ProUni oferece mais de 250 mil bolsas de estudo

Estão aptos a participar do processo seletivo brasileiros que não tenham diploma de curso superior e tenham participado da última edição do Enem

por Juliana Mamede sex, 31/01/2020 - 15:38
Paulo Uchôa/LeiaJáImagens . Paulo Uchôa/LeiaJáImagens

O Programa Universidade Para Todos (ProUni) está oferecendo 252.534 bolsas de estudo agora no primeiro semestre -maior número já registrado para esse período do ano. São 122.432 bolsas integrais e as outras 130.102 parciais (50%). As inscrições no ProUni podem ser feitas até às 23h59 do próximo sábado (1º) e o resultado da primeira chamada sairá na próxima terça-feira (4).

Para se inscrever, o interessado tem que informar o número de inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019 e a senha utilizada no exame. No ato da inscrição, o aspirante à bolsa escolhe, em ordem de preferência, até duas opções de instituição, curso e turno entre as bolsas disponiblizadas, segundo o seu perfil. O inscrito com deficiência ou que se autodeclarar indígena, preto ou pardo pode escolher por concorrer a bolsas destinadas a políticas de ações afirmativas.

Thiago Leitão, coordenador-geral de Programas de Ensino Superior do Ministério da Educação (MEC), destaca a grandeza do oferecimento de bolsas nesse semestre. “Mais estudantes poderão se beneficiar. Trata-se de uma iniciativa do MEC para democratizar o acesso ao ensino superior brasileiro, dando a oportunidade de estudo a quem mais precisa”, diz ele, segundo o MEC. A consulta para verificar as bolsas disponíveis começou na última segunda (27).

Estão aptos a participar do processo seletivo brasileiros que não tenham diploma de curso superior e tenham participado da última edição do Enem, em 2019, tendo feito, no mínimo, 450 pontos na média das notas do exame e nota acima de zero na redação.

Outros critérios para concorrer a uma das bolsas são:

- ter cursado o ensino médio completo em escola da rede pública ou da rede particular, na condição de bolsista integral da própria escola; 

- ser pessoa com deficiência; 

- ser professor da rede pública de ensino, no efetivo exercício do magistério da educação básica, integrante de quadro de pessoal permanente de instituição pública e concorrer a bolsas exclusivamente nos cursos de licenciatura. Neste último caso, não é necessário comprovar renda. 

Para concorrer às bolsas integrais, o candidato deve comprovar renda familiar bruta mensal, por pessoa, de até um salário mínimo e meio. Já para as bolsas parciais (50%), a renda familiar bruta mensal deve ser de até três salários mínimos por pessoa.

Com informações da assessoria.

COMENTÁRIOS dos leitores