Magno Martins

Magno Martins

Política Diária

Perfil:Graduado em Jornalismo pela Unicap e com pós-graduação em Ciências Políticas, possui 30 anos de carreira e já atuou em veículos como O Globo, Correio Braziliense, Jornal de Brasília, Diário de Pernambuco e Folha de Pernambuco. Foi secretário de Imprensa de Pernambuco e presidiu o comitê de Imprensa da Câmara dos Deputados. É fundador e diretor-presidente do Blog do Magno e do Programa Frente a Frente.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Jornais engolidos pela internet

Magno Martinsseg, 24/06/2013 - 00:38

O que antes era uma mudança lenta e gradual ganhou velocidade de um jato. Refiro-me à chamada revolução digital, que mudou os hábitos dos brasileiros e o conceito da informação. Em apenas cinco anos, os brasileiros com acesso à internet pularam de 32 milhões para 78 milhões.  

Em Pernambuco, como canal de informação a web só perde, hoje, para a televisão, tendo deixado para trás, bem distante mesmo, o rádio e os jornais impressos. Este blog está de posse de uma pesquisa do Instituto Opinião, de Campina Grande, sobre os hábitos de consumo de mídia no Estado.

Os números impressionam e atestam que os veículos impressos enfrentam uma grande agonia, num processo de falência que parece irreversível. A televisão continua sendo o meio de comunicação mais poderoso. Segundo o levantamento, 70,3% dos entrevistados disseram que acompanham o noticiário pela TV.

Depois da televisão, a internet mostra a sua face poderosa. Já é em Pernambuco o segundo maior canal de informação para 18,2% da população. Como mídia, portanto, só está abaixo da TV. O rádio vem em terceiro lugar com 7,4% e os jornais impressos continuam como fonte de notícias para apenas 1,9% da população, sobrepondo-se apenas às revistas, com 0,5% das citações.

O Instituto Opinião ouviu duas mil pessoas em Pernambuco entre os dias 14, 15, 16 e 17 deste mês em 80 municípios de todas as regiões. A margem de erro é de apenas 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos.

A pesquisa aponta as razões da revolução digital: quase metade dos entrevistados com grau de instrução superior (44,2%) se informam pela internet. Neste universo, leitores de jornais, que antes eram predominantes, hoje são apenas 4,3%.

Entre os jovens na faixa etária de 16 a 24 anos, o avanço da web como fonte de informação ainda é maior: 37,5% contra apenas 1,7% de jornal impresso. Entre os leitores com renda acima de 10 salários, 30,9% preferem a internet contra 7,4% os tradicionais jornais impressos.

Até entre os que têm renda de um salário e grau de instrução da 5ª a 8ª série, as diferenças são discrepantes – 10,5 contra 0,6%. Se somados os percentuais dos jovens (37,5%), dos que estão na faixa etária de 25 a 34 anos (23,4%) e entre os com 35 a 44 anos (17%), os leitores que preferem se informar pela net em Pernambuco chegam a quase 80%, algo fantástico.

TV AMEAÇADA– A revista Veja também sai esta semana com números que apontam a revolução digital: 22,5 milhões de brasileiros assistem a vídeos por meio da internet mensalmente. Isso equivale a mais que a população de Minas Gerais ou a metade dos expectadores sintonizados em todas as redes de TV na noite de domingo das 20 às 22 horas. A TV tradicional não vai desaparecer, mas a popularização de novas tecnologias transforma os hábitos do espectador.

Mudança radical

No Brasil, 43% das pessoas que veem TV e navegam na internet ao mesmo tempo 29% fazem comentários durante a exibição dos programas. Nos Estados Unidos, cinco milhões de residências já dispensam o aparelho de TV, pois preferem ver a programação em computadores, tabletes e celulares.

Vídeos no tablet

No Brasil, das pessoas com acesso à internet, 44% veem vídeos no laptop ou no computador; 37% no tablet, que já se impõe como um companheiro enquanto as pessoas veem TV, e 24% no celular. Tem mais: 71% cogitam pagar pela assinatura de serviço de TV sob demanda na internet, enquanto 68% se dizem propensas a pagar por canais de assinatura no You Tube.

Sertão na Frente

Por região, o Sertão do São Francisco é que tem o maior percentual de leitores que buscam notícias pela net: 26,3%, seguida da Região Metropolitana com 19,5% e o Sertão Central, Pajeú e Araripe com 19%. A Zona da Mata registra a menor taxa, de 14,8%, enquanto o Agreste tem 15,5%. Os números são do Instituto Opinião e integram a pesquisa sobre consumo de mídia.

O furacão da crise

No rastro das mudanças de hábito impostas pela internet, os grandes jornais nacionais preparam a travessia para sumir do impresso e aderirem 100% ao online. O primeiro a tomar essa decisão foi o velho Jornal do Brasil. Na crise, o grupo Abril está fechando nove revistas, o Estadão está resumido a três cadernos e a Folha de São Paulo cortou 30% dos seus quadros da redação.

CURTAS

CANAL PRÓPRIO– De olho nos 23 milhões de brasileiros que têm costume de ver vídeos na internet, as Organizações Globo inauguraram em 2012, sem alarme, o próprio portal por assinatura da televisão, o Globo. TV+. Estamos, portanto, diante de uma transformação só comparável ao impacto das primeiras transmissões de TV.

PELAS REDES– A força da internet ficou patente, mais uma vez, como canal mobilizador para grandes eventos. Segundo pesquisa do Datafolha, 81% dos jovens que se engajaram nas manifestações ocorridas em São Paulo na semana passada tomaram conhecimento do protesto pelas redes sociais.

Perguntar não ofende: Quem se atreve a ficar de fora da revolução digital?


Galo serve de laboratório

Magno Martinssab, 22/06/2013 - 00:00

O Estado adotou a experiência de grandes eventos para assegurar a tranquilidade da manifestação do Recife na tarde da última quinta-feira. O laboratório central foi o desfile do Galo da Madrugada, que arrasta uma multidão pelas ruas da cidade. Para evitar tumultos, baderna e quebra-quebra, o sistema de segurança rifou de imediato a presença de ônibus nas imediações.

Postos de combustíveis fecharam às 14 horas, assim como todo o comércio. São nos postos que os baderneiros compram combustíveis para provocar incêndios até em prédios. Policiais foram orientados a dar um tratamento vip e elegante aos protestantes, chegando a incentivar um caminhar mais rápido, porque, assim, a multidão chegaria mais rápida ao Marco Zero.

Como no ponto final não havia palanque armado e nem atração para segurar os manifestantes à dispersão se deu de forma instantânea, levando muita gente a ir embora. Como não havia ônibus nas imediações, mas em corredores bem distantes dali, quem participou do ato teve que ser obrigado a ir para casa a pé.

“Usamos o mesmo esquema adotado para o Galo”, admite o secretário de Defesa, Wilson Damázio. Segundo ele, outra tática adotada se deu em cima do que recomenda a Anistia Internacional.

“Onde estiverem grandes multidões reunidas com espírito pacifista o Estado tem que dar todo apoio e do público receber a colaboração para denúncias de quem aparece no ato para fazer baderna”, acrescenta Damázio.

O sucesso do esquema foi garantido, também, por uma competente operação do sistema de inteligência do Governo, que identificou, faltando dois dias para a manifestação, segmentos infiltrados apenas com o intuito de badernar. Com o monitoramento foi fácil chegar aos líderes do movimento e os suspeitos da baderna.

NARIZ TORCIDO– A cada dificuldade que Dilma enfrenta, como as manifestações nas principais capitais, as viúvas de Lula associam a queda da popularidade da presidente com os protestos. Em sua grande maioria, esses petistas fomentam, na verdade, o movimento “Volta Lula”. A mais nova arma para argumentação agora é que Dilma foi vendida como “a porta de entrada do PT na classe média”, segmento que tomou as ruas. Dilma torce o nariz para essa gente.

Asfora na frente

Em Brejo da Madre de Deus, o Palácio tem pesquisas que o ex-prefeito Roberto Asfora (PSDB) ganha folgado a eleição suplementar marcada para o próximo dia 7. Seu principal adversário, o prefeito interino Hilário Paulo (PSDC) não decola, porque sua imagem está associada ao prefeito cassado José Edson.

Grito interiorano

As manifestações não ficaram restritas apenas aos grandes centros urbanos. Em Pernambuco, Petrolina e Garanhuns foram às ruas na quinta-feira e ontem foi à vez de cidades de menor porte, mas extremamente politizadas, como Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste Setentrional, e Serra Talhada, no Pajeú. Em ambas, protestos pacíficos, como devem ser.

Tucano afrouxa

O senador Aécio Neves ficou assustado com a reação das pessoas nas ruas aos políticos e achou melhor não dar as caras no São João de Caruaru e de Campina Grande. Na passagem por Pernambuco, o tucano, que é pré-candidato ao Planalto, teria uma conversa reservada com o governador Eduardo Campos. Cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém.

Protestam por isso

O leitor Ismael Holanda, indignado com gastos desnecessários com a Copa do Mundo, foi às ruas do Recife, anteontem, e depois reclamou em seu face que procurou e não encontrou em diversas farmácias do Lafepe fitas de testes de glicemia para diabetes. Nas farmácias tradicionais, cada caixinha custa R$ 100 e no Lafepe está faltando há dois meses.

CURTAS

PESQUISA– Na próxima terça-feira, este blog trará a primeira pesquisa do Instituto Opinião, de Campina Grande, sobre a sucessão estadual. O levantamento traz também o cenário para presidente da República e senador. Foram aplicados no Estado dois mil questionários em 80 municípios.

NO ARARIPE– O deputado federal Wolney Queiroz, majoritário em Araripina, foi na última quinta-feira prestigiar a abertura oficial dos festejos juninos naquela cidade. E por lá encontrou o deputado Gonzaga Patriota no palanque ao lado do prefeito anfitrião Alexandre Arraes (PSB). Ambos querem o apoio de Arraes.

Perguntar não ofende: O PT vai de Dilma ou de Lula em 2014? 


O grito pacífico do Recife

Magno Martinssex, 21/06/2013 - 00:00

O Brasil viveu, ontem, um dia histórico. Seu povo saiu às ruas em mais de 100 cidades, entre as quais as principais capitais, como São Paulo, que reuniu 100 mil pessoas. Um verdadeiro formigueiro humano foi visto também no Rio, Porto Alegre, Belo Horizonte e Recife. Brasília ferveu.

Manifestantes romperam as barreiras impostas para chegar até ao Congresso, entraram em confronto com policiais e atearam fogo na Esplanada dos Ministérios e nas proximidades do Itamaraty. Com exceção do Recife, que fez um ato pacífico, com o branco da paz, cenas de vandalismo se reproduziram em várias partes do País.

Lamentável! Protestos se fazem com palavras de ordem, com o eco da voz rouca nas ruas e não com violência. Recife não registrou incidentes graves, badernas, agressões, nada disso, além do grito forte do seu povo em caminhada que ficou marcada para a história, não apenas pela grande adesão da população, mas pela civilidade e pacifismo.

Gente consciente e engajada. Jovens caras pintadas, cartazes com frases duras, mas que simbolizavam as razões do belíssimo ato. Recife deu um show de democracia e até a polícia, bem comportada, acabou sendo aplaudida pela multidão. Apenas tumultos isolados, sem graves consequências, se observaram em frente ao prédio da Prefeitura.

Mas, como a manifestação foi comparada ao mar de gente do Galo da Madrugada, isso se diluiu. O recado do Recife, porém, foi dado ao País: a revolta do povo não se dá pelo aumento de 20 centavos nas passagens, mas por dignidade na política, saúde de qualidade, escolas eficientes, rejeição a PEC que imobiliza o Ministério Público, fim das obras superfaturadas e com caras de elefantes brancos, como as arenas da Copa do Mundo.

CAIU NA REALMais uma vez, a TV-Globo se rendeu aos fatos: abandonou a transmissão dos jogos da Copa das Confederações, ontem, para transmitir ao vivo as manifestações que ocorreram em várias partes do País. As equipes globais, entretanto, tiveram que cobrir os atos nas ruas sem o loco tradicional da emissora e com segurança particular, temendo agressões de populares, como ocorreu com o jornalista Caco Barcelos, em São Paulo.

Sitiada no Planalto

Enquanto Brasília pipocava, ontem, com milhares de manifestantes em frente ao Congresso e ao Itamaraty, a presidente Dilma despachava no Palácio do Planalto, a 300 metros do burburinho como se estivesse sitiada. Foi de lá, depois de acompanhar pela televisão o que se passou no País, que resolveu cancelar sua ida ao Japão.

Apenas chute

No Recife, a Polícia Militar abusou do seu chutômetro.  Chegou a calcular em 100 mil os manifestantes presentes nas ruas da capital, recuando depois para 52 mil. Para garantir a tranquilidade do ato, o Governo mobilizou mais de mil policiais. Se o Galo da Madrugada arrasta um milhão de pessoas, por que não havia, ontem, 100 mil pessoas na manifestação?

No Sertão

Petrolina e Juazeiro, cidades irmãs, separadas apenas por uma ponte sobre o rio São Francisco, se uniram, ontem, mais uma vez, numa manifestação que arrastou mais de seis mil pessoas. No final da tarde, a multidão se concentrou na ponte Getúlio Vargas, cujo movimento de carros ficou interrompido por mais de duas horas.

Mantega vai cair

Notícias que chegam de Brasília dão conta de que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, está com os dias contados. Na verdade, segundo uma fonte palaciana, ele deve ser substituído pelo ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. Mantega cai, na verdade, por fadiga de material e deve arrastar boa parte da sua equipe econômica.

CURTAS

EFEITO COLATERAL– Na opinião do cientista político Ricardo Guedes, da Fundação Getúlio Vargas, as manifestações que sacudiram o País nos últimos dias tornaram indefinidas as eleições presidenciais de 2014. Ele acredita que o pano de fundo do inconformismo é a ameaça da volta da inflação.

IMAGEM ARRANHADA– O Governo está extremamente preocupado com a grande repercussão externa das manifestações no Brasil. Especialmente porque jornais e revistas internacionais tratam os protestos como reação a tudo, destacando principalmente a Copa das Confederações.

Perguntar não ofende: E os protestos param por ai ou vão continuar nos próximos dias, mesmo a passagem já tendo sido reduzida? 


A palavra de ordem é paz

Magno Martinsqui, 20/06/2013 - 05:24

Estado extremamente politizado, berço de grandes e históricas batalhas, Pernambuco volta às ruas, hoje, num ato que promete ferver Recife. Estima-se que mais de 50 mil pessoas participem da manifestação contra tudo: aumento de passagem, corrupção, volta da inflação, obras superfaturadas e o luxo da Copa, saúde de péssima qualidade e educação ineficiente.

Como no resto do País, a cara do protesto de hoje é estampada pela jovialidade. Aos que imaginavam que os jovens brasileiros andavam alienados, com a consciência política e social adormecida, a esta altura mudaram de opinião.

 Seja em São Paulo, Rio, Brasília, Belo Horizonte ou Porto Alegre, o que se viu foi uma multidão de jovens pacificamente cobrando um País melhor, mais justo e menos desigual. O reajuste das passagens de ônibus foi apenas uma isca lançada para o brasileiro romper a inércia e bradar pelas ruas o eco do inconformismo contra todas as políticas públicas de péssima qualidade no País.

Historicamente, as maiores conquistas se deram nas ruas, de forma soberana, sem derivar para badernas e quebra-quebra. Não precisamos disso e nem é esse o caminho mais adequado. Por isso, Recife tem que dar ao País, hoje, o exemplo de que é possível dobrar os poderosos pela palavra, pela força do grito reivindicatório, reunindo o maior número possível de manifestantes num ato ordeiro, vibrante, emocionante e belo.

A praça e as ruas são do povo e é por elas, andando com bandeiras e faixas, que os pernambucanos clamarão, como os brasileiros de outras capitais, por mudanças. O Brasil maravilha de hoje é uma grande mentira vendida por um Governo lerdo, dócil com os corruptos e lento com reformas que adormecem no Congresso há anos.

AMEAÇA– Em Fortaleza, as manifestações pelas ruas ontem chegaram bem próximo ao estádio Castelão, gerando um princípio de tumulto e colocando em risco a segurança para o jogo do Brasil com o México. No início da tarde, os manifestantes entraram em conflito com a polícia. Há, também, nos atos pelo País um componente de insatisfação contra o superfaturamento de obras exigidas pela FIFA para sediar a Copa do Mundo, como as arenas.

Exército nas ruas

O secretário de Defesa, Wilson Damázio, antecipa à coluna que sua tropa presente hoje nas ruas do Recife, para dar segurança à população, não aceitará provocações. O Governo está mobilizando uma tropa quase do tamanho do evento para evitar que baderneiros se infiltrem e tirem o brilho do protesto.

Pegou mal

No Congresso, senadores e deputados costumam assinar requerimentos para apresentação de projetos e acabam se dando mal, como ocorreu com a PEC-37, que reduz os poderes do Ministério Público. Mendonça Filho e Augusto Coutinho, ambos do DEM, assinaram o pedido de tramitação da proposta e passaram ontem o dia inteiro se justificando, o que não convence.

Garotinho lidera

O PT contratou uma pesquisa para levantar o cenário de hoje para as eleições de governador em 2014. O Vox Populi foi às ruas e constatou um empate técnico entre o ex-governador Anthony Garotinho (PR), que desponta com 24%, e o senador Lindbergh Farias (PT),  que tem 21,2%. O ex-prefeito César Maia (DEM) aparece com 11,4% e Pezão, do PMDB, 8,8%.

A cara do PT

A CUT fez circular pela internet, ontem, uma convocação a todos os sindicatos filiados para a manifestação de hoje. “A CUT apoia todas as bandeiras de luta da classe trabalhadora. Estamos no ato reafirmando nossa posição em defesa da liberdade de manifestação”, diz a nota da entidade, que, na prática, tem o carimbo do PT, partido oficial.

CURTAS

DESAPROVADO– No Rio, o Vox Populi identificou ainda que a popularidade do governador Sérgio Cabral (PMDB) rasteja. Tem apenas 32,4% de bom e ótimo, enquanto o Governo da presidente Dilma é aprovado por 51,7%. É por isso que Pezão, candidato do governador, é o lanterninha na pesquisa.

EXPEDIENTE– Todas as repartições públicas, seja federal ou estadual, alteraram o horário de expediente nesta quinta-feira. O Tribunal Regional Eleitoral, por exemplo, só funcionará das sete da manhã às 13 horas. Tudo isso porque existe temor em relação à manifestação programada para o final da tarde.

Perguntar não ofende: A nova pesquisa CNI-Ibope, mostrando queda na aprovação de Dilma, é uma tendência irreversível?


Acordamos tarde

Magno Martinsqua, 19/06/2013 - 03:29

Gigante esplendido adormecido desde o “Fora Collor”, o Brasil acordou com as megas manifestações de São Paulo, Rio, Belo Horizonte e Porto Alegre? Eis a pergunta que ninguém, sociólogo, cientista político ou pensador, é capaz de responder, na ponta da língua, com muita convicção.

A grande incógnita é saber se esses atos se encerram com o recuo dos governos estaduais no aumento das passagens ou seguem à frente empunhando outras bandeiras. Mobilizada pelas redes sociais, a juventude sem partido e sem bandeiras gritou por justiça, empunhando cartazes. Pediu, também, liberdade aos manifestantes presos.

Estendeu em São Paulo ao “Fora Feliciano”, “Fora Alckmin”, “Fora Dilma” e “Fora Haddad”. Vi nas imagens pela internet e televisão protestos envolvendo outras temáticas, como o “Não a Belo Monte”, “Educação para todos”, “Fim da corrupção” e “Abaixo a repressão”. Os manifestantes, de caras pintadas, sugeriam, enfim, que o “gigante acordou”, no caso o Brasil.

Tomara! Há muito que se assiste no País a uma roubalheira escancarada e vergonhosa, mas foi preciso que as passagens subissem 20 centavos para a sociedade despertar. Despertou tarde. A Copa do Brasil, antecedida pela Copa das Confederações, é outro escândalo. Ergueram arenas caríssimas, superfaturadas para um evento que o pobre não terá acesso, porque os ingressos são caros.

A rua está sendo a grande arquibancada do povo para protestar contra imposições da FIFA, enrolações de políticos e um show de incompetência na organização do evento. O que intriga em todos esses atos, como bem destacou, ontem, a professora paulista Denise Paiero, em entrevista ao Frente a Frente, é que uma força enorme, sem lideranças, sem bandeiras claras é também uma força suscetível a virar massa de manobra ou a ser convencida por líderes de todo tipo.

Pode apagar-se, exatamente por falta de foco ou porque acabou a graça da novidade. Ou pode significar mudança. Ficaremos de olho na rua para tentar entender um caminho que parece cheio de riscos, mas também de possibilidades.

EFEITO CASCATA– Não foi apenas o governador Eduardo Campos que, sensibilizado com a voz rouca das ruas, se antecipou e reduziu em 10 centavos o preço das passagens de ônibus. O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT), também baixou em cima do mesmo percentual. Tudo porque a União reduziu impostos federais para minimizar os impactos do congelamento das passagens no segmento das empresas de transportes coletivos.

Dia de protesto

Recife tende a viver um dia de caos amanhã, quando haverá novo protesto, desta vez contra a corrupção. Tudo porque os rodoviários já anteciparam que farão nova paralisação. A mobilização está sendo feita pelas redes sociais e até ontem já haviam sido confirmadas 70 mil pessoas nas ruas.

Expondo o ministro

O ex-deputado Pedro Correia (PP) tentava, ontem, em Brasília, dar uma demonstração de que ainda é poderoso. Aos aliados de Brejo da Madre de Deus, acionava o celular para informar que o ministro Castro Meira, do TSE, iria cancelar a decisão do Tribunal Regional Eleitoral, que cassou o prefeito José Edson e a sua vice Clarice Correia, filha de Pedro, convocando novas eleições para prefeito em 7 de julho.

O impopular

Está na coluna de Ilimar Franco: “A propósito da vaia na presidente Dilma, sábado no Mané Garrincha, em Brasília, o senador Francisco Dornelles (PP-RJ) lembra que em 1954, após ser vaiado no Jockey Clube de São Paulo, o então presidente Getúlio Vargas olhou para o governador Lucas Garcez e lascou: Lucas, eu não sabia que você era tão impopular”.

Antecipação

Aliados do governador Eduardo Campos admitem que ele possa antecipar para janeiro o congresso nacional do PSB marcado para março do ano que vem. Na verdade, para atender uma expectativa que caminha no sentido de que as bases apoiem a tese de candidatura própria. Com isso, dificilmente os demais líderes do partido se posicionem contra.

CURTAS

MUDANDO O BRASIL– Uma frase estampada por um manifestante em São Paulo que simboliza o engajamento dos jovens caras pintadas nos atos em favor de um País mais decente: “Mamãe, não me espere para o jantar. Estarei ocupado para mudar o Brasil”.

REVOLUÇÃO DIGITAL– Segundo pesquisa do Datafolha, 81% dos jovens que estiveram nas ruas de São Paulo, segunda-feira passada, tomaram conhecimento e foram mobilizados pelas redes sociais. Na prática, o Brasil já vive de fato a sua revolução digital.

Perguntar não ofende: Como a PM pernambucana vai reagir amanhã se o ato contra a corrupção não for pacífico? 


O mico da Copa

Magno Martinster, 18/06/2013 - 09:43

Pernambuco não passou no teste da infraestrutura da Copa das Confederações. O teste prático na Arena de São Lourenço, domingo passado, foi reprovado. Não só pelas delegações estrangeiras, especialmente o selecionado Uruguaio, o mais revoltado, mas principalmente pela legião de desportistas que compraram ingressos, caríssimos, antecipadamente.  

O acesso à maravilhosa Arena pernambucana é precário e complicado. Chegar até ao estádio se transformou num martírio sem fim. E sair dele foi pior ainda. Mas ficou a lição para que não passemos um maior vexame na Copa do Mundo, ano que vem. Não dá, por exemplo, para o Governo não rever a questão do acesso.

O terminal integrado pelo metrô não pode acabar na estação de Cosme e Damião, que fica longe, representando um grande risco de vida para os torcedores. Se fora da Arena o sofrimento foi insuportável, dentro dela não foi diferente. 

Ali, a desorganização é imputada a FIFA, que tratou o torcedor sem o menor respeito humano, como se fosse bicho e não gente. Um horror! Ingressos foram vendidos de forma atabalhoada. Bernardo Costa Pinto, leitor deste blog, comprou bilhetes para o bloco 404. Quando chegou lá, o local estava reservado à Imprensa. 

A FIFA tem tradição e experiência, não poderia ter cometido igual erro. Na verdade, ingressos fantasmas. Em todos os acessos à arquibancada do estádio foram encontrados grupos de 10 a 15 torcedores, segurando suas entradas na mão diante de orientadores que não sabiam de nada. Nas lanchonetes da Arena, outro caos. 

Em todas, longas filas, falta de lanche e de troco. Isso sem falar nos preços salgadíssimos! Ficou a sensação diante de tudo isso que o Estado falhou, a FIFA se complicou e Pernambuco pagou o mico do improviso e da desorganização.

COTA ADORMECIDA– Nos últimos dias, em silêncio, o governador Eduardo Campos tem nomeado aliados para ocupar cargos que, não se sabe lá as razões, estavam sem dirigentes há muito tempo. É o caso, por exemplo, do Instituto de Recursos Humanos (IRH), que já dirigido pela ex-deputada Ana Cavalcanti e o delegado Manoel Carneiro. Agora, passa ao controle do PSD, do ex-deputado André de Paula, que indicou o ex-presidente da Ceasa, Francisco Papaléo. 

Procurando culpados 

Secretário da Copa, o jornalista Ricardo Leitão estava com os nervos à flor da pele, ontem, tentando justificar os atropelos no primeiro jogo da Copa das Confederações na Arena, em São Lourenço da Mata. De forma cômoda, entretanto, jogou toda a culpa na CBTU, órgão do Governo Federal, nas imensas dificuldades de acesso ao estádio. 

O pau cantou 

A mídia especializada bateu sem piedade nos atropelos do primeiro jogo da Copa das Confederações na Arena de São Lourenço. Repórter da revista Placar, Alexandre Battiblugli reclamou do acesso, da sujeira, da falta de informação e dos gargalos da mobilidade. “Tomei um choque de realidade no Recife para perceber que falta muito treino e preparo para fazermos uma Copa”, escreveu.

Crédito de confiança 

Numa coletiva, ontem, o secretário da Copa admitiu, finalmente, que o serviço prestado no item mobilidade não foi satisfatório, algo notório visto as reações do público após a partida Itália e Uruguai e a repercussão nas redes sociais. Mas disse que o sistema de amanhã para o jogo Itália e Japão será o mesmo. “Temos um crédito de confiança”, disse Ricardo Leitão. 

Lançamento 

O escritor Antônio Campos, responsável pela bem-sucedida Fliporto, lança, no próximo dia 5, em Paraty (RJ), mais um livro de sua autoria: “Resistir em tempos difíceis – um olhar sobre o contemporâneo”. Em seguida, fará uma palestra na Casa da Liberdade. A obra é editada pela Carpe Diem. Campos também é membro da Academia Pernambucana de Letras. 

CURTAS 

BOMBEIROS– A prefeita de Arcoverde, Madalena Brito (PTB), abre os festejos juninos na próxima quinta-feira entregando a unidade do Corpo de Bombeiros. O ato contará com a presença do secretário de Defesa, Wilson Damázio, e do comando do CB, além do deputado estadual Júlio Cavalcanti. 

ARRAIAL– Em artigo, ontem, postado no NE-10, o jornalista Fernando Castilho, do JC, fez uma primorosa leitura do arraial organizado pelo vice-governador João Lyra Neto, sábado passado, em Caruaru. Armando Neto, concorrente de Lyra em 2014, na visão de Castilho, esteve por lá apenas para não passar recibo. Mas perdeu tempo. 

Perguntar não ofende: Dilma vai levar outra vaia no Maracanã? 


A procura de um escândalo

Magno Martinsseg, 17/06/2013 - 18:00

Da escola pessedista de Arraes, Eduardo Campos (PSB) minimizou o impacto da reportagem de Veja, sugerindo que quatro agentes da ABIN espionavam a sua vida. Numa conversa com este blogueiro, o governador chegou a sugerir até que os arapongas poderiam estar a serviço de empresas privadas que atuam em Suape.

Havia ameaça de greve no terminal portuário em abril, quando os espiões da ABIN passaram por lá, e, segundo Eduardo, alguma empresa, temendo os desdobramentos da paralisação, poderia ter contratado o serviço de espionagem.

O governador não está errado, mas não se deu nenhum tipo de espionagem em Santos, o maior terminal de contentores da América do Sul, e nem no porto de Paranaguá, o segundo maior do Brasil. Por que Suape, então, acabou sendo alvo?

Os repórteres Hugo Marques e Rodrigo Rangel, responsáveis pela reportagem da revista, informam no texto que os agentes pretendiam mapear eventuais relações espúrias entre Eduardo e o setor privado, porque faziam perguntas específicas sobre o governador.

“No porto – diz um dos trechos da reportagem – atuam grandes financiadores de campanha e, mais importante, grandes corretores de contribuições eleitorais”. Um ministro de Dilma, ouvido pelos repórteres, chegou a declarar: “Tudo em Pernambuco é feito em função de Suape. Viadutos, ferrovias, tudo. A vocação do industrial do Estado apareceu graças ao porto”.

Ora, está muito claro que os espiões queriam levantar um escândalo para acabar com a boa imagem de Eduardo hoje no cenário nacional e provocar o arquivo da sua pré-candidatura ao Planalto, que não agrada o Governo. Sendo do Nordeste, onde Dilma teve 12 milhões de votos, o governador, entrando na disputa, só tiraria votos da presidente, podendo provocar um segundo turno.

Se Eduardo não estivesse no páreo e a espionagem abordasse um desenho não politico, mas econômico, tudo teria se passado em Santos e não em Suape. Não há outra lógica que justifique o contrário.

SEXO EXPLÍCITO– Outra estória cabeluda sobre a espionagem em Suape vem do Gabinete de Segurança Institucional, o GSI. Veja o que disse general José Elito Siqueira, ministro-chefe da ABIN: “Todos os esclarecimentos sobre a ação dos agentes em Pernambuco já foram dados e eles não realizaram nenhuma operação para monitorar o movimento sindical”. A nota tira, portanto, a conotação de greve e deixa espaço para concluir então que a ação foi política.

Dupla jornada

Quem ficou mal na foto foi o vereador Edmilson Silva, da bancada do PV de Jaboatão, um dos quatro espiões identificado. Disse a revista: “O vereador vive uma situação curiosa. Durante o dia, é um defensor das liberdades. Às escuras, como araponga, une-se aos colegas de repartição para violá-las”.

Mordomia escancarada

Com dinheiro alheio, os parlamentares adoram mordomias no exterior, inventando missões como gancho para justificar a farra de passagens, diárias e hotel de luxo. Esta semana, por exemplo, o presidente da Câmara, Henrique Alves, embarca para Rússia levando na delegação os principais líderes na Casa, entre eles o neopaulista Roberto Freire, do MD.                                               

Aliança com tucanos

Pelo menos em São Paulo, o PSB do governador Eduardo Campos já decidiu que não se alinha com o PT, mas com o PSDB, na eleição para governador. E quer ter participação ativa na chapa majoritária indicando o candidato a vice na chapa de Geraldo Alckmin, que tentará a reeleição. O nome mais cotado é o do deputado federal Márcio França.

E haja fofoca!

Os dois assuntos mais comentados no arraial da fazenda Macambira, do vice-governador João Lyra Neto (PDT), sábado passado, em Caruaru: a suposta prisão de quatro agentes da ABIN que estariam bisbilhotando a vida do governador Eduardo Campos e a estrondosa vaia levada pela presidente Dilma na abertura da Copa das Confederações, em Brasília.  

CURTAS

SENAI– Jaboatão ganha, hoje, uma unidade do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), que funcionará no antigo prédio da Rede Ferroviária Federal, no centro da cidade. A ordem de serviço será assinada no local pelo prefeito Elias Gomes e o diretor-regional do SENAI, Sérgio Gaudêncio Portela de Melo.

CASAS– Na passagem pelo Recife, no último fim de semana, o ministro Fernando Bezerra (Integração) foi até Paulista e liberou R$ 14,3 milhões para tocar as obras do projeto de contenção do avanço do mar na praia de Pau Amarelo. E fez questão de visitar as obras de drenagem com o prefeito Júnior Matuto (PSB).

Perguntar não ofende: Se não foi a ABIN que patrocinou a espionagem em Suape, quem teria sido então?


Eduardo senador, Jarbas deputado

Magno Martinssab, 15/06/2013 - 14:10

Se Eduardo resolver disputar o Senado e não mais a Presidência da República, que destino tomará o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), que sonha em disputar a reeleição numa chapa apoiada pelo governador? Eis a pergunta que mais se ouve, hoje, nos bastidores da política pernambucana diante da possibilidade de o governador desistir do voo nacional.

Aliados históricos no passado, mas adversários numa etapa seguinte, quando o senador rompeu com Arraes e se aliou à direita para disputar o Governo em 1998, Jarbas e Eduardo se reconciliaram recentemente sem que ninguém até hoje tenha entendido.

Não é fácil compreender porque não houve uma razão aparente, algo tão forte para convencer, com exceção das conveniências da política. Até hoje, o governador nunca deu um pio falando sobre acordos para apoiar Jarbas a senador.

O único político que tem levantado essa lebre é o deputado Raul Henry, discípulo fiel do senador, e que também, de forma oportuna, se transferiu para o palanque de Eduardo e aderiu à candidatura de Geraldo Júlio no Recife, logo em seguida.

A Jarbas, entretanto, só restará a alternativa de disputar um mandato de deputado federal e, assim, encerrar a sua longa trajetória política, porque parece impossível despontar um cenário pelo qual possa vir a disputar mais uma eleição majoritária, até pela a sua idade já avançada e pela debilidade eleitoral.                                                                                                                                             

MISSÃO IMPOSSÍVEL– Secretário-geral do PT, o deputado Paulo Teixeira (SP) pegou um tremendo abacaxi da executiva nacional do partido, na reunião com dirigentes da executiva pernambucana: juntar os cacos do PT no Estado. Se já era rachado, com as eleições do Recife, ano passado, o partido ficou muito mais dividido. E o pior é que o presidente estadual, Pedro Eugênio, não tem liderança para cumprir o papel delegado a Teixeira, um ET no Estado.

Dupla jornada

Paulo Teixeira, o emissário designado pelo PT para construir a paz no Estado, já conseguiu uma façanha: os principais líderes petistas pernambucanos que estiveram com ele cumprem fielmente o pacto do silêncio. Ninguém fala sobre a reunião e os barracos que ocorreram ao longo dela.                                                                      

Briga feia

Foi difícil, por exemplo, na reunião do PT, conter o deputado Fernando Ferro, um dos mais fiéis aliados de João da Costa. Ferro abriu o verbo tocando na ferida: a briga dos dois Joãos – Paulo e Costa – que parece irreversível. Dois dias antes do encontro, João Paulo mandou avisar ao comando nacional do PT que não conte com ele para ficar frente a frente com o desafeto.

Mordendo bundas

Deu na coluna do jornalista Ilimar Franco, de O Globo: “O ex-presidente Lula defendeu, em Porto Alegre, o número de ministérios existentes nos governos Lula e Dilma. Sobre a pasta das Cidades disse que, antes dele, os prefeitos eram recebidos por cães pastores que mordiam suas bundas”.

Centésima creche

O prefeito de Petrolina, Júlio Lóssio (PMDB), aproveita o mega evento em que transformou o São João do município, com uma estrutura de fazer inveja a Caruaru e Campina Grande, para levar lideranças nacionais do seu partido e prestigiar uma atração à parte: a entrega da 100ª creche do programa Nova Semente.

CURTAS

CONTRATO– O empresário Anchieta Mascena, da BPM Serviços, prestou esclarecimentos, ontem, na Câmara de Vereadores de Afogados da Ingazeira, sobre o elevado reajuste concedido no contrato que mantem com a Prefeitura em locação de automóveis na educação e outros setores, além do gabinete do prefeito.

CASAS– O prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque (PT), pressionou tanto a Caixa Econômica Federal que, finalmente, na próxima quarta-feira, os 500 beneficiários do programa Minha Casa, Minha Vida assinarão os contratos de aquisição dos seus imóveis. As 899 famílias beneficiadas iriam receber as casas quando Dilma passou pelo município, em abril.

Perguntar não ofende: Os conflitos em São Paulo, Rio e Porto Alegre por causa do aumento das passagens de ônibus se repetem, hoje, na abertura da Copa das Confederações?