Adriano Oliveira

Adriano Oliveira

Conjuntura e Estratégias

Perfil:Doutor em Ciência Política. Professor da UFPE - Departamento de Ciência Política. Coordenador do Núcleo de Estudos de Estratégias e Política Eleitoral da UFPE.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Como ser eleito deputado?

ter, 16/01/2018 - 09:40

Em meados de 2016, um neófito candidato a vereador trouxe a seguinte indagação: “Gostaria de saber se existem estratégias para que eu possa ser eleitor vereador do Recife?” O candidato revelou que não tinha lideranças comunitárias, apoio do poder estatal e não era apoiado por sindicatos e movimentos sociais. Após todas estas informações, frisei: “O seu sucesso eleitoral é improvável”. O candidato não foi eleito.

Para você ser eleito deputado estadual ou federal são necessários o apoio de prefeitos, opositores do prefeito, vereadores, vereadores não eleitos, lideranças comunitárias, sindicatos, movimentos sociais organizados, máquinas estatal e partidária. Se você não tem isto, a sua chance de sucesso eleitoral é diminuta.

Um prefeito ou um ex-prefeito representa o candidato X no município. Através da troca de benefícios, estes atores conseguem votos para o competidor X. Assim também fazem o vereador e o vereador não eleito. Esclareço que os políticos com mandato exigem mais benefícios do candidato do que os políticos sem mandato. A liderança comunitária também é instrumento para a conquista do voto. Entretanto, eles não têm a força de captação de votos que têm os políticos de carreira. Ser o candidato preferencial do partido ou do candidato ao governo do Estado importa.

Sindicatos e movimentos sociais contribuem para o sucesso eleitoral do candidato, em particular, os classificados de Esquerda. Tais atores têm o poder de organizar ações que podem render votos ao competidor. Neste âmbito, podemos encontrar o voto ideológico ou atrelado à preferência partidária, os quais são atalhos informacionais que orientam a escolha do eleitor.

Existe o voto de opinião? Este é desprovido de qualquer interesse de troca. Ele existe. Mas não conheço competidores que foram eleitos apenas com voto de opinião. Isto significa que os outros atores/instrumentos citados são necessários para o sucesso eleitoral. E as estratégias eleitorais? Elas são necessárias. E inerente a elas, estão os instrumentos mostrados e a comunicação. Contudo, a boa comunicação política não elege, solitariamente, um candidato. Se você deseja ser deputado, abandone, urgentemente, a inocência. Desconfie do voto de opinião e dos seus seguidores nas redes sociais. Seja cético quanto ao potencial eleitoral do “novo”. E boa sorte!

COMENTÁRIOS dos leitores