Capes concedeu 46 mil bolsas de doutorado em 2020, diz MEC

Modelo de distribuição de bolsas aplicada pela Capes tem como referência a nota do programa de pós-graduação e o nível, no qual doutorado recebe mais que mestrado

por Aurilene Cândida qua, 09/12/2020 - 12:07
Pixabay MEC diz que número de bolsas é recorde para um ano Pixabay

O Ministério da Educação (MEC) informou, nesta quarta-feira (9), que a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) concedeu 46.301 bolsas de doutorado em 2020. O número foi recorde para um ano, segundo o MEC.

O modelo de distribuição de bolsas aplicado pela Capes este ano tem como referência dois fatores: a nota do programa de pós-graduação (PPG), que quanto maior, mais bolsas terá; e o nível, no qual doutorado recebe mais que mestrado. A Coordenação divide os PPGs em notas de 1 a 7, sendo 6 e 7 de excelência e 3 o mínimo necessário para continuar em funcionamento a cada avaliação. A titulação média de cursos (TMC) também é considerada. Assim, quanto maior, mais bolsas.

A quantidade de bolsas foi registrada depois da aplicação do modelo de concessão de benefícios pela Capes e dos lançamentos de editais de programas estratégicos, que priorizam auxílios para este nível de ensino, diz o MEC. 

Segundo o presidente da Capes, Benedito Aguiar, o Brasil precisa atingir a marca de 25 mil doutores formados por ano, prevista na meta 14 do Plano Nacional de Educação (PNE). “O País já atingiu a quantidade anual de mestres titulados (60 mil), e ainda não chegou à de doutores, apesar de estar perto. Isso, aliado à preocupação de um crescimento com qualidade do Sistema Nacional de Pós-Graduação (SNPG), levou a Capes a privilegiar o doutorado”, afirma, segundo informações da assessoria. 

O MEC diz que para tornar o cálculo mais exato, reduzir assimetrias no SNPG e assegurar qualidade, a Capes ainda considera o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M). Neste caso, quanto menor ele seja, mais bolsas recebe. Deste modo, municípios mais pobres recebem mais benefícios. Assim, a equação final é a seguinte: (quantidade inicial com base na nota e no nível) x (Fator IDH-M) x (Fator TMC), de acordo com informações da assessoria do MEC. 

Vale pontuar que quanto aos editais, os doutores foram prioridade no Programa de Combate a Epidemias, no Programa de Desenvolvimento da Pós-Graduação (PDPG) – Parcerias Estratégicas nos Estados e no PDPG na Amazônia Legal. Os programas são estratégicos e foram lançados neste ano para atender demandas da sociedade, como o enfrentamento da Covid-19, diminuir as diferenças do SNPG, ao fomentar a pós-graduação em locais historicamente menos favorecidos com bolsas, como as regiões Nordeste e Norte do País, destaca o MEC.

COMENTÁRIOS dos leitores