Pelo Whatsapp, professores ensinam alunos da rede pública

Projeto Enem Híbrido é voltado para preparar alunos para o Enem e disponibiliza conteúdos de forma gratuita

por Fábio Filho sex, 14/09/2018 - 17:31
Paulo Uchôa/LeiaJá Imagens/Arquivo Cerca de mil e quatrocentos estudantes são beneficiados com o Projeto Paulo Uchôa/LeiaJá Imagens/Arquivo

Professores pernambucos criam grupos de WhatsApp para disponibilizar, de forma gratuita, aulas e conteúdos abordados no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para alunos de escolas públicas do Estado. O Projeto Enem Híbrido começou em março deste ano e, desde então, foi responsável pela criação de 49 grupos, beneficiando cerca de 1,4 mil estudantes.

De acordo com um dos idealizadores do Projeto, o professor de biologia Andrey Freire, os grupos contêm alunos das escolas públicas de todo o estado de Pernambuco. “Alunos do terceiro ano do Ensino Médio de cada escola ficam responsáveis por criar os grupos e colocar os demais estudantes junto com nós professores. A partir daí, disponibilizamos apostilas de estudos, vídeoaulas, fichas de exercícios e todos os materiais que possam ajudar nos estudos dos feras”, afirmou.

Ainda segundo Andrey, as publicações são realizadas de segunda a sexta-feira, com horários definidos para cada disciplina. “Nós dividimos os assuntos do Enem de forma que em 30 semanas possamos disponibilizar todos os conteúdos que o Exame aborda”. O docente destaca que o Projeto começou com professores pernambucanos e agora os grupos já contam com educadores de demais estados brasileiros como Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

Estudante da Escola Técnica Estadual (ETE) Maria José Vasconcelos, em Bezerros, José Alysson de Lima de 18 anos, conta que além de estudar para o Enem, também usou a plataforma para ser aprovado na primeira fase do concurso da Polícia Militar (PM) de Pernambuco. “Estudei pelos conteúdos que os professores colocavam nos grupos e consegui êxito na prova de conhecimentos gerais da PM, as questões da prova se assimilavam com aquilo que era postado pelos educadores. Na parte de geografia, utilizei exercícios que falavam sobre mesorregiões, planaltos e a formação de território pernambucano. Em matemática, a prova abordou equação do segundo grau, e lembrei das apostilas que foram publicadas pelos professores. Na parte de português utilizei os conhecimentos que adquiri respondendo as fichas de exercício de interpretação de texto, e na parte de história, foi abordada toda história de Pernambuco”, afirmou.

Segundo Alysson, o Projeto Enem Híbrido é essencial para a vida acadêmica dos alunos, pois desperta o interesse pelo estudo não só para o Enem, como também para as demais provas que os estudantes venham fazer. “Pelo WhatsApp é tudo mais acessível, podemos tirar nossas dúvidas a qualquer momento e todos os dias tem atualização de conteúdo. Podemos utilizar essas plataformas para compartilhar conhecimento, por isso é preciso impulsionar esse projeto para que mais estudantes sejam beneficiados”, destacou.

COMENTÁRIOS dos leitores