinsseg, 10/04/2017 - 09:33

Boa parte dos prefeitos que assumiram em 1 de janeiro estão completando os cem primeiros dias de gestão sem conseguir sequer arrumar a casa, principalmente os que derrotaram seus opositores concorrentes à reeleição. No quesito do fazer o diferencial, na Região Metropolitana não há nada que possa ser destacado. Anderson Ferreira (PR), de Jaboatão, faz o feijão com arroz e não conseguiu sequer contrariar a política do toma-lá-dá-cá na relação com a Câmara de Vereadores.

 

Para se contrapor ao antecessor Renildo Calheiros (PCdoB), dificilmente encontrado na cidade, em Olinda o professor Lupércio (SD) adotou a estratégia de ir às ruas, fiscalizar obras e conversar com a população. Fez um carnaval razoável, mas enfrenta instabilidade na sua equipe, sendo obrigado a substituir dois auxiliares que caíram fora. Além disso, responde na justiça a questionamentos de campanha, provocados pelo advogado Antônio Campos (sem partido), a quem derrotou na contenda de segundo turno.

Em Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB) pegou de largada um confronto com a vice-prefeita Nadegi Queiroz (PSDC), com quem está rompido, depois de nomeá-la secretária da Saúde. Administrativamente, suspendeu todos os contratos da gestão passada, inclusive o do lixo, reduziu cardos comissionados e começou a revitalizar ruas infestadas por camelôs. Meira aprovou na Câmara a mesa de negociação com os servidores municipais, para aplicar o piso nacional dos professores, com reajuste de 7,64%.

Reabriu e reformou o CEO – Centro de Especialidades Odontológicas. Convocou concursados para o preenchimento de alguns cargos, como procurador, guarda municipal e servidores para a Fundação de Cultura. Reformou ainda nove escolas sem a menor condição de ter aulas, além de limpar canais e quitar todos os pagamentos de servidores em atraso.

No Agreste, o foco das atenções está em Caruaru. Eleita no segundo turno com o apoio de José Queiroz, a prefeita Raquel Lyra (PSDB) está praticamente rompida com o ex-prefeito, com quem leva uma relação de adversário. Não nomeou um só nome do grupo de Queiroz e exibiu em público a chamada herança maldita. No plano administrativo, a tucana começou errando ao importar do Recife praticamente todo o secretariado. No curto período, já enfrentou greve de servidores e não implantou nenhum programa novo prometido em campanha.

Na Zona da Mata, uma das revelações é o prefeito de Ribeirão, Marcelo Maranhão (PSB). Vindo da área privada, Maranhão herdou terra arrasada, com duas folhas de pessoal em atraso e o 13º salário. Já botou as finanças em dia, começou a reformar escolas e conseguiu emendas com a bancada federal para tirar algumas promessas do papel. Já o prefeito de Palmares, Altair Júnior, ainda não disse a que veio. Não se sabe, na verdade, o que está fazendo por lá, porque tomou Doril depois que foi eleito, sumindo do noticiário.

Em Petrolina, o prefeito Miguel Coelho (PSB) deu uma de João Dória, prefeito tucano de São Paulo. Foi às ruas ajudar a peãozada na operação tapa-buraco pelos bairros periféricos, promoveu uma limpeza reduzindo o acúmulo de lixo e fez uma mudança no programa Nova Semente, do ex-prefeito Júlio Lóssio (PMDB), que dividiu opiniões. Trata-se de uma iniciativa do antecessor de criar creches a custos barateados em parceria com a comunidade. Vitrine da gestão Lóssio, o programa abriu mais de 14 mil vagas em mais de cem unidades pela periferia.

ISOLADO – Apesar da estratégia de evitar um confronto direto com o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros, a avaliação dentro do Palácio do Planalto é que o aliado está cada vez mais isolado. Relatos de senadores peemedebistas indicam que cresce a impaciência com a postura oposicionista de Renan. Senadores já relatam ao núcleo palaciano o incômodo com as críticas constantes ao Governo Michel Temer. A estratégia palaciana é ampliar esse isolamento de Renan na bancada. De forma discreta, Temer tem recebido em conversas reservadas os senadores do partido.

Caruaru sem paixão– Caruaru ainda não se motivou com a gestão da prefeita Raquel Lyra (PSDB). Sua última pisada de bola foi reduzir pela metade a programação da Semana Santa no polo cultural para atrair turistas em direção à Nova Jerusalém, para o espetáculo da Paixão de Cristo. Enquanto nas gestões de Tony Gel e José Queiroz ocorriam shows durante seis dias, este ano as atrações musicais ficarão restritas a quarta, quinta e sexta próximas. A isca para atrair público também mudou. O slogan “Caruaru, parada obrigatória”, virilizado nas redes sociais, agora é “Caruaru por paixão”. Algum turista pode se apaixonar por uma cidade se não tiver animação de rua para preencher a noite? 

Mais recursos– Durante o encerramento da segunda rodada do Pernambuco em Ação, sábado passado em Santa Cruz do Capibaribe, o governador Paulo Câmara (PSB) anunciou a melhoria da estrutura da Rede Estadual de Ensino com um investimento de R$ 1,4 milhão na construção de mais três quadras poliesportivas, beneficiando alunos de Santa Cruz e de Limoeiro. As ações foram anunciadas após o Estado ter sido apontado, no último dia 4, pelo Todos Pela Educação, com a maior taxa de aprovação do País, com 88%, no Ensino Médio.

Pauleira além de Garanhuns– Por ter se negado a receber o governador em Garanhuns, quinta-feira passada, para o seminário “Pernambuco em ação”, o prefeito Izaias Régis foi alvo de bombardeio até em Santa Cruz do Capibaribe, sábado passado, na etapa do Agreste Setentrional. A pauleira ficou a cargo do líder na Assembleia Legislativa, Isaltino Nascimento. Em discurso na plenária, o ex-petista arrependido disse que o prefeito foi mal-educado e deu uma demonstração de que não tem envergadura sem preparo para governar o município.

Solidariedade da oposição– Após a Semana Santa, entretanto, o prefeito de Garanhuns, Izaias Régis (PTB), vai abrir as portas do município para receber a caravana da oposição. Trata-se de um grupo de deputados estaduais hostis ao Governo que resolveu promover plenárias populares nas mesmas cidades em que o governador Paulo Câmara tem feito seminários, assinado ordens de serviços e inaugurado obras. Na ocasião, a oposição vai manifestar plena solidariedade ao prefeito pela decisão tomada e que continua a repercutir, principalmente nas redes sociais.

CURTAS

SAMU DE SERRA– O secretário estadual de Planejamento, Márcio Stefanni, esclarece que o Governo já assinou o edital para abrir a licitação de retomada das obras do Samu de Serra Talhada. Na peregrinação da oposição no cumprimento da agenda “Pernambuco de verdade”, sete deputados fizeram imagens em frente ao prédio, cujas obras iniciaram no segundo mandato de Eduardo e paralisadas pela metade.

AVALIAÇÃO– Considerado um quadro para disputar o Planalto pelo PSDB, o prefeito de São Paulo, João Dória, fecha os primeiros cem dias de gestão bem avaliado. De acordo com pesquisa do Datafolha, quase metade da população - 43% - considera seu governo bom ou ótimo e 33% avaliam como regular. Apenas 20% afirmaram que o tucano faz uma administração ruim ou péssima.

Perguntar não ofende: Temer deveria se dobrar as pressões de Renan por cargos?

 


Dória fechado com Alckmin

Magno Martinssab, 08/04/2017 - 09:13

Visto como uma reserva estratégica do PSDB para disputar à Presidência da República em 2018, o prefeito de São Paulo, João Dória, se esquivou a falar sobre sucessão presidencial. Em entrevista ao programa de Mário Sérgio Conti, o tucano disse que foi eleito para ser prefeito da capital paulista e que sua atenção agora estaria em apenas isso. “A melhor contribuição que eu posso dar à democracia brasileira é ser um bom prefeito para a cidade de São Paulo”, afirmou.

 

Sobre ter o nome cotado para as eleições presidenciais de 2018, Doria reafirmou que seu candidato à Presidência é o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. "Tenho por dever de lealdade ao governador Geraldo Alckmin", declarou. "Alckmin e Fernando Henrique Cardoso me disseram que a vida na política não é você que determina, é o povo. São as circunstâncias populares. Neste momento, o meu candidato é o Geraldo Alckmin”, acrescentou.

Ao longo de toda entrevista, preferiu tratar de questões exclusivas da sua gestão. Disse, por exemplo, que não avaliou bem a relação entre grafiteiros e muralistas com pichadores da Avenida 23 de Maio. A gestão Doria apagou vários grafites dos muros da avenida alegando que eles estavam pichados.

"Quando determinamos a recuperação da Avenida 23 de maio não avaliamos bem a relação dos pichadores com grafiteiros e muralistas. Grafiteiros já foram pichadores. Pichadores são agressores. Não sabíamos quão próxima era essa relação. Pichadores ameaçam os grafiteiros, porque a arte dos grafiteiros é arte de rua”, afirmou.

E acrescentou: "Deveriamos ter avaliado melhor como fazer aquilo. "Deveríamos ter fotografado as artes que estavam pichadas e com eles ter feito o trabalho e não à revelia ainda que as obras estavam pichadas. Avaliamos mal", destacou o prefeito, lembrando que oito painéis continuam no local. "Todo aprendizado exige um pouco de dor”, destacou.

Doria disse ainda que vai promover a partir de 2 de maio um programa de recapeamento das vias da cidade e que conseguiu com empresas que fazem este serviço um trabalho de asfaltamento de 200 mil m² de vias. "Vão asfaltar a Avenida Paulista inteira", afirmou. "São Paulo tem um desastre nas ruas e avenidas, uma das mais esburacadas do Brasil, o asfalto parece um tabuleiro da baiana."

O prefeito disse ainda que até 30 de abril as empresas que participam das ações de zeladoria do Programa Cidade Linda vão fazer os trabalhos sem custos à Prefeitura. "Conseguimos mais de R$ 256 milhões de contribuições gratuitas à cidade de São Paulo."

BRAÇOS CRUZADOS – Cerca de dois mil trabalhadores de duas empresas que realizam serviços de limpeza urbana no Recife paralisaram, ontem, suas atividades. Juntos, os funcionários da Vital Engenharia e Cael Engenharia são responsáveis por 100% do trabalho de coleta de lixo, varrição e capinação nas ruas da cidade. Na próxima segunda-feira, a categoria vai se reunir em assembleia para tentar uma negociação com a classe patronal. Os trabalhadores pedem reajuste salarial e melhores condições de trabalho. A categoria se queixa que a equipe de serviços de limpeza no Recife foi reduzida de um motorista e três coletores para um motorista e dois coletores e os trabalhadores chegam a caminhar mais de 11 km para realizar a coleta.

Água de esgoto– Prefeito-anfitrião da quinta etapa dos seminários Pernambuco em ação, hoje, em Santa Cruz do Capibatibe, o tucano Edson Vieira disse que a maior demanda da região diz respeito à água. Importante polo de confecções do Agreste Setentrional, Santa Cruz e Toritama chegaram a uma situação tão dramática em desabastecimento que muitos empresários estão reciclando água de esgoto para usar no processo de lavagem da produção de jeans.

Contratações suspensas– Acatando a determinação do Tribunal de Contas do Estado, a Prefeitura de Paulista revogou o processo seletivo simplificado para a contratação temporária de 149 profissionais para atender com urgência aos programas sociais do município e do Centro de Referência da Mulher. A determinação do TCE foi motivada pelo questionamento de sete pontos considerados falhos no processo seletivo, a exemplo de falta de objetividade e o tempo de experiência.  Depois de revogar o certame, a Prefeitura vai analisar as funções que serão colocadas à disposição e realizar um novo processo seletivo.

Reforma pífia– O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, calcula que o Governo deixará de economizar entre R$ 112 bilhões e R$ 160 bilhões em dez anos (de 2018 a 2027) com as mudanças autorizadas pelo presidente Michel Temer na proposta original de reforma da Previdência Social. O relator da reforma da Previdência na Câmara, deputado Arthur Maia (PPS-BA), afirmou que, após conversa com o presidente Michel Temer, fará modificações em cinco pontos da proposta: regras para trabalhadores rurais; benefícios de prestação continuada; pensões; aposentadoria de professores e policiais, e regras de transição para o novo regime previdenciário. Temer autorizou as mudanças com o objetivo de facilitar a aprovação da reforma no Congresso.

Contraponto a Izaías– Enquanto o prefeito de Garanhuns, Izaias Régis (PTB), se negou a receber o governador Paulo Câmara (PSB), quinta-feira passada, em seu município, para a programação do seminário “Pernambuco em ação”, outros gestores do Agreste Meridional que atuam também no campo da oposição só arredaram o pé da agenda oficial depois que Câmara decolou de volta ao Recife. É o caso do prefeito de Águas Belas, o petista Luiz Aroldo, visto lado a lado do governador até no carro oficial. Outro que se comportou sem nenhum constrangimento, mais parecendo um aliado, foi o trabalhista Armando Duarte, de Caetés, ligado ao senador Armando Monteiro.

CURTAS

COM O PAPA– O prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), e o presidente do Porto Social, Fábio Silva, estarão no Vaticano a partir da próxima segunda-feira, com a missão de apresentar à cúpula da Igreja Católica o Porto Social e a plataforma Transforma Recife, que colocaram o Recife na condição de capital brasileira da solidariedade.  A agenda de trabalho inclui audiência com o papa Francisco na quarta-feira (12).

PARCERIAS– A prefeita de Arcoverde, Madalena Britto recebeu, ontem, o Reitor da UPE, Pedro Falcão; o Diretor do Instituto de Apoio a UPE – IAUPE, Roberto Santos e o coordenador do Programa de Formação de Gestor Escolar- PROGEPE, Josevaldo Araújo Melo. Na pauta, parcerias entre a UPE e a Prefeitura. A inauguração do novo prédio está prevista para daqui a 30 dias.

 

Perguntar não ofende: O que a revista Veja está trazendo na em edição considerado bombástico na política de Pernambuco? 


As razões do boicote de Izaías

sex, 07/04/2017 - 20:22

Numa conversa, ontem, com este blogueiro, o prefeito de Garanhuns, Izaías Régis (PTB), explicou os motivos que o levaram a não recepcionar o governador Paulo Câmara (PSB), que passou o dia na cidade inaugurando obras, dando novas ordens de serviço e coordenando, por fim, o seminário “Pernambuco em ação”. Aos que o acusam de mal-educado e de ter pisado na bola, o trabalhista afirma que não passou por cima da chamada liturgia do cargo. “Não fui para não ser acusado de ter me apropriado de um evento do Governo para fazer cobranças e desabafos”, enfatizou.

“Se tivesse participado do seminário, poderia ter constrangido o governador, que não trata bem Garanhuns”, acrescentou. Régis reclama que nem nas parcerias celebradas com o município o Estado vem cumprindo as sua obrigações. Ele cita, por exemplo, o acordo para colocar em operação a unidade avançada do Samu, que atende não apenas Garanhuns e mais dez municípios da região, representando, hoje, um grande sorvedouro de recursos para os cofres municipais. 

Pelo modelo, a União entra com 50% e os 50% restantes são rateados entre o Estado e o Município. Mas o Estado, segundo ele, não vem repassando a sua parte, levando o município a cobrir praticamente os restantes dos 50%. “Há um atraso de 17 meses, no valor mensal de R$ 62,5 mil. Na prática, isso representa R$ 1,062 milhão”, afirma. Outro programa em atraso, segundo ele, é o da Farmácia Básica, algo em torno de R$ 1,3 milhão. “Deste passivo, o Governo nos repassou apenas R$ 64 mil”, diz ele, com a ressalva de que teve que entrar com um processo judicial.

“Isso é uma vergonha, uma desmoralização”, assinalou. O prefeito disse, ainda, que, embora o Governo do Estado tenha espalhado placas informando que tem obras em Garanhuns, as poucas que existem, como um campo de futebol no parque Euclides da Cunha, a pavimentação de dois bairros e o calçamento em dois distritos, com recursos do FEM, o fundo de apoio aos municípios, estão paradas porque o Estado não repassa o dinheiro.

Pelas contas do prefeito, o que entrou de fato nos cofres da Prefeitura, já com a devida prestação ao Estado, representa um valor de R$ 2,7 milhões referentes ao primeiro FEM. “O segundo não está sendo cumprido e por isso mesmo as obras estão paradas”, ressaltou. Quanto às declarações do governador, de que o município se negou a fazer a doação de um terreno para construção da Escola Técnica, o prefeito afirmou que ofereceu uma área no parque de exposições, que era do Estado e foi doada ao município. 

“No nosso patrimônio mobiliário não havia um terreno dentro das exigências colocadas pelos técnicos do Estado, chegamos a negociar o terreno do parque, mas as negociações não avançaram”, afirmou. O prefeito disse, por fim, que cobraria do governador o que classificou de caos na segurança pública. “Garanhuns sedia um dos maiores batalhões da PM no Estado e não há um só soldado nas ruas para fazer a segurança da população”, afirmou. 

Por fim, o prefeito disse que sabia que haveria reação dos seus adversários no município se viesse a fazer um pronunciamento tão duro em cima dos pontos que antecipou ao blog. “O governador fala em reforçar o policiamento com mais 1,5 mil PMs, mas já estão indo para reserva mais de dois mil soldados”, destacou, para alfinetar. “Estamos diante de um Governo desastroso e tudo isso não iria soar bem aos ouvidos dos aliados governistas em nosso município”. 

DEMONSTRAÇÃO DE FORÇA – A ausência do prefeito Izaias Régis não impediu que o seminário em Garanhuns se constituísse num dos mais prestigiados pelas lideranças que dão sustentação ao Governo. Estavam presentes 21 prefeitos, inclusive de outras regiões, como a Metropolitana, entre os quais Júnior Matuto, de Paulista. Da Assembleia Legislativa, 11 deputados, além de seis deputados federais e um senador da República – Fernando Bezerra Coelho. Com isso, o Governo quis dar uma demonstração de que tem um amplo arco de alianças para reconduzir Paulo Câmara ao Palácio das Princesas em 2018. 

Humberto que se prepare!– O ministro da Educação, Mendonça Filho, disse, ontem, ao blog, que está com a munição preparada para enfrentar a convocação do senador Humberto Costa (PT), para prestar contas dos seus últimos atos, como o fim do programa “Ciência sem fronteiras”. “Vou mostrar ao senador que quem depenou a educação brasileira foi o seu partido nas gestões de Lula e Dilma”, afirmou. Segundo o ministro, com o montante gasto para mandar 30 mil estudantes ao Exterior, o Governo pagaria merenda de 40 milhões de alunos da educação básica. Em 2015, o programa consumiu R$ 3,2 bilhões. 

Desmentido o recuo– O presidente Michel Temer negou que o Governo esteja recuando ao aceitar negociar pontos da Reforma da Previdência com o Congresso. “Eu autorizei o nosso relator, deputado Arthur Maia, a fazer as negociações que fossem necessárias e depois, ao final, nós anunciaríamos o que tiver sido ajustado. Vai levar uns dias aí, mas já está autorizado. Prestar obediência ao que o Congresso Nacional sugere, não pode ser considerado recuo. Nós estamos trabalhando conjugadamente”, disse Temer. 

Dinheiro novo– Em audiência com o ministro da Integração Nacional, Hélder Barbalho, o governador Paulo Câmara recebeu a confirmação que confirmou mais um repasse, no valor de R$ 16 milhões, para a Adutora do Agreste. Segundo o presidente da Compesa, Roberto Tavares, com os recursos em conta à companhia tem condições de aumentar de 15 para 19 o número de frentes de trabalho espalhadas na região do Agreste, intensificando as obras até o final deste mês. Para concluir a primeira etapa do projeto da Adutora do Agreste, que corresponde ao conjunto de obras para atender 23 municípios da região - e que já está licitado - ainda é preciso o repasse de R$ 636 milhões do governo federal. 

Esforço concentrado – No seminário de Garanhuns, ontem, ficou clara a estratégia dos aliados governistas de ajudar Paulo Câmara a reverter a sua imagem, com depoimentos sobre as ações do seu Governo. "Por onde eu passo neste Estado, encontro obra do governador Paulo Câmara. O governador colocou água em Canhotinho. Vai botar água em Caetés e em Capoeiras. Investe na segurança, educação, saúde. Paulo é um governador que serve ao povo 24 horas por dia. Antes mesmo de estar no cargo já o fazia porque é servidor público, passou em um concurso", destacou Fernando Monteiro, da bancada do PP na Câmara Federal. 

CURTAS 

MAIS POBRES– Ao autorizar o relator da reforma da Previdência a fazer mudanças no projeto encaminhado ao Congresso, o governo federal fixou três princípios que devem nortear essas alterações: que seja preservado o que se considera a espinha dorsal da reforma; que haja um limite para a perda fiscal decorrente dessas mudanças; e que as mudanças sejam para beneficiar os mais pobres, e não para atender a pressões corporativas.

FEIRA– O prefeito do Cabo, Lula Cabral (PSB), participou da 23ª Intermodal South América, a maior Feira do setor de Logística, Transportes de Cargas e Comércio Exterior da América Latina. Na oportunidade, visitou o estande de Suape, onde foi recebido pelo presidente Marcos Batista e pela diretora de Relações Institucionais de Suape, Rizelma Ferreira. "O Cabo pertence ao território estratégico de Suape e a atração de novos negócios é de suma importância para a economia da Região”, afirmou. 

Perguntar não ofende: A reforma da Previdência virou letra morta? 


Câmara se alia a Temer

Magno Martinsqui, 06/04/2017 - 09:08

A pedido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a quem recebeu, secretamente, no Recife, na semana passada, o governador Paulo Câmara (PSB) esteve, ontem, com o presidente Michel Temer (PMDB), no Palácio do Planalto. Trataram da reforma da Previdência. Temer quer o apoio dos governadores para apoiar mudanças no arcabouço previdenciário. Isso se traduziria na influência que cada governador exercer junto as suas bancadas.

 

Durante o encontro, Câmara ouviu mais do que falou. Depois de entender as preocupações do Governo deixou também na mesa de negociações as dúvidas que recaem ainda sobre a proposta do Governo que tramita no Congresso, sobretudo depois que Temer decidiu retirar servidores estaduais da reforma e em seguida recuou, dando um prazo de seis meses aos Estados para apresentarem sugestões ao projeto original.

Num primeiro momento, tão logo o Governo se pronuncie sobre os pontos convergentes da reforma, Câmara pretende reunir a bancada para discutir o projeto e encaminhar sugestões. “A reforma da Previdência tem que ser feita, mas sem tirar direito dos trabalhadores”, disse o governador, numa rápida conversa, ontem, com este blogueiro, em Brasília, para acrescentar:

"O presidente revelou que o deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), relator da matéria, está ouvindo as bancadas no Congresso e que vai promover mudanças na proposta de Reforma da Previdência encaminhada pelo Governo Federal. Falei também das preocupações dos governadores do Nordeste com relação à assistência social do trabalhador rural e o acesso aos Benefícios de Prestação Continuada. A Reforma não pode prejudicar os mais vulneráveis”.

Câmara relatou que pediu ao presidente que o Governo deixasse as obras hídricas de fora do contingenciamento. “No sexto ano consecutivo de seca no Nordeste, o que precisamos é de acelerar as obras em andamento para que a população de Pernambuco e dos outros Estados do Nordeste diminuam o sofrimento causado pela falta d'Água”, disse Câmara, adiantando que Temer garantiu a priorização para não haver redução dos recursos para os projetos hídricos.

SUAPE – Outro assunto abordado no encontro com Temer foi o retorno da autonomia do Porto de Suape, tirada pelo Governo Federal em 2013. O presidente informou ao governador que, em breve, estará publicando decreto que devolverá a Suape a competência para condução de estudos, a elaboração dos editais, a realização dos procedimentos licitatórios e a celebração dos contratos relativos aos arrendamentos portuários. Com a autonomia, Suape também passará a ser responsável pela aprovação das expansões e adensamento de áreas e, prorrogações antecipadas de contratos em vigência.

Estranha renúncia – Tão logo foi noticiado que o vereador Paulo César, o Sininho (PSB), vereador mais votado de Cabrobó, havia renunciado, chegou a circular a informação de que ele teria feito uma negociação com o suplente Romero Gomes, do PR, ex-vice-prefeito do município. Procurado pelo blog, o parlamentar negou e disse que as versões são maldosas e só se justificam por ele ser pobre. Garante que renunciou por ter se desiludido com o mandato e por não aguentar tamanhas demandas que não poderia cumprir, como inúmeros pedidos de empregos. Muito estranho abrir mão de um mandato e de um subsídio mensal de R$ 6 mil para viver de bico, como ele informou.

Prefeito antecipa 2018 – A decisão do prefeito de Garanhuns, Izaias Régis (PTB), de não bater continência amanhã para o governador Paulo Câmara, que escolheu a cidade para a quarta etapa do seminário “Pernambuco em ação”, remete a 2018. Como aliado histórico do senador Armando Monteiro, candidato a governador, Izaias prefere receber, na próxima semana, a delegação da caravana da oposição, que vai investigar se ações que o Governo tem anunciado nos encontros estão de fato sendo efetivadas.

Briga provinciana – Ninguém consegue entender em Brasília a razão do senador Humberto Costa ter mirado sua metralhadora em direção ao ministro pernambucano Mendonça Filho, da Educação, a quem está convocando para dar explicações ao Senado sobre o que considera “desmonte na educação”. O deputado Augusto Coutinho (SD) saiu em defesa do ministro. “Humberto sofre de uma grave falta de memória. É preocupante, do ponto de vista pessoal, que alguém dispare tantas coisas inverídicas e infundadas contra o ministro Mendonça Filho, que na verdade vem trabalhando para recuperar o que o PT destruiu, e se destaca hoje como um dos melhores ministros do governo Temer”, afirmou.

Sem direito a greve – Os governadores que estão convivendo com a insubordinação de suas policias comemoraram, ontem, a decisão do Supremo Tribunal Federal, por sete votos a três, de proibir todos os servidores que atuam diretamente na área de segurança pública ao direito de greve, sob qualquer forma ou modalidade, por desempenharem atividade essencial à manutenção da ordem pública. Pela tese aprovada, fica vetado o direito de greve de policiais civis, federais, rodoviários federais e integrantes do Corpo de Bombeiros, entre outras carreiras ligadas diretamente à segurança pública.

CURTAS

FLORESTAR – O diretor de Articulação e Meio Ambiente da Compesa, Aldo Santos, lançou, ontem, o Projeto Florestar, em Riacho das Almas. É o terceiro município do Agreste a ganhar a iniciativa, que tem como objetivo ampliar o número de áreas verdes e formar viveiristas multiplicadores, que aprenderão todo o manejo de sementes, produção de mudas e cultivo de árvores que podem se desenvolver na região.

VICE-PRESIDENTE – O deputado Zeca Cavalcanti (PTB) foi eleito, ontem, vice-presidente da Comissão de Fiscalização e Controle (CFFC) da Câmara dos Deputados, que possui competência fiscalizatória ampla, abrangendo toda a gestão orçamentária, financeira, contábil e patrimonial dos órgãos da administração direta e indireta do Governo Federal. A atuação da comissão não está restrita a apenas uma área específica da Administração. Também faz o acompanhamento de planos e programas de desenvolvimento nacional ou regional.

 

Perguntar não ofende: O Supremo acertou na mosca em proibir greve de polícia? 


Temer não será cassado

Magno Martinsqua, 05/04/2017 - 16:14

O longo processo de julgamento das contas de campanha da chapa Dilma-Temer, podendo chegar a durar até seis meses, garante arriscar de antemão um palpite: o presidente Michel Temer (PMDB) não será cassado. Pelo menos pelo Tribunal Superior Eleitoral neste caso especifico.  O adiamento do julgamento, com a decisão do Tribunal Superior Eleitoral, na primeira sessão de ontem, de conceder mais prazo para as defesas foi recebido com alívio pelo Palácio do Planalto.

 

O que ocorreu, ontem, numa sessão que durou menos de duas horas, já era o cenário com que as defesas tanto da ex-presidente Dilma Rousseff como do presidente Michel Temer trabalhavam. No Governo, a avaliação é que a decisão do TSE resultará em mais tempo para o processo, o que torna cada vez mais improvável o afastamento de Michel Temer.

Com isso, o Planalto tentará criar um clima de normalidade política para conseguir pautar sua agenda de reformas, sem a pressão do julgamento no TSE. Há consenso no próprio tribunal que a retomada do julgamento já deve acontecer com a nova composição da Corte, com as substituições dos ministros Henrique Neves e Luciana Lóssio. O governo aposta que a futura configuração possa ser mais favorável em relação ao julgamento.

O governo também joga com uma análise política desse julgamento, com o argumento de que a queda da chapa Dilma-Temer provocaria um quadro de incerteza no País, com a convocação de eleição indireta para escolha de novo presidente. Nos tribunais superiores, esse mesmo argumento já começa a ser verbalizado por vários ministros. Mesmo em caso de cassação da chapa, a defesa de Temer já sinalizou que recorrerá ao Supremo Tribunal Federal. Por isso, cresce em Brasília a convicção de que é cada vez mais remota a chance de Temer não concluir o mandato.

RECUOU – O relator da proposta de reforma política na Câmara, Vicente Cândido (PT-SP), desistiu de incluir no parecer à tipificação do crime de caixa dois (dinheiro não declarado à Justiça Eleitoral). Na segunda-feira passada, o deputado havia informado que o dispositivo estaria no relatório, com pena de dois a quatro anos de prisão. O relatório de Vicente Cândido foi apresentado, ontem, à comissão especial que discute o tema. Mais cedo, após reunião com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi tomada a decisão de retirar esse ponto que havia sido incluído no texto. Segundo o deputado, líderes partidários pediram para que o tema não fosse tratado no projeto.

Patriota pede mudança no PSB – Decano na bancada federal do PSB, o deputado Gonzaga Patriota disse, ontem, que é favorável a uma ampla renovação no comando do partido no Estado. “Se surgir um candidato para bater chapa contra Sileno conta com o meu apoio”, afirmou, referindo-se ao movimento, ainda discreto, que existe por iniciativa de um grupo histórico do PSB para oxigenar o diretório estadual. Para Patriota, o partido precisa de alguém com mais disponibilidade para cuidar dos problemas do seu dia a dia. “Sileno é muito ocupado e sequer atende nossos telefonemas”, afirmou.

Saia no comando do PT – A corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), majoritária no PT, escolheu a senadora Gleisi Hoffmann (PR) para ser candidata à presidência do partido. A ideia de lançar Gleisi foi do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que desistiu de comandar o PT e quer uma "cara nova" na direção do partido. A escolha da líder do PT no Senado e ex-ministra da Casa Civil no governo Dilma Rousseff provocou muitos embates durante reunião da CNB, na última segunda-feira, em São Paulo. Diante da insistência de Lula em emplacar Gleisi, o ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e o deputado federal Márcio Macedo (PT-SE) acabaram retirando suas pré-candidaturas.

Crise afasta presidente – O presidente Michel Temer comunicou, ontem, ao governador Paulo Câmara que não poderá estar presente em Nova Jerusalém, na próxima sexta-feira, para a sessão especial do espetáculo da Paixão de Cristo destinada a autoridades e convidados especiais. Mesmo assim, Câmara levará um grupo de convidados para prestigiar a primeira encenação deste ano, que, mais uma vez, conta com a participação de artistas da Rede Globo. Amanhã, véspera do evento, o governador abre o seminário “Pernambuco em ação”, referente ao polo Agreste Meridional, em Garanhuns.

Torcida por Mendonça – Em missão oficial aos Estados Unidos, o ministro da Educação, Mendonça Filho, ficou com a caixa eletrônica do seu celular empanturrada de mensagens e estímulo para concorrer ao Governo do Estado nas eleições de 2018. Tudo porque apareceu com 12% das intenções de voto para governador, enquanto o senador Armando Monteiro (PTB) saiu na frente com 22%. “Para quem nunca assumiu que é candidato foi, sem dúvida, uma excelente posição”, comemorou um aliado entre um cafezinho e outro, ontem, no Salão Verde da Câmara dos Deputados. O que se diz em Brasília, no entanto, é que o projeto de Mendonça é disputar o Senado na chapa de Armando a governador.

CURTAS

PROJETO– Um projeto de irrigação comunitária, a 30 km de Petrolina, está prestes a ganhar fôlego novo com investimento da ordem de R$ 2 milhões pela Codevasf na construção, reforma e ampliação das adutoras e em obras de manutenção e limpeza do reservatório. Vai contemplar mais de 50 famílias da comunidade rural de Ponta da Serra com a produção de manga, acerola, goiaba, mamão e melancia, além do feijão.

BATALHÃO– A Comissão de Constituição, Legislação e Justiça da Assembleia Legislativa aprovou, ontem, por unanimidade, o relatório do deputado Tony Gel (PMDB) respaldando projeto de iniciativa do governador Paulo Câmara que cria o Batalhão de Polícia Especializada de Caruaru. O Governo, aliás, tomou a iniciativa atendendo a sugestão do próprio parlamentar. O Batalhão foi uma das promessas de sua campanha a prefeito da capital do forró.

Perguntar não ofende: Aécio Neves convenceu na defesa que fez, ontem, da tribuna do Senado, negando que tenha conta em Nova Iorque, conforme revelou a revista IstoÉ? 


Ajuste, violência e comunicação

Magno Martinsseg, 03/04/2017 - 08:52

A razão da baixa popularidade e, consequentemente, altíssima rejeição da gestão Paulo Câmara já era prevista e a pesquisa da Uninassau, apontando a desaprovação de 74%, fez apenas confirmar: o descontrole na segurança pública. Mais da metade dos pernambucanos – 57% - acham que o Governo perdeu a batalha no enfrentamento à bandidagem. Câmara foi incompetente, desleixou ou não priorizou as ações de combate à violência?

Nem uma coisa nem outra. Quando assumiu, num cenário completamente diferente de 2011, primeiro ano do Governo Eduardo Campos (PSB), Câmara pegou de proa a maior crise dos últimos 30 anos no País, jogando na rua da amargura 12 milhões de trabalhadores, quebrando sete Estados que pareciam fortes feitos uma baraúna, entre eles o Rio de Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul. Diante de cenário com tamanha crueldade teve que se agarrar ao ajuste fiscal, deixando em segundo plano a segurança pública.

O governador não tinha outra saída: se continuasse investindo no Pacto pela Vida prioritariamente como Eduardo fez, mas numa outra conjuntura, vale a ressalva, certamente teria levado o Estado à mesma situação dramática e de penúria em suas finanças como vive o Rio, por exemplo, que paga a folha dos seus servidores parcelada e dividiu o 13º salário em 12 vezes.

A impressão que fica é que Câmara cata dinheiro todo mês para não atrasar salário e cair na valha comum dos demais Estados insolventes. Sua política fiscal está dando certo? Pelo menos até agora, com dois anos e três meses de Governo, está pagando o salário em dia e até reajustou algumas categorias, entre elas a polícia. O problema é que, paralelamente a isso, o governador não segurou as rédeas do Pacto pela Vida, que foi se comprometendo com o passar do tempo.

E ferida que não é bem tratada não cicatriza. Exposta, passa a ser um problemão. Foi o que aconteceu na segurança. Enquanto o governador catava tintim por tintim para pagar contas, a violência campeava. Quando despertou, já era tarde. Teve que trocar o secretário de Defesa e os comandos da Polícia Militar e Polícia Civil. Anunciou, há pouco, a contratação de 1,5 mil policiais, a compra de uma nova frota policial e outras medidas.

Mas longe de serem eficazes e capazes de limpar a imagem deteriorada. O Governo tem outros problemas. Na interlocução política com a Assembleia e a Câmara dos Deputados há uma grita geral. Não há um só aliado satisfeito e, sendo assim, sem elã para defender a gestão da tribuna, com exceção do líder. Aliás, no caso da Assembleia, não pode ter havido uma escolha mais desastrosa: o líder Isaltino Nascimento, o melancia (verde por forma e vermelho por dentro), atua de forma autoritária e truculenta. Isso é dito em off pelos próprios integrantes da bancada oficial.

Em Brasília, o PSB, partido que Eduardo controlava com mão de ferro, rachou ao meio. O senador Fernando Bezerra Coelho, mesmo assumindo em público que apoia a reeleição do governador, lidera a corrente dissidente, que derrotou Tadeu Alencar na eleição para líder da bancada na Câmara. Por pouco, Fernando também não colocou João Fernando Coutinho, hoje integrado ao seu grupo, na mesa diretora da Casa. O senador projeta fazer de Márcio França, vice-governador de São Paulo, o próximo presidente do diretório nacional, tirando de Pernambuco, definitivamente, o controle da legenda.

Por fim, o Governo não se comunica bem. Sua assessoria ainda está no tempo das cavernas, de mandar aqueles releases frios, o mesmo texto, para todos os veículos de comunicação, esquecendo que o mundo vive a globalização da mídia digital, a informação em tempo real. Na verdade, estamos diante de um Governo sem notícias. Quando chegam, são triviais. O papel da assessoria governamental é facilitar o trabalho dos jornalistas ávidos por notícias em primeira mão. Em Pernambuco, é diferente: mais dificulta do que ajuda.

QUEM NÃO SE COMUNICA... – Na etapa que abriu a série dos seminários “Pernambuco em ação”, há dez dias, este blogueiro sentiu, mais uma vez, como peca a área de comunicação do Governo. Sem poder estar presente em Arcoverde, o último dos três primeiros eventos, tive que recorrer a amigos que estavam presentes para obter informações. A equipe de Câmara não despertou ainda para o uso do Whatsapp, a ferramenta mais veloz para enviar imagens e textos em tempo real para as plataformas digitais. O Governo continua se comunicando por e-mail. Pelo amor de Deus!

Governo derrotado– A derrocada do PSDB em Ipojuca, a galinha dos ovos de ouro na gestão municipal, é, também, das forças do PSB instaladas no Palácio do Campo das Princesas. Se o governador Paulo Câmara, já antevendo o insucesso eleitoral do aliado Carlos Santana, por lá não deu as caras, João Campos, herdeiro político do ex-governador Eduardo Campos, chefe de gabinete do governador, se envolveu de corpo e alma na batalha eleitoral, inclusive ontem, quando circulou ao lado do candidato oficial e fez prognósticos de que ele venceria.

Palanque trabalhista– A nova prefeita Ana Célia (PTB), esposa de Romero Sales, teve uma performance surpreendente ao longo da campanha. Com habilidade, carisma e jogo de cintura conseguiu manter o espólio eleitoral do marido, que ganhou e não levou na eleição de outubro passado. Aliada do senador Armando Monteiro Neto, a trabalhista passa a ser uma referência importante na montagem da base eleitoral para o candidato da oposição a governador em 2018.

Motorista irregular– O presidente da Câmara de Vereadores de Paulista, Fábio Barros (PSB), quer proibir a atuação de motoristas não cadastrados pela Prefeitura no transporte escolar do município. “A questão do transporte escolar é metropolitana e deve ser encarada desta forma. A legislação que cuida da regulamentação é municipal, mas a Prefeitura não regularizou. Estamos fazendo uma proposta de mudança, para que depois seja regularizada por Decreto Municipal”, disse o parlamentar, que promoveu audiência pública para discutir a situação. Entre os presentes, o presidente do Sindicato do Transporte Escolar, José Bezerra, que cobrou também corredores exclusivos para a categoria.

Passaredo no Sertão – O secretário de Turismo, Felipe Carreras, comunicou ao secretário de Transportes, Sebastião Oliveira, o interesse da empresa aérea Passaredo em fazer também voos comerciais na linha Recife-Serra Talhada depois que o aeroporto municipal estiver com sua estação de passageiros concluída. As aeronaves da companhia aérea têm capacidade de transportar 80 passageiros e um peso até 33 toneladas. “O Governo já investiu mais de R$ 6 milhões na requalificação da pista de pouso e decolagem do aeroporto”, disse Sebastião. Segundo ele, o ministro dos Tranportes, Maurício Quintella, também já liberou R$ 35 milhões para o terminal de passageiros.

CURTAS

INCÊNDIO– O Ministério Público recomendou à Secretaria de Educação do Recife que, de imediato, adote as providências para a regularização das medidas de proteção contra incêndio e pânico nas 309 unidades educacionais da rede. A 28ª promotora de Justiça da Cidadania, Eleonora Marise Rodrigues, recomenda ainda que, no prazo de 60 dias, a Secretaria Municipal de Educação comprove a obtenção de atestado de regularidade emitido pelo Corpo de Bombeiros Militar de Pernambuco de todas as 309 unidades de ensino da rede municipal.

PARCERIA– O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, elogiou a decisão do superintendente regional do Trabalho em Pernambuco, Geovane Freitas, de firmar uma parceria com o Sport Clube do Recife na campanha nacional de prevenção de acidentes. “Vamos dar visibilidade às ações do Ministério até porque o futebol, uma paixão nacional, é uma importante vitrine”, disse Freitas.

Perguntar não ofende: Paulo Câmara ainda tem tempo para recuperar a imagem do seu Governo?


Oposição do improviso

Magno Martinssex, 31/03/2017 - 09:03

A caravana da oposição ao Sertão, para levantar informações sobre projetos e obras paralisadas pelo Governo do Estado, foi marcada pelo viés do improviso. Até a chegada do líder Silvio Costa Filho (PRB) em Serra Talhada, por volta das 11 horas, não se sabia nada da agenda a ser cumprida. De concreto, apenas entrevistas às emissoras de rádio, que mesmo assim, também já começaram tarde, perto de meio dia, quando estavam previstas para logo cedo.

Os deputados não sabiam sequer o que visitariam na agenda de projetos públicos. Só na visita institucional ao presidente da Câmara Municipal, Nailson Gomes (PTC), foi acesa uma luz quando sete dos 17 vereadores deram indicativos das falhas operacionais do Governo. Mesmo anfitrião, por Serra Talhada ser a sua base, o deputado Augusto César conseguiu (PTB) agendar as visitas. No hospital Agamenon Magalhães, por exemplo, ele, Silvio Costa Filho, Socorro Pimentel, Álvaro Porto e Júlio Cavalcanti não foram recebidos pelo diretor.

Acabaram tendo que buscar informações com médicos de plantão e até enfermeiras, saindo de lá sem uma noção exata sobre a funcionalidade do hospital. No campus da faculdade de Medicina, a mesma coisa. Lá, a ideia era levantar informações sobre a paralisação das obras e os motivos que levaram a empresa a suspender o cronograma do projeto. Não havia ninguém para receber o grupo parlamentar. Isso se deu, ainda, na cadeia pública, onde tiveram que conversar com policiais de plantão.

Autor da ideia e coordenador da caravana, que foi reduzida de oito para cinco deputados, Silvio Costa Filho (PRB) preferiu dividir as falhas e atropelos com os colegas de bancada. “Não veio todo mundo que confirmou, por exemplo, porque não queríamos deixar o plenário da Assembleia esvaziado”, justificou. Quanto aos improvisos, disse que coube a Augusto organizar os contatos e fechar a agenda em Serra Talhada.

“Esse é um tipo de ação que ninguém que é do staff do Governo tem autorização para nos receber e quer passar informações. Tem que ser visitas surpresas mesmo”, alega César. Para ele, mesmo com tamanho improviso, deu para se ter uma ideia de que entre o discurso e a ação do Governo há, de fato, uma distância muito grande, em detrimento da população.

OBRAS PARADAS– Na agenda que cinco deputados da oposição cumpriram, ontem, em Serra Talhada, o que mais chamou a atenção foram a tentativa do Governo do Estado de cancelar a doação do terreno para construção do Distrito Industrial e o elefante branco em que se constituiu o projeto da sede do Corpo de Bombeiros, obra orçada em R$ 1,7 milhão, paralisada ainda na gestão de Eduardo Campos. Na área de segurança pública, na visita ao presídio, os parlamentares constataram ainda uma superlotação e o abandono do projeto de construção do IML.

Travamento das informações– Integrante da caravana parlamentar de oposição ao Sertão na condição de “independente”, a deputada Priscila Krause (DEM) só se incorporou ao grupo na plenária realizada na Câmara de Vereadores, por volta das 19 horas. Para ela, não foi surpresa seus colegas se deparar com dificuldades no levantamento das informações aos projetos estaduais. “Já estou acostuma com isso, ninguém passa informações”, amenizou. Priscila disse que participa do restante da agenda, que se estende hoje pela manhã em Afogados da Ingazeira e pela tarde em Arcoverde.

Boa notícia– O Governo anunciou, ontem, a redução do teto de juros cobrados nos empréstimos consignados para servidores públicos da União, aposentados e pensionistas. A redução se deve à queda na taxa básica de juros nos últimos meses e permitirá a migração de dívidas mais caras para uma modalidade mais barata e "até mesmo estimular novas concessões". Para os servidores, o percentual máximo passará de 34,5% para 29,8% ao ano. Ao mês, o teto passa de 2,5% para 2,2%. Segundo o governo, trata-se da primeira redução desde a criação do teto em 2008.

No negativo– Depois de registrar superávit em janeiro, as contas do governo voltaram ao vermelho em fevereiro. No mês passado, foi registrado um déficit primário de R$ 26,263 bilhões, segundo números divulgados pela Secretaria do Tesouro Nacional. Isso significa que as despesas do governo federal superaram as receitas com impostos em R$ 26,263 bilhões no mês passado. Foi o pior resultado para meses de fevereiro de toda a série histórica do Tesouro, que começa em 1997. Antes de 2017, o pior resultado para meses de fevereiro havia ocorrido no ano passado, quando as contas do governo ficaram negativas em R$ 25,002 bilhões.

Agenda da perua – Do Recife, onde acompanhou por este blog a peregrinação dos deputados da oposição a Serra Talhada, sua principal base eleitoral, o secretário estadual de Transportes, deputado federal licenciado Sebastião Oliveira (PR), reagiu com ironia. “Esta é a agenda da perua”, brincou, sugerindo que os deputados foram espalhar inverdades a respeito do Governo do Estado. Um dos exemplos, segundo ele, está no Hospital Geral do Sertão. “Eles criticam o investimento em um novo hospital alegando que deveria ser investido no hospital regional Agamenon Magalhães, mas este será transformado numa maternidade”, afirmou.

CURTAS

A RAZÃO– A ausência do ex-prefeito de Caruaru, José Queiroz (PDT), e do seu filho Wolney Queiroz, deputado federal, na agenda cumprida pelo governador Paulo Câmara, ontem, em Caruaru, se deu muito mais por razões que remetem à insatisfação com a prefeita Raquel Lyra (PSDB) do que mesmo por distanciamento político. A tucana tem tratado Queiroz e seu grupo como adversários.

PAGAMENTO– O prefeito de Araripina, Raimundo Pimentel (PSL), começou a deixar em dia o pagamento dos aposentados do município. Junto com a folha de março, ontem, liberou os para os inativos o mês de novembro do ano passado. Segundo ele, o ex-prefeito Alexandre Arraes (PSB) deixou novembro e dezembro da categoria em atraso.

Perguntar não ofende: Também será no improviso a segunda etapa hoje da caravana da oposição em Afogados da Ingazeira e Arcoverde?


Os dois desafios da reeleição

Magno Martinsseg, 27/03/2017 - 08:07

Só um neófito em política não enxergaria que as andanças do governador Paulo Câmara (PSB) pelo Interior, tendo como pano de fundo os seminários “Pernambuco em ação”, já cumprido em três regiões – Pajeú, Itaparica e Moxotó, todas no Sertão – se reveste de uma modelagem disfarçada de campanha. Câmara é candidatíssimo à reeleição.

Mas para ficar bem na foto, ofuscada pela onda de violência que se abate no Estado, Câmara terá, obrigatoriamente, que trabalhar para reverter seu crescimento. Não é fácil. Falando por onde passou, o governador afirmou que segurança pública era o desafio de todos os gestores estaduais, não exclusividade de Pernambuco. Reconheceu, entretanto, que a criminalidade cresceu.

E para isso, terá que investir muito mais em segurança pública. No balanço que apresentou às lideranças interioranas, o secretário de Planejamento, Márcio Stefanni, revelou que o volume de recursos aplicados em segurança pública representam hoje 13,5% da arrecadação estadual. “É a segunda área de maior investimento, perdendo apenas para educação”, enfatizou.

Para se viabilizar, Câmara tem que trabalhar, também, outra vertente: água. O Estado enfrenta uma das piores secas da sua história e aonde a água chegar, seja por meio de adutoras ou poços, a imagem do Governo tende a dar um salto. Segundo o presidente da Compesa, Roberto Tavares, Pernambuco é um dos estados que mais investem em adutoras.

Duas delas – a do Moxotó, que vai suprir Arcoverde, e a do Agreste, que resolve o desabastecimento de Caruaru e mais dez municípios em seu entorno, dependem não apenas de recursos e boa vontade do Estado, mas da Transposição do São Francisco. Como o cronograma do eixo que já jogou águas nos canais de Pernambuco está bem avançado, é possível que esse grande contingente humano, num raio que vai de Arcoverde a Caruaru, passando por mais de 40 localidades, possa ter água nas torneiras mais breve do que imaginava.

A soma, portanto, da redução da criminalidade com água em abundância abre um horizonte para o governador construir a sua reeleição. Vai dar certo? Paulo e seus assessores mais imediatos dizem que resultado em segurança pública não é como uma obra, que tem início, meio, fim e é comemorada com a sua inauguração. Depende, segundo eles, de muitos fatores. É esperar para ver.

DESMORALIZADO – A reeleição do presidente da União dos Vereadores de Pernambuco (UVP), Josinaldo Barbosa (PTB), sepulta de vez o grupo do ex-presidente Biu Farias, ex-vereador em Surubim, e do prefeito de Triunfo, João Batista (PR). A derrota avassaladora, por 310 votos de diferença, aponta, mais do que isso, que nenhum deles exerce mais influência junto à categoria. Biu Farias nem tanto, mas João Batista botou a cara na campanha de André Valença, adversário de Josinaldo, deixando suas obrigações em Triunfo, como gestor, para cabalar votos em Bonito, no Agreste, onde foi realizada a eleição da UVP. Saiu de lá desmoralizado.

Sai federal – Quadro jovem que se encaixa ao perfil do projeto de renovação da política estadual, o deputado estadual Lucas Ramos (PSB) já comunicou ao governador Paulo Câmara (PSB) que será candidato a deputado federal nas eleições de 2018. Lucas tende a ocupar o vácuo que será aberto no Sertão do São Francisco, sua base principal, com a desistência da reeleição do deputado Adalberto Cavalcanti (PTB), que disputará um mandato para Assembleia Legislativa. Jeitoso e habilidoso, Lucas está pavimentando o salto federal com a adesão ao seu projeto de novas lideranças entre o Agreste e o Sertão.

Recursos para Sertânia – Presente ao seminário do Moxotó, sábado passado em Arcoverde, o prefeito de Sertânia, Ângelo Ferreira (PSB), saiu de lá satisfeito. Conseguiu R$ 1 milhão para adequar à estrutura da Compesa a nova realidade da Transposição do Rio São Francisco. Ganhou ainda os sistemas de abastecimento de Rio da Barra, povoado de Valdemar Siqueira e em Albuquerque Né, além das comunidades que estão em um raio de 5 km do canal. “Vamos conseguir também o recapeamento da PE-265, que o governador já autorizou fazer o projeto. O Governo do Estado tem um olhar especial para o Moxotó”, afirmou.

Temer sofre pressão – Depois de forte reação de deputados, o presidente Michel Temer foi aconselhado a sancionar o projeto da terceirização aprovado pela Câmara. Deputados da base aliada foram ao Palácio do Planalto e alertaram que sofreram desgaste ao votar a medida e que o Senado não poderia agora aprovar outro projeto mais restrito sobre o tema. A reação se deu depois que o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), afirmou que os senadores irão votar nos próximos dias um projeto mais recente sobre o tema. Inicialmente, Temer iria aproveitar os dois projetos aprovados para realizar vetos sobre a terceirização, mas agora deve sancionar o texto da Câmara.

Articulação foi de Madalena – Das três plenárias que participou entre quinta-feira e sábado passados, dentro do roteiro dos seminários “Pernambuco em ação”, a de Arcoverde, como polo do Sertão do Moxotó, foi, disparado, a maior. Aliados experientes em eventos semelhantes arriscam num público em torno de duas mil pessoas. O sucesso é atribuído ao poder de articulação da prefeita Madalena Brito (PTB), que se empenhou e trabalhou com afinco a semana inteira, mobilizando prefeitos, vereadores e representantes das diversas entidades representativas da sociedade civil.

CURTAS

DEFESA – A defesa do presidente Michel Temer entregou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) as alegações finais do peemedebista no processo que pede a cassação da chapa Dilma-Temer. Nos últimos argumentos, a defesa de Temer, coordenada pelo advogado Gustavo Guedes, pede ao tribunal que as contas da campanha de Temer sejam separadas das de Dilma e que sejam anulados os depoimentos da Odebrecht.

TUCANO – Na volta do exterior, onde faz um curso de especialização em gestão pública, o ex-prefeito de Petrolina, Julio Lóssio (PMDB), anuncia sua desfiliação do PMDB. Está fortemente inclinado a virar tucano, mas o PSDB no município é controlado pelo deputado Guilherme Coelho, com quem leva uma relação entre tapas e beijos.

Perguntar não ofende: Temer escapa das garras do TSE no processo de contas da campanha com Dilma?