Djalma Guimarães

Djalma Guimarães

Seu Bolso

Perfil:Economista pela UFCG e Mestre em Engenharia de Produção pela UFPE. É Docente, Projetista e Consultor Empresarial da i9 Projetos.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Lucro Brasil

Djalma Guimarãessex, 18/10/2013 - 17:05

Não é novidade que o brasileiro paga caro pela maioria dos produtos que consome isto se tornou mais visível com a abertura da economia na qual temos acesso mais facilitado a produtos de consumo global.

A insatisfação com este sobre-preço é mais visível nas redes sociais, onde várias manifestações de repúdio a tais preços são amplamente repercutidas, preços de carros, roupas, artigos de informática, vídeo games, etc.

No entanto, nos últimos dias uma notícia apimentou esta discussão, foi o anúncio do preço de venda no Brasil novo console da Sony, o PS4. Que custará nada mais nada menos que R$ 3.999,00.

A empresa aponta como responsável por tal preço a carga tributária brasileira. No entanto, sem muitos conhecimentos de finanças ou economia, chega-se a desconfiar de tal argumento. Vejamos:

O preço de venda do console nos EUA é de US$ 399,00, que convertido para reais pela taxa de cambio de 17/10/2013 (US$ 1,00 – R$ 2,17) resultaria em um preço sem impostos de R$ 868,59. Agora consideremos que o imposto sobre vídeo game no Brasil estejam em torno de 80% do preço do produto, assim, o console chegaria a R$ 1.563,45. Ou seja, um valor muito inferior aos R$ 4.000,00.

A esta singela diferença denominamos “lucro Brasil” neste caso R$ 2.435,55, o que representa um ganho de 155%.

Para se ter idéia da discrepância de tal preço da realidade de mercado, o preço do console concorrente o XBOX One da Microsoft custará R$ 2.199,00, neste caso o “lucro Brasil” será de 12,4%.

Logo, desconfiemos quando empresas atribuírem apenas aos impostos os elevados preços cobrados pelos produtos de consumo global no Brasil.

COMENTÁRIOS dos leitores