Luiz Mendes

Luiz Mendes

Deixa que eu chuto

Perfil: Graduado em Jornalismo pela Faculdade Maurício de Nassau. Começou a carreira trabalhando em rádio e atualmente é editor de esportes do LeiaJá

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

A chata numerologia da bola

Luiz Mendesqua, 11/03/2015 - 09:44

Futebol não é ciência exata. O Imponderável de Almeida, personagem de Nelson Rodrigues, às vezes entra em campo. Há quem se divirta com números e queira colocá-los em todos os cantos, inclusive no esporte bretão.

Não gosto de matemática, prefiro história. Toda partida, por pior que seja, é uma epopeia. Parte o sofrido coração torcedor o resumo de uma peleja na frieza dos cálculos.

22 jogadores em 90 minutos + tempo extra. Um no tradicional 4-4-2 x um moderno 4-1-4-1 e seu espetacular falso 9.

O parágrafo acima poderia ser uma questão objetiva da prova do Enem, mas é só futebol. Pasmem.

Não sou contra os números. Reconheço que a evolução do esporte passa pelos avaliadores de desempenho e suas equações, mas todos os números voltam a ser meros números quando o atacante do time adversário costura a defesa e mete no fundo das redes. Talento e improviso não se quantificam.

Recentemente Lucas Silva foi contratado pelo Real Madrid e foi logo para o time titular. A imprensa espanhola fez beicinho. Queriam que o novato fosse passar um tempo no banco de reservas. Uma das justificativas era que antigo dono da posição tinha a média de 92% de passos certos durante o jogo, enquanto o brasileiro tinha apenas 90%. Pasmem².

Fórmulas matemáticas podem até ganhar jogos e campeonatos, mas números não têm alma e nem coração. Incluam a emoção em suas contas. O futebol agradece.

3 DENTRO

- Cristiano Ronaldo. Mesmo com a derrota por 4 a 3 dentro de casa para o Schalke 04, o Real Madrid conseguiu a classificação para as quartas de final da Liga dos Campeões. Destaque do jogo mais uma vez foi o atual melhor do mundo. CR7 ainda atingiu duas marcas na partida. Agora é jogador com mais gols em competições europeias (78) e empatou com Messi como maior artilheiro da Liga dos Campeões (76).

- Lebron James. Outro que quebrou recordes esta semana foi o camisa 23 do Cleveland Cavaliers. Na vitória contra o Dallas Mavericks, James se tornou o jogador com o maior número de assistências da história do seu time (4.207).

- Casemiro. O ex-volante são-paulino vai se encontrando na Europa. Após uma passagem discreta pelo Real Madrid, e destaque no Porto. Na vitória do seu time por 4 a o contra o Basel, foi autor de um golaço.

3 FORA

- Santa Cruz. Ricardinho é adepto a estratégia kamikaze. Escala um time ofensivo que não define no ataque e se expõe na defesa. Há sérios riscos do tricolor ficar de fora das copas do Nordeste e do Brasil novamente em 2016.

- Arena Pernambuco. Próxima a completar três anos de funcionamento, ninguém ainda sabe quanto custou a Arena Pernambuco. É um absurdo a falta de transparência para apresentar os gastos com a mais polêmica obra dos últimos tempos em Pernambuco.

- Fórmula 1. Na semana da primeira corrida de 2015, a categoria se vê em meio a várias confusões. O pai do piloto Jules Bianchi faz queixas a FIA por abandonar o seu filho que permanece em coma após acidente no ano passado. E o brasileiro Felipe Nasr corre o risco de não estrear na F1. O holandês Van Der Garde ganhou na justiça australiana o direito de correr na Sauber neste final de semana no lugar de Nasr.


Um problema chamado Arena Pernambuco

Luiz Mendesqua, 04/03/2015 - 07:37
Chico Peixoto/LeiaJáImagens

Comentar agora parece fácil, mas sempre achei que o projeto Cidade da Copa nunca sairia do papel. Uma cidade ou bairro não é criado por conta de um estádio. Um campo de futebol é que é inserido em um lugar com constante movimentação e acesso de pessoas.

 

Passaria a acreditar no projeto se a pedra fundamental de uma casa popular fosse colocada antes do início das obras da Arena Pernambuco. Chamar de Elefante Branco o estádio de São Lourenço da Mata, eu acho um pouco demais. Ele é utilizado, porém com bem menos frequência do que queriam seus idealizadores.

 

Longe de mim querer ser o profeta do apocalipse, mas é quase impossível que um dia os quase 45 mil lugares da arena sejam ocupados. Pelos menos não nos próximos anos.

 

É impensável que um lugar de difícil acesso, que, literalmente, fica no meio do nada, consiga atrair algum público. O jogo entre Náutico e Piauí, que será realizado nesta quinta-feira (5), se anuncia como o pior público da recente história do local. Tendo em vista a fase que passa o time alvirrubro, a pouca qualidade da equipe visitante e o horário da partida, 22 horas.

 

O governo do estado tem um bilionário problema nas mãos. A Arena Pernambuco é um empreendimento que só traz prejuízos ao erário e aos contribuintes, sendo o consórcio e a construtora da obra as únicas beneficiadas, graças a um contrato que pode ser chamado no mínimo de pífio.

 

Apenas do ano passado, o estado de Pernambuco deve mais R$ 93 milhões aos construtores e administradores do estádio. Vale ressaltar que pelo período do ano de 2013, o governo já repassou R$ 87 milhões.

 

Legado da Copa em Pernambuco? Estamos pagando.

 

3 DENTRO

 

- Fair Play Financeiro. Acerta a CBF em punir, a partir da edição deste ano do Campeonato Brasileiro, os clubes que não cumprirem as suas obrigações salariais com os atletas. Em caso de atraso no pagamento, o time será punido com a perda de três pontos na competição.

 

- Jonh Terry. O experiente e violento zagueiro do Chelsea está com moral com o chefe. O técnico José Mourinho solicitou à direção do clube inglês a permanência do jogador para a próxima temporada.

 

- Guilherme Biteco. O Santa Cruz não vem apresentando um bom futebol desde o início da temporada. O time parece fraco. A exceção é meio Guilherme Biteco, autor de um dos poucos gols tricolores em 2015 e atleta que mais demonstra ter habilidade com a bola nos pés no elenco coral.

 

3 FORA

 

- Náutico. Em apenas três meses e nove partidas a diretoria Timbu pode ter jogado fora todo o planejamento para a temporada 2015. Moacir Júnior foi demitido por ter uma campanha irregular com um time bem abaixo das suas necessidades. O treinador que chegar vai precisar arrumar a equipe dentro de campo e saber conviver com as trapalhadas da diretoria do clube fora dele.

 

- Rio 2016. Uma das principais reivindicações dos atletas da vela, modalidade que mais deu medalhas para o Brasil em Olimpíadas, era a limpeza da Baía de Guanabara para o Jogos de 2016. Durante todo esse tempo o que a organização do evento e p governo do Rio de Janeiro fizeram foi mentir. O serviço de limpeza do local foi suspenso e corre o risco da poluição carioca fazer parte do cenário das imagens que vão para o mundo todo no ano que vem.

 

- Cruzeiro. O atual bicampeão brasileiro ainda não comemorou nenhum gol na Taça Libertadores da América deste ano. Já são dois jogos que o time mineiro fica no 0 a 0, em um grupo considerado um dos mais fáceis da competição.


Segurem quem manda

Luiz Mendesqua, 25/02/2015 - 09:22

Quando nada dá certo a melhor solução é começar tudo de novo. Calma, no futebol nem sempre é assim.

 

Aqueles dirigentes e torcedores que clamam por um futebol moderno, de gestão profissional, focada no planejamento, são os mesmos que após meia dúzia de maus resultados querem a cabeça do técnico. Repito, calma.

 

Ricardinho não deve ter tido uma noite de sono muito tranquila. Por mais que mostre a aparante serenidade nas entrevistas, a possibilidade de queda após a quinta partida oficial do Santa Cruz sob o seu comando causa apreensão.

 

Se isto acontecer, será um erro. Uma análise mais fria do time tricolor mostra que a equipe tem potencial para crescer. Ricardinho é ousado, gosta sistemas ofensivos. Quando essa estratégia dá certo, o time joga bem e vence, mas quando não, a derrota vem por placares elásticos. Infelizmente para os corais a segunda opção é que vem acontecendo neste início de temporada.

 

A situação de Moacir Júnior é mais tranquila, mas não muito diferente. O lado vermelho e branco entra no clássico desta noite com mais vitórias em 2015 do que o adversário. Contudo, ainda há desconfianças dos alvirrubros em relação ao time, muito pela falta de paciência de alguns com os jovens garotos que estão entrando no time. 

 

Mesmo que o Náutico venha a perder os dois clássicos contra o Santa Cruz, não ha motivos para a queda do seu treinador. A equipe já mostrou, nos jogos que fez esse ano, que com um pouco mais de entrosamento pode dar alegria ao seu torcedor.

 

É difícil pedir isso aos apaixonados pelo seu clube. Calma. O momento é de paciência.

 

3 DENTRO

Izabela Pyzalska – O Warta Poznán, clube que já foi campeão por duas vezes do Campeonato Polonês, estava prestes a fechar as portas até ser salvo por uma ex-capa da Playboy e musa do público masculino no Leste europeu. Pyzalska, de 37 anos, assumiu o clube após adquirir experiência empresarial no ramo de construção civil. O time que chegou perto da falência hoje está na terceira divisão do futebol polonês.

 

Torcidas – É louvável as ações dos clubes para acabar com a violência nos estádios. A do Sport com as mães dos torcedores foi reconhecida internacionalmente. Dirigentes de Grêmio e Internacional concordaram em que seus torcedores ocupassem o mesmo setor do estádio no clássico do próximo final de semana. Que estas ações sirvam de exemplo para outros clubes.

 

Paraná – Os principais clubes do futebol paranaense estão cada vez mais unidos. Colocando a rivalidade de lado, Coritiba, Atlético-PR e Paraná Clube, após iniciativas pedindo paz para as torcidas, o trio agora junta forças para eleger Ricardo Gomyde como presidente da federação de futebol do estado e tirar Hélio Cury, que já está há oito anos no poder.

 

3 FORA

Bruno – Após passar muito tempo no banco de reservas do Palmeiras, o goleiro chegou com olhares desconfiados no Arruda. Passados quatro jogos o arqueiro não conseguiu mostrar segurança para a torcida tricolor, ainda com saudades de Tiago Cardoso. Assim como ocorreu durante anos no alviverde paulista, hoje Bruno começará o jogo no banco de reservas.

 

Barcelona – Apesar da vitória contra o Manchester City pela Liga dos Campeões, o time catalão passou sufoco no segundo tempo, depois de ter sido muito superior no primeiro. Messi perdeu um pênalti e bisonhamente o seu rebote. Neymar ainda aceitou provocação do adversário e quis partir para a briga.

 

Diego Souza – É sem dúvidas o melhor jogador do Sport, mas está devendo uma boa atuação nesse início de temporada. Mesmo com todo sistema de jogo sendo montado em sua função, o camisa 87 ainda parece tímido em campo. Porém o torcedor do rubro-negro e o técnico Eduardo Baptista sabem que ele pode decidir uma partida a qualquer momento.


Futebol e pão de queijo

Luiz Mendesqua, 12/11/2014 - 09:20

Recife pode ter o melhor carnaval, o Rio de Janeiro as maiores belezas naturais em área urbana e São Paulo a mais cosmopolita das capitais brasileiras. Mas o melhor futebol do Brasil está em Belo Horizonte.

Nos últimos dois anos a capital de Minas Gerais teve um título da Libertadores da América, uma Recopa e um do Campeonato Brasileiro. Em 2014, a certeza que o campeão da Copa do Brasil virá de lá e o vencedor de mais um título do nacional está muito perto novamente de ficar no estado.

Não há muito segredo para o sucesso recente de Atlético-MG e Cruzeiro. Bons elencos, planejamento a longo prazo e treinadores que aparecem bem menos que os atletas. 

O extra-campo também tem seu peso. Não é mera coincidência que o clube que barrou de vez as torcidas organizadas esteja muito perto de conseguiur conquistar os dois mais importantes títulos nacionais na temporada.

Em Minas Gerais há algo peculiar no tratamento com as torcidas em dias de clássico. Só o time mandante tem o direito de contar com o apoio do seus torcedores. Por prevenção e rivalidade arcaiaca, os jogos são com torcida única. Não concordo com a medida, mas se está dando resultado, por que mudar?

Promessa de bom jogo para esta noite, na primeira partida da final da Copa do Brasil. Dois times que jogam no ataque. O Cruzeiro de eficiência calculada na frieza dos números e o Atlético-MG de viradas e momentos dignos de epopeias. Jogão.

3 DENTRO

- Dunga. O treinador da seleção brasileira foi coerente ao manter Miranda como titular do time, mesmo com a chegada do ex-capitão Thiago Silva. O técnico mostra que é fiel aos seus princípios e leal aos jogadores em quem confia.

- Anderson Talisca. Recém chegado ao Benfica, o jovem meia já fez golaço e de quebra foi chamado de última hora para defender a seleção brasileira nos amistosos que têm início. A grande estatura e o corpo magro enganam um jeito desengonçado, mas o ex-jogador do Bahia tem muita habilidade. Olho nele.

- Abidal. Ídolo francês do Barcelona retorna ao clube agora como dirigente. Quando atuava como volante, e dos bons, o ex-jogador teve que se afastar do clube devido a um câncer. Curado, voltou a jogar e caiu nas graças da torcida por sua determinação.

3 FORA

- Vasco. O clube retrocedeu no tempo e trouxe de volta Eurico Miranda para mais uma vez ser presidente. São Januário não vive tempos de glórias e o futuro é mais sombrio e incerto para sua torcida.

- Portuguesa. O Ministério Público de São Paulo concluiu após investigação que a Lusa recebeu dinheiro para escalar o meia Héverton de forma irregular. Em outras palavras, vendeu a sua vaga na Série A. Como castigo do futebol, um ano depois o time está encaminhado para terceira divisão, em 2015. Resta a pergunta: Quem comprou a vaga da Portuguesa?

- Santa Cruz. Cada vez que fica mais proximo do G4, parece que fica mais difícil para o time tricolor o acesso para Séria A. Ainda há chances, mas caso não consiga a classificação, a culpa será apenas do prórprio Santa Cruzb


Canindé coloca o Santa muito perto da primeira divisão

Luiz Mendesqua, 29/10/2014 - 09:52

O Santa Cruz nunca esteve tão perto da primeira divisão nos últimos oito anos como está agora. O principal detentor desta façanha chama-se Oliveira Canindé.

Um sujeito humilde, que muitas vezes se perde quando quer rebuscar nas suas sinceras palavras. O jeito matuto e agregador dele motivou os jogadores e cativou a exigente torcida coral.

Mesmo que não consiga o objetivo de subir este ano, o treinador já tem o mérito de ter sido o responsável de depositar esperança naqueles que já se davam por satisfeito pelo Santa permanecer na Série B. 

Após o empate dentro de casa contra o Icasa, pela 24ª rodada, confesso que acreditava que os sonhos de acesso coral terminavam ali. Mesmo na 11ª colocação e a 12 pontos do G4, era muito cedo para um previsão tão cética. Oliveira Canindé assumiu no jogo seguinte e fez uma curva ascendente na campanha tricolor.

Não houve nenhum passe de mágica pra que isso acontecesse. Bastou seriedade no trabalho.

O time basicamente é o mesmo, com exceção da defesa que durante todo o campeonato foi o grande calo de Sérgio Guedes. A chegada de Alemão e o retorno de Tiago Costa ajudaram o bom treinador cearense na guinada na reta final.

Porém o grande trunfo de Canindé não é tático, passa mais pelo lado emocional. É incrível ver a entrega do time no jogo contra o Vasco, mesmo após uma paralisação por salários atrasados. 

Da mesma forma como a equipe tem muito mais vontade de subir agora. O jogo de ontem mostrou um Santa Cruz muito mais determinado e com sangue nos olhos. Se depender apenas da vontade, os tricolores estarão na Série A em 2015.

3 DENTRO

- Joinville. É de se destacar também a campanha do time do interior de Santa Catarina. Uma equipe sem grandes nomes, mas que desde o início da competição incorporou o espírito de uma Série B e está a apenas seis pontos de confirmar o seu acesso.

- Rogério Ceni. O maior ídolo do São Paulo Futebol Clube conseguiu mais uma marca nesta semana. Se tornar o jogador com o maior número de vitórias por um mesmo time. 590 no total. Até o fim da carreira, prometida para o próximos meses, o goleiro são-paulino conseguirá números ainda mais impressionantes.

- Tevez. Esquecido nas convocações da Argentina nos últimos três anos, o atacante voltará a vestir a camisa da seleção do seu país. O retorno deve-se as boas atuações do jogador com a camisa da Juventus de Turim.

3 FORA

- Portuguesa. O simpático time paulista colhe agora os frutos de uma gestão medrosa que se acovardou diante da CBF e do STJD. Abrir mão do seu direito de permanecer na Série A custou também a segunda divisão. Sobrou pra Lusa a melancólica Série C em 2015.

- Náutico. Com chances remotas de acesso, o Timbu tenta planejar o próximo ano. Mas as ações de bastidores estão atrapalhando. Diretores e comissão técnica não andam falando a mesma língua, principalmente quando o assunto são os salários. Desta forma fica difícil.

- Fortaleza. Pelo quinto ano um dos grandes times do Ceará fica pelo caminho. Uma pena que a grande apaixonada torcida tricolor tenha que encarar mais uma temporada na terceira divisão. Perde todo o futebol brasileiro.

 

 


A torcida também quer ver jogo bonito na polítca

Luiz Mendesseg, 27/10/2014 - 10:54

Futebol, política e religião se discutem sim. O último tema não é muito propício para ser debatido em mesa de bar, mas os outros dois cabem perfeitamente nas enferrujadas cadeiras de qualquer Pé Sujo de esquina.

Política e futebol mexem com paixões. Torcedor é ser fanático e por isso fica cego. Quem cobre o assunto tenta ser imparcial, mas sempre deixar passar o que fala mais alto no coração.

A eleição finalizada ontem foi um grande campeonato de pontos corridos e concorridos. E não faltaram fortes emoções.

O franco favorito teve adversários fortes nessa disputa. Aquele time pequeno, que parecia não dar trabalho, veio crescendo aos poucos, ainda mais quando o destino, em uma tragédia, fez tal equipe mudar de capitão. Elencos com menos expressão e em franca ascensão costumam cativar até torcedores de outros times.

Mas aquela promessa de um jogo inovador com grandes revoluções táticas, com o tempo mostrou não ser nada de novo. Mais do mesmo. E se era pra ficar por aí, melhor continuar com os times que polarizam as disputas.

Tal qual o Campeonato Espanhol, também só dois times tinha chances claras de disputar o título. De um lado o time tido como elitista, de grandes glórias do passado e que nas últimas competições acostumou-se com os vices campeonatos. Do outro a equipe que nasceu popular, que durante muito tempo foi o da torcida dos desfavorecidos, mas com as conquistas dos últimos torneios foi ganhando adeptos de todas as vertentes, até daquelas que fazem vergonha a qualquer instituição.

O último campeonato foi o mais disputado dos últimos tempos. Teve direito a prorrogação e decisão nos pênaltis. 11 x 11. A última cobrança ficou sob a responsabilidade de um dos menores jogadores e quase sempre esquecido. Três horas atrás dos demais. Se bem que a cobrança dele nem foi tão decisiva. O jogo já tava ganho. O tetracampeonato foi sofrido, foi suado. O time que ficou com o vice promete se reforçar para a próxima temporada. É bom quem está com a taça abrir os olhos e jogar bonito. As torcidas querem craques e não brucutus.

3 DENTRO

- Santa Cruz. Oliveira Canindé arrumou a casa e zaga coral. Na reta final da Série B, torcedores que já tinham desistido do sonho do acesso veem as possibilidades cresceram. Só o fato de não namorar a Zona de Rebaixamento este ano é uma grande vitória tricolor.

- Luiz Adriano. Fazer cinco gols em apenas uma partida não é algo muito fácil. E se esse feito acontecer na maior competição entre clubes no planeta aumenta mais ainda o brilhantismo. O atacante do Shakhtar conseguiu isso e de quebra ainda foi chamado para a seleção brasileira.

- Serena Williams. Só em 2014 ela já levantou sete títulos. Após a mais recente conquista em Cingapura, a tenista norte-americana se mantém no topo do ranking da WTA.

3 FORA

- Sport. A queda vertiginosa do time rubro-negro assusta e preocupa a torcida. O bom técnico Eduardo Baptista parece ter perdido a forma de fazer o time jogar. O Leão não mais aquele time brigador de marcação implacável. Dá tempo de recuperar.

- Náutico. De desacreditado, o time passou a ter chances de acesso após a chegada de Dado Cavalcanti e por mais que negue, a falta de salários, culpa da diretoria, influenciou diretamente no desempenho da equipe dentro de campo. Sonhar com a primeira divisão só será possível no próximo ano.

- Messi. Depois de perder o posto de melhor jogador do mundo, a futebol do meia do Barcelona vem sendo muito criticado pela imprensa espanhola. Jornais do país colocam a culpa do baixo rendimento na parte física do jogador. Matérias dessa semana dizem que o argentino jogou o clássico contra o Real Madrid após tomar infiltrações no joelho.

 


Santa Cruz mais uma vez no colo da FPF

Luiz Mendesqua, 08/10/2014 - 09:28
Chico Peixoto/LeiaJáImagens

Os maus resultados dentro de campo nos últimos oito anos fizeram do Santa Cruz o time mais beneficiado pela Federação Pernambucana de Futebol. Esse apoio está longe das teorias conspiratórias de que o tricolor da Arruda fosse favorecido pela arbitragem para conseguir o tricampeonato estadual.

A reunião do Conselho Arbitral que definiu a fórmula de disputa mostra mais uma vez o coitadismo coral. Em 2008 o Campeonato Pernambucano teve o regulamento mais esdrúxulo da sua história, tudo para ajudar o Santa, como confirmou tempos depois o então presidente da Federação, Carlos Alberto Oliveira.

Em 2015, os tricolores não participarão do 1º turno da competição, que é destinado para equipes que não estarão disputando a Copa do Nordeste. Mesmo não participando do torneio regional, o Santa Cruz não disputará a primeira fase, que começa ainda este ano, com a prerrogativa de que times da Séries A e B não podem participar de estaduais antes do mês de fevereiro, para que sejam respeitadas o período de férias do atletas.

Na Copa do Nordeste o tricolor também quer entrar na marra, depois de ser barrado na bola. A justificativa seria um acordo firmado com a direção da liga, mas está cada vez mais difícil essa virada de mesa coral. 

A apaixonada torcida tricolor não merece ver o clube mendigando benefícios nas competições. Nada disso seria necessário se o time fizesse por onde dentro de campo e os dirigentes agissem corretamente no dia a dia.

3 dentro

- Givanildo Oliveira. O treinador de métodos ortodoxos é um dos principais responsáveis pela reação do América-MG após ser punido tendo pontos retirados. O pernambucano venceu Santa Cruz e Náutico nas últimas rodadas, clubes onde já teve passagens.

 - Uefa. Os cartolas europeus estão dispostos a não tolerarem mais posições racistas no futebol. Exemplo disso é a punição dada ao presidente da Federação Italiana de Futebol, Carlo Tavecchio. O mandatário italiano fez comentários racistas ao comparar o futebol inglês com o do seu país.

- Ginástica Olímpica. Talvez em outra modalidade um sexto lugar não fosse tão valorizado, mas para a ginástica masculina brasileira o resultado é um marco no esporte nacional. O feito conquistado por Arthur Nory Mariano, Arthur Zanetti, Diego Hypolito, Francisco Barretto, Lucas Bitencourt e Sérgio Sasaki aumenta as esperanças que um bom resultado como esse se repita nas Olimpíadas de 2016

3 fora

- Santa Cruz. O meia Natan está suspenso por puro amadorismo do departamento de fubol coral. O jogador recebeu o terceiro cartão amarelo e está fora da partida contra a Ponte Preta por ter entrado em campo com a camisa errada. Na relação da arbitragem o atleta aparecia com o número 19 e entrou no gramado estampando o número 18 na costas.

- Thomaz Bellucci. Após um ótimo desempenho na Copa Davis, o principal tenista brasileiro volta à rotina de decepções. A participação de Bellucci no Challenger de Rennes durou apenas uma rodada. O tenista foi derrotado por Marsel Ilhan após disperdiçar três match points.

- Náutico. O time comandado por dado Cavalcanti vinha em uma crescente na Série B, mas a goleada sofrida para o América-MG foi um balde de água fria no torcida alvirrubra. Ainda há esperanças que o time volte a ameaçar brigar pelo G4, desde que não se repita a atuação apresentada na noite de ontem na Arena Pernambuco.


O futuro do esporte em Pernambuco

Luiz Mendesseg, 06/10/2014 - 10:33
Clélio Tomáz/LeiaJáImagens

Paulo Câmara foi eleito com quase 70% dos votos dos pernambucanos. Tem um imenso desafio pela frente, dentre eles dar um maior incentivo para o esporte no estado.

Durante sua campanha pouco vi e ouvi, não só dele, mas de qualquer candidato, uma abordagem mais profunda sobre o assunto. A exceção foi uma reunião feita na sede da Federação Pernambucana de Futebol, onde o candidato socialista recebeu 11 propostas de dirigentes de entidades esportivas. 

Dentre as reivindicações do grupo estavam o retorno de status de secretaria de estado a atual Secretaria Executiva dos Esportes, a criação do Fundo de para Desenvolvimento dos Esportes (Fundespe) e a garantia da utilização dos recursos provenientes da Lei Pelé (4,5% da arrecadação bruta do estado).

Em seu programa de governo, Paulo Câmara reforça programas que já vem sendo executados como o Todos com a Nota e o Bolsa Atleta Estadual e também busca a valorização de espaços esportivos no estado,a exemplo da Arena Pernambuco e o Centro Esportivo Santos Dumont, este último sendo transformado em Centro de Excelência.

Três promessas do plano de governo do PSB me chamaram a atenção. A gestão que terá início em janeiro de 2015 pretende criar o programa Ganhe o Mundo Esportivo, onde atletas pernambucanos farão intercâmbios para treinamentos especializados. Paulo Câmara diz que vai elaborar a Lei Estadual de Incentivo ao Esporte, que tem o objetivo de estimular o apoio financeiro de pessoas jurídicas à realização de projetos esportivos. O governo socialista também promete reativar o Conselho Estadual de Esporte e Lazer de Pernambuco.

Cabe agora para dirigentes, atletas e imprensa a cobranças da execução dessas propostas. Material humano e determinação o estado já possui, basta que seja mais bem cuidado e valorizado.

3 dentro

- Diego Costa. Brasileiro de nascimento e espanhol de certidão, o atacante vai sendo a principal estrela do Chelsea. Em sete jogos pelo Campeonato Inglês, o sergipano marcou nove gols.

- Cruzeiro. O futebol mais bem jogado do Brasil vem de Minas Gerais. O time comandado por Marcelo Oliveira tem 97,5% de chances de levar o Campeonato Brasileiro, segundos os matemáticos. 

- Cristiano Ronaldo. Pela 22ª vez o atacante português faz três gols em uma mesma partida com a camisa do Real Madrid. Como comparação, Alfredo Di Stéfano e Telmo Zarra precisaram de 11 temporadas para conseguir o feito. CR7 fez isso em cinco

3 fora

- Jules Bianchi. Devido ao mistério da equipe Marussia, ainda não se sabe da gravidade do estado de saúde do piloto francês após o acidente durante o GP do Japão. O fato reacende as discussões sobre segurança na categoria.

- Michael Phelps. Pela segunda vez o maior medalhista da história dos Jogos Olímpicos anuncia que irá se afastar do esporte. O ato ocorre após o nadador ser flagrado dirigindo em alta velocidade após ter consumido bebidas alcoólicas.

- Brigões. Em um jogo com pouco mais de duas mil pessoas presentes, valentões que torcem para Goiás e Figueirense protagonizaram mais capítulo lamentável para o futebol nacional. Clubes estão no aguardo das punições do STJD.


Profissão perigo à beira do gramado

Luiz Mendesseg, 29/09/2014 - 09:37
Marionaldo Júnior/LeiaJáImagens

Imagine passar uma semana toda passando instruções, planejando a execução de uma estratégia e os seus subordinados não corresponderem as suas expectativas. Some isso a pressão de milhões de pessoas por bons resultados, que julgam depender apenas de você.

Não é fácil ser treinador de futebol no Brasil. Mesmo supervalorizada e tendo representantes que se julgam maior do que o próprio espetáculo, não para qualquer um ter que conviver com um profissão onde não há instabilidade no emprego e sendo alvo de todo de tipo de impropério.

O corpo e a mente cansam, falham e pedem socorro. Na última semana Joel Santana e Muricy Ramalho precisaram de avaliação médica devido a problemas de saúde. A colecistite do treinador do Vasco e a arritmia cardíaca do técnico sãopaulino podem até ser consideradas corriqueiras em pessoas na idade deles, mas o futebol ajuda a aumentar o agravamento nos diagnósticos.

O São Paulo e o time da Cruz de Malta já tiveram episódios de treinadores que adquiriram problemas de saúde por conta do futebol. Em 28 de agosto de 2011, num clássico contra o Flamengo, o então técnico vascaíno Ricardo Gomes sofreu um acidente cerebral vascular (AVC) e teve que se afastar do comando do time. Desde então, Gomes nunca mais voltou a assumir uma equipe, mesmo após a recuperação. Tutor de Muricy Ramalho como treinador, Telê Santana faleceu em 2006 devido a uma isquemia cerebral que sofreu dez anos antes, pouco tempo depois de deixar o tricolor paulista.

Se existe pré-temporada para atletas se prepararem para toda uma temporada e visando evitar lesões futuras, treinadores de futebol precisam fazer o mesmo check-up, tratando inclusive do lado emocional. Antes de xingar de qualquer nome o técnico do seu time, pense o quanto ele é valente e se pergunte se você aguentaria a pressão de estar à beira do gramado.

3 dentro

- Neymar. Já escrevi nesta coluna que o principal jogador da seleção brasileira tem tudo para ser também destaque na atual temporada do futebol europeu. Neymar marcou nada menos do que três gols na vitória do Barcelona contra o Granada por 6 a 0.

- Vôlei Feminino. Superando um início ruim no Mundial, o Brasil conseguiu chegar a liderança da competição ao vencer por 3 sets a 1 a Sérvia. Na segunda fase o Brasil enfrentará Rússia, EUA e Cazaquistão, Turquia e Bulgária.

- Futebol Feminino. A seleção brasileira manteve a hegemonia no continente ao golear por 6 a 0 a Argentina na final da Copa América. Com o título, as meninas do Brasil conseguiram a vaga para disputar a Copa do Mundo da modalidade no próximo ano, no Canadá.

 

3 fora

- Oliveira Canindé. Ainda é cedo para avaliar o trabalho do novo treinador do Santa Cruz, mas ficou claro que ele errou nas substituições na derrota contra o  América-MG. Com Natan e Aílton no banco de reservas, ele preferiu colocar Renatinho, que vem jogando como lateral há muito tempo, no lugar de Wescley. A entrada de Flávio Caça-Rato no time também não foi uma boa aposta.

- Basquete feminino. Não está sendo fácil o caminho do Brasil no mundial da categoria. Em dois jogos a seleção não conseguiu vencer nenhuma partida. Deve-se levar em consideração as adversárias. República Tcheca e Espanha estão entre as favoritas ao título da competição.

- Valdívia. O pseudo-craque do Palmeiras é um espelho da atual situação do clube alviverde. Um time sem compromisso, que tripudia do seu torcedor e ainda tem uma certa empáfia de glórias passadas.


Bola na mão e outras intenções

Luiz Mendesseg, 22/09/2014 - 09:28
RODRIGO GAZZANEL/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Nada é mais subjetivo no futebol do que a tal da mão na bola ou bola na mão. É mais fácil mensurar a dor de uma paixão, clubística ou não, do que ter a real certeza da intenção de um atleta ao ter o objeto principal de um jogo tocado em seus membros superiores.

Sem querer e querendo o lance, como sempre, causou polêmica e neste final de semana. Um no jogo do Santa Cruz, onde a bola bate no braço do zagueiro do Icasa após chute de Léo Gamalho em direção ao gol e o juiz não marcou infração. Diferente do pênalti assinalado contra o São Paulo no clássico com o Corinthians, onde zagueiro Antônio Carlos toca a bola com o braço quando a bola seguia o caminho oposto do gol.

Curiosamente as jogadas ocorreram poucos dias após a CBF divulgar recomendações aos árbitros sobre esse tipo de acontecimento. Segundo o vídeo, que tem mais de quatro minutos e as instruções da ex-bandeirinha e musa, Ana Paula de Oliveira, em qualquer contato da mão com a bola dentro da área é para ser marcado o pênalti. 

Nas duas jogadas citadas no segundo parágrafo deste texto, decisões diferentes foram tomadas partindo do mesmo princípio. O que já não era fácil de entender parece ter ficado mais difícil ainda.

Em outros esportes praticados com bola e que trocam os pés pelas mãos na condução da mesma, a utilização dos outros membros também gera discussões. Ainda hoje no basquete é terminantemente proibido os pés tocarem a bola laranja, acidentalmente ou não. O vôlei também utilizava a mesma recomendação, mas recuou e hoje os pés são utilizados principalmente em lances de defesa.

No futebol mais do que a intencionalidade do jogador em colocar a mão na pelota vale a predisposição do homem do apito em marcar tal infração. 

Subjetividade é o que faz parecer real aquilo que não está claro, assim como amores platônicos, convicções políticas e bolas nas mãos.

3 dentro

- Ronaldinho Gaúcho. O craque está mudando a rotina no futebol mexicano. Um esquema especial de segurança teve de ser montado no hotel que Querétaro, time do brasileiro, estava hospedado em Guadalajara. Dentro de campo o meia marcou um gol e deu passe para outro na vitória da sua equipe por 4 a 1 contra o Chivas.

- Robinho. Apagado em suas últimas temporadas na Europa, a volta do camisa 7 ao Santos está fazendo com que ele reencontre o bom futebol. As lembranças nas convocações desde o retorno de Dunga à seleção brasileira também ajudam no bom momento do atacante.

- Cruzeiro. Há quem diga que a sorte sempre está ao lado dos campeões. Partindo deste princípio o time azul de Minas Gerais está cada vez mais perto da taça do Campeonato Brasileiro deste ano. Mesmo com os recente tropeços da Raposa, os rivais não conseguem encostar no líder da competição, que mantém uma distância de sete pontos para o segundo colocado.

3 fora

- Everton Sena. Ele não é o principal culpado pelas falhas no sistema defensivo do Santa Cruz, mas preocupa a irregularidade e a instabilidade emocional do jogador nas últimas partidas. Passes curtos e coberturas na marcação estão sendo constantemente feitos de forma errada pelo zagueiro.

- Palmeiras. O tradicional clube paulista vive mais uma via crucis a caminho da segunda divisão. A cada rodada a caminhada vai sendo mais dolorosa. A goleada sofrida por 6 a 0 contra o Goiás humilhou os palmeirenses e os colocaram na lanterna da Série A.

- Racismo. Depois de brincar no Twitter com a derrota do Manchester United, o atacante italiano Mario Balotelli sofreu uma onda de mensagens racistas através da mesma rede social. A polícia britânica abriu investigação para punir os autores dos ataques contra o jogador do Liverpool.

Páginas