Rodrigo Assad

Rodrigo Assad

Tendências em Tecnologia

Perfil: Consultor Senior, especialista em novas tecnologias e segurança.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

De quem são as nossas informações

Rodrigo Assadter, 15/11/2011 - 12:24

Há muito tempo empresas como o Google, Facebook, Yahoo e etc tem suas ações valorizadas cada vez mais. Porém há uma questão intrigante, como elas são lucrativas,  mantendo infra-estruturas com centenas de milhares de computadores ao redor do mundo e com milhares de funcionários se o serviço em sua maioria é gratuito.

A resposta é: este faturamento vem de propagandas colocadas em suas paginas. E pelo que se sabe, realmente é isso, porém o que esta resposta não deixa claro é como essas propagandas são exibidas em nossa tela. Ai vem à grande questão!

Imagine o seguinte cenário: O Diretor de uma nova empresa Brasileira de panificação queira fazer propaganda usando o Google ou o Facebook. Ele não ficaria feliz de saber que a sua propaganda foi exibida uniformemente ao redor do mundo para os usuários Google ou Facebook. O seu negócio existe apenas no Brasil, para que mostrar uma propaganda desta nova empresa para usuários do Google ou Facebook em outros lugares que não apenas no Brasil?

Porém a questão é mais complicada do que apenas saber geograficamente onde os usuários estão, por exemplo, o Google, sabe os nossos gostos mantendo um histórico do que procuramos no site, para quem tem Gmail ele lê o conteudoi dos nossos mails para saber o que recebemos e enviamos, para quem tem Google Docs, pelos documentos salvos, ou seja, o serviço que nos é ofertado é de graça, porém o Google, sabendo do nosso perfil, pode ser mais assertivo na oferta de propagandas para seus clientes. Ou seja, o Google sabe responder a seguinte pergunta: Onde se procura mais sobre determinado assunto? Isso vale ouro. Para os que não conhecem o Google tem o serviço do Google Trends que mostra um pouco desta capacidade.

Já no modelo do Facebook, das redes sociais, a coisa é mais assertiva ainda. O Facebook sabe o que nos gostamos, não por pesquisas feitas, mas porque simplesmente dizemos,  ou nossos amigos respondem perguntas o tempo todo sobre nós.

Este problema ainda pode ser maior se imaginarmos cenários mais ousados como, por exemplo, as empresas de telefonia e provedores de acesso, monitorarem o que fazemos capturando todo nosso trafego quando navegamos na internet.  Imaginem o valor destas informações!!!

Estas questões estão chamando cada vez mais a atenção das pessoas,e já existe ate um termo para isso, privacy aware, que aos poucos começa a se difundir. Provavelmente este será um dos problemas do futuro.

Poucos jovens entendem que o que se escreve hoje fica salvo e que no futuro é bem possível que alguém ache alguma coisa feita, que não mais representa a sua personalidade, porém que ficou salva em algum repositório na internet.

O ideal é que no futuro,  nos possamos controlar quem tem acesso aos nossos dados, deveríamos ser capazes de escolher se um site/portal deve der acesso aos nossos dados e mais ainda caso queiramos seja possível apagar tudo que já fizemos. OU seja, a informação é nossa e nos controlamos ela.

COMENTÁRIOS dos leitores