Fernando Braga

Fernando Braga

Direto do Planalto

Perfil: Fernando Braga é comunicólogo e professor universitário em Brasília. Mestre em Memória Social, especialista em Marketing e em Metodologia do Ensino Superior é titular de colunas em jornais de Brasília e Flórida (EUA)

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Dilma e a privataria petista

Fernando Bragaqua, 30/10/2013 - 12:08

Esta semana, o governo decidiu elevar o teto que limitava a participação estrangeira no Banco do Brasil para 30%. Desde os governos Lula, essa foi a terceira vez que o banco se abre para o capital estrangeiro, ampliando a possibilidade de grandes grupos influírem nas decisões do antigo banco estatal. De um volume de capital que não podia ultrapassar 5,6% do total de ações do banco, agora grandes grupos investidores internacionais, muitos deles controlados por instituições financeiras concorrentes do Banco do Brasil, poderão deter até 30% do banco criado em 1808 para "ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública com eficiência". Atualmente, o BB já tem 19,4% de suas ações em mãos de estrangeiros.

A ampliação da participação estrangeira no Banco do Brasil ocorreu poucos dias depois de o governo ter entregue a um grupo de empresas estrangeiras a exploração da maior reserva de petróleo já delimitada no País, o megacampo de Libra, na Bacia de Santos, com potencial para produção de 1,4 milhão de barris por dia. Shell, inglesa, Total, francesa, e duas estatais chinesas agora vão partilhar da maior jazida descoberta em todo o mundo nos últimos tempos.

“O governo Dilma Rousseff realizou a maior privatização da história do Brasil”, disse o senador Aécio Neves (PSDB-MG) ao criticar a forma e o momento em que foi feita a partilha das jazidas de petróleo. “Estive há poucos dias em Nova York, falando para um grupo enorme de investidores de todo o mundo. A visão que se tem em relação ao Brasil é de enorme pessimismo. Exatamente pelo intervencionismo, pela flexibilização na condução da política econômica. O modelo de desenvolvimento econômico escolhido pelo PT apostou, nos últimos anos, no aumento do consumo. Esse modelo exauriu-se, chegou ao limite, mais de 60% das famílias brasileiras estão endividadas. Por isso, acho que ano que vem é hora de encerrarmos esse ciclo e iniciarmos um outro.”

“O leilão da área de Libra é privatização, porque as empresas que formaram o consócio vencedor são privadas ou têm capital aberto, não adianta sofismas”,ressaltou o governador Eduardo Campos (PSB-PE). “Essa partilha é, de fato, exploração privada, não adianta usar sofismas. O modelo criado pelo governo permitiu que a exploração possa ser feita por empresas privadas. Total e Shell são empresas privadas.”

Lembrando das lutas populares que garantiram a criação da Petrobrás e o estabelecimento do monopólio estatal do petróleo, entidades que participaram da fundação do PT e com história de resistência à ditadura e na luta pela soberania nacional, os sindicatos dos petroleiros, liderados pela Federação Única dos Petroleiros mantiveram greve de dois dias contra a privatização da Petrobrás e entrega do campo de Libra. “Esse imenso reservatório de óleo e gás não tem praticamente riscos de exploração”, sentenciou a FUP em comunicado. “Libra foi descoberto pela Petrobrás e tem reservas estimadas em mais de R$ 1 trilhão. Estamos diante da maior de todas as batalhas. Uma luta em defesa das próximas gerações e que precisa da participação de todos. Presidenta Dilma, tenha coragem e suspenda o leilão de Libra.”

COMENTÁRIOS dos leitores