Adriano Oliveira

Adriano Oliveira

Conjuntura e Estratégias

Perfil:Doutor em Ciência Política. Professor da UFPE - Departamento de Ciência Política. Coordenador do Núcleo de Estudos de Estratégias e Política Eleitoral da UFPE.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Os recados do presidente

Adriano Oliveirasex, 04/01/2019 - 10:43

A posse e os discursos do presidente Bolsonaro têm diversas sinalizações e simbolismos. A política é feita de gestos. Os discursos sinalizam a intenção. Caso assim não seja, é blefe.  Parto do pressuposto que Jair Bolsonaro não blefou. Ele evidenciou o seu desejo de como pretende conduzir o Brasil em sua era. 
A presença de Carlos Bolsonaro no Rolls-Royce sugere que o filho de Bolsonaro terá papel no governo. A ex-presidente Dilma, em sua posse, foi acompanhada da filha. Bolsonaro foi acompanho, em sua posse, do filho e da esposa. Eduardo Bolsonaro, senador eleito, frisou, ao ser questionado pela imprensa, que Carlos é o pitbull da família.

Cachorro da raça pitbull é conhecido por ser raivoso, gostar de briga e ser destemido. Portanto, a conclusão é simples, pelo menos, neste instante: Carlos Bolsonaro terá opinião no governo Bolsonaro. A dúvida é se isto é bom ou ruim. Caso ele opte, por exemplo, enfrentar a imprensa e o Congresso Nacional, ele poderá atrair para o presidente a impopularidade, embora venha a continuar a ser amado por milhares de internautas. Presidentes sábios optam por respeitar e conquistar a imprensa e o Congresso. 

Faltaram ao discurso do presidente empossado, os termos desigualdade e inclusão. Bolsonaro parece que faz a opção pela sociedade com ordem. Não que este tipo de sociedade não seja necessário para a saúde da democracia. O meu receio é que Bolsonaro relegue a desigualdade social, a qual é o principal problema do Brasil, e opte por uma sociedade policialesca.

A sociedade policialesca não faz a opção pela inclusão social. Mas pela ordem. Neste caso, os que moram no morro não podem ir para as avenidas. Estas são espaços exclusivos das classes médias e altas. A polícia impedirá os avanços da população do morro. Com isto, a ordem estará estabelecida. Mas, a desigualdade continuará a existir.

A naturalização da desigualdade social exige a sociedade policialesca. Quando algo é naturalizado, você o despreza, ou não o considera propositadamente. Será que este é o desejo intencional do governo Bolsonaro ou falta a ele interpretação adequada do Brasil? O exacerbado antipetismo de Bolsonaro lhe traz a miopia. Em razão disto, a agenda social é desprezada. Se esta minha hipótese for verdadeira, a sociedade policialesca existirá.

Quando o presidente Bolsonaro fala em mérito, fico assustado. E, mais uma vez, receio que a minha hipótese apresentada venha a ser verdadeira. Espero, entretanto, que o chefe do Executivo não tenha visão incipiente do Brasil. O mérito é necessário. Mas antes de falar dele, é importante a inclusão social, a oportunidade para todos. Em particular, a oportunidade educacional.

Criar empregos, menos Estado e menor carga tributária. Tais termos estavam nos discursos do presidente eleito. E, por isto, Bolsonaro merece aplausos. Mas, alerto: a criação de empregos requer políticas de inclusão social. E a menor carga tributária é necessária, mas não pode comprometer a oferta de bens públicos. Por fim, o Estado brasileiro precisa ser diminuído. Contudo, os pobres precisam de Estado.

COMENTÁRIOS dos leitores