Gustavo Krause

Gustavo Krause

Livre Pensar

Perfil: Professor Titular da Cadeira de Legislação Tributaria, é ex-ministro de Estado do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal, no Governo Fernando Henrique, e da fazenda no Governo Itamar Franco, além de já ter ocupado diversos cargos públicos em Pernambuco, onde já foi prefeito da Capital e Governador do Estado.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Espelho, Espelho Meu...

Gustavo Krauseseg, 28/08/2017 - 11:06

Existe no mundo um estado mais caro, ineficiente e cruel do que eu, Estado brasileiro? – A Venezuela não morreu. A rima é inevitável, verdadeira e o povo sofrido digno de compaixão – o Espelho respondeu com realismo e piedade. – Então, você está dizendo que meu futuro é uma grande Venezuela? Indagou o Estado. – Depende, retrucou o espelho, as nações são diferentes, mas os destinos podem coincidir. Você toma das pessoas quase 40% da riqueza nacional, investe 1% e os 39% vão para gastos correntes, tem um déficit nominal de 5% e uma dívida pública de acima de 70% do PIB. Você foi capturado pelo corporativismo, pelo patrimonialismo e pela corrupção. É um pau mandado do estamento burocrático que invade e dirige a esfera política, econômica e financeira. É um Brasil que pode mais do que trabalha e suga o Brasil anêmico que trabalha mais do que pode.

O Estado reagiu: - Então sou um monstro frio que compromete o futuro das criancinhas; que permite a violência dizimar a juventude; que humilha aposentados e é generoso com a minoria dos privilegiados? Ora, espelho, eu não sou filho de chocadeira, não sou produto de geração espontânea, sou esta criatura disforme, malévola, mas vocês me criaram a partir de seus defeitos e virtudes! O Espelho, serenamente, prosseguiu: – É verdade! Você é reflexo dos nossos vícios e virtudes. Mais dos vícios: boquinhas, espertezas, jeitinhos, carteiradas. De fato, fez muito pelo País. Somos a oitava economia do mundo. Temos ilhas de excelências universalmente reconhecidas. Porém, o que você faz com as mãos desfaz com pesados pontapés. Basta olhar e comparar os indicadores internacionais para constatar nossas decepcionantes posições no contexto global.

Entendi: não tenho salvação! Afundarei no pântano das misérias e levarei comigo uma nação que tem todas as possibilidades de ser próspera, mais justa e... – Não, interrompeu o Espelho, você e o Brasil têm salvação, contanto que não se entregue o Brasil a um “salvador da pátria”, a um herói/malandro ou a um mito macunaímico; que não se jogue a culpa das nossas escolhas erradas em entidades fantasmagóricas; que prevaleça a sábia lição de Millôr Fernandes que ensina “quando as ideologias ficam bem velhinhas, elas vêm morar no Brasil”. As dores do parto ensinaram às novas gerações: o valor da liberdade, o valor da moeda estável e que empreender vale mais do que se tornar um “servo da glebaestatal. 

COMENTÁRIOS dos leitores