Gustavo Krause

Gustavo Krause

Livre Pensar

Perfil: Professor Titular da Cadeira de Legislação Tributaria, é ex-ministro de Estado do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal, no Governo Fernando Henrique, e da fazenda no Governo Itamar Franco, além de já ter ocupado diversos cargos públicos em Pernambuco, onde já foi prefeito da Capital e Governador do Estado.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Obrigado pelo atraso

qua, 08/11/2017 - 10:04

Não é uma apologia à impontualidade, mas instigante título de um grande livro de Thomas Friedman (autor de "O mundo é plano"). Obra fascinante em que o autor busca compreender e fazer com que os leitores compreendam a transição atual que é uma profunda inflexão histórica marcada por três grandes vetores de aceleração: a globalização, a tecnologia e a mudança climática.

Neste sentido, o autor se socorre de Marie Curie (primeira mulher a ganhar o prémio Nobel e única vencedora em dois campos distintos: química e física) que ensina: “Nada na vida deve ser temido, se formos capazes de compreendê-lo. Agora é o momento de compreendermos mais, para que venhamos a temer menos”. Muito apropriado para o nosso tempo em que o ritmo da mudança e da aceleração coincidem no crescimento exponencial das transformações e dificultam as adaptações, especialmente, para quem não está atento ao fenômeno.

Vivemos a “Era da Aceleração”. Sem botão para a pausa, como as máquinas, caminhamos, de disrupção em disrupções, de ruptura em rupturas, velozes, furiosos, ansiosos, angustiados, patologicamente, na direção do pânico. 

Pois bem, o autor narra que usa o tempo da refeição matinal para despistar a solidão, entrevistar personalidades e compartilhar conhecimentos com amigos. Certa manhã, um dos companheiros do desjejum atrasou e, desmanchando-se, em desculpas, ouviu uma resposta inesperada “obrigado pelo atraso”: o autor encontrou tempo para pensar e produzir. Friedman descobriu e apertou o botão “pausa”, mergulhou na reflexão que a, partir daquele momento, passou a integrar o seu funcionamento psíquico.

Momento raro e silencioso. Liberto do celular; mensagens do zap; postagens dos tuítes; narcísicos faces e selfies, a pausa serviu para duas constatações: a velocidade das mudanças e a carga brutal de informação somente são úteis se a reflexão transformá-las em conhecimento.

Dei o livro de presente a uma amiga que retribuiu com brilhante comentário: “Estava num restaurante e, diante de mim, um casal não tirava os olhos dos smartfones. E aí constatei que as máquinas estão pensando por nós. Nos mandam desejos, imperativos. Robotizados, somos impessoas. Para quê? Cadê os olhos nos olhos, o toque. Seres digitalcêntricos, perdemos a pele. Possivelmente um escudo contra a dor do existir; hipnotizada, sou ninguém; nada me responsabiliza; afugento o inevitável: a morte, porque estou abraçada à potência da máquina, um placebo contra as impotências nossas de cada dia. Receba um abraço humanamente afetuoso”. Falou e disse!

COMENTÁRIOS dos leitores