Luiz Mendes

Luiz Mendes

Deixa que eu chuto

Perfil: Graduado em Jornalismo pela Faculdade Maurício de Nassau. Começou a carreira trabalhando em rádio e atualmente é editor de esportes do LeiaJá

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Xadrez ou cano alto

por Luiz Mendes sex, 06/06/2014 - 08:30

Não se espantem. Essa coluna continua tendo como principal tema o esporte, com o futebol um espaço maior. Mas hoje o assunto é moda. A Copa do mundo está chegando e com ela as tendências no vestuário e na imagem dos atletas.

Em todo mundial as fornecedoras de material esportivo aproveitam a visibilidade do evento para lançar as novidades em camisas e chuteiras. Se por um lado é mostrado todo o avanço tecnológico nos materiais com que as peças são produzidas, a questão bom gosto anda deixa muito a desejar.

Em 2014 as duas principais marcas esportivas do mundo erraram feio na mão, melhor dizendo nos pés dos jogadores. A alemã Adidas, líder do mercado e patrocinadora oficial da Fifa, aposta no preto e branco nos seus novos modelos de chuteira. Os desenhos variam conforme cada linha. Algumas parecem bandeiras quadriculadas da Fórmula 1 e outras simulam peles de animais. 

A Nike foi mais ousada e lançou uma espécie de bota para os jogadores. Para os saudosistas pode até lembrar os calçados utilizados pelos jogadores de futebol até o início da década de 50 do século passado. Segundo a empresa, a Magista, nome dado à nova chuteira, dá maior conforto e precisão aos atletas. Além de o modelo ser exótico, outro detalhe que chama muito atenção dos espectadores são cores, laranja e amarelo fluorescente. 

Está cada vez mais difícil encontrar jogadores que optem por modelos mais discretos. Chuteiras todas pretas, sem maiores detalhes além da marca da fabricante, são artigos em extinção nos gramados.

3 dentro

- Vitória. Há muito tempo o time feminino de Vitória de Santo Antão é uma das principais forças da categoria no Brasil. Em Pernambuco a hegemonia prevalece. As Guerreiras das Tabocas seguem para conquistar o quinto título consecutivo do Campeonato Pernambucano. Na primeira partida da final venceram o Sport, na Ilha do Retiro, por 4 a 2.

- Fifa. Além das punições, a entidade que gere o futebol mundial acerta em fazer campanhas tentando afastar ações racistas nos estádios. Desta vez a Fifa pede que os torcedores façam uma foto com a hashtag #SayNoToRacism. As imagens serão exibidas nos telões dos estádios durante as quartas de final da Copa do Mundo.

- Rússia. A seleção comandada pelo italiano Fábio Capello conseguiu fazer algo muito raro em tempos de futebol globalizado. Todos os jogadores do time russo atuam no futebol do país. Para que isso fosse possível, o técnico deixou de foras grandes nomes  como o meia Andrei Arshavin.

3 fora

- STJD. Aliviar a pena do Santa Cruz pela morte ocorrida no dia 2 de maio na partida contra o Paraná foi um erro. Dos dez jogos previstos sem o mando de campo, o time tricolor só irá cumprir três. Como já foram realizados dois, o time coral só atuará sem torcida agora apenas na partida contra o Botafogo-PB, pela Copa do Brasil. Com essa atitude, o tribunal minimiza o valor da vida e abre um precedente perigoso para futuros casos.

- Paraíba. O futebol paraibano é um dos mais bagunçados do Brasil. A federação sofreu uma interdição judicial e tirou a presidente do cargo, um time que não ganhou nenhuma partida subiu de divisão e na última quinta-feira um jogou deixou de ser realizado por não haver tinta para fazer as demarcações no campo. A coisa está feia na terra de José Lins do Rêgo.

- Ministério do Esporte. O ministro Aldo Rebelo confirmou que não existe um plano B em caso de greve no sistema de transporte durante a Copa do Mundo. Atualmente a cidade de São Paulo, que receberá a partida de abertura do mundial, está sofrendo com trânsito por conta da paralisação dos metroviários.

COMENTÁRIOS dos leitores