Paulo Lopes

Paulo Lopes

O Segredo de um Headhunter

Perfil: CEO da ORGANIZA, Mestre em Administração, Especialista em Recursos Humanos, Planejamento e Desenvolvimento Organizacional e Metodologia de Pesquisa aplicada à Administração.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Cabelos Brancos em Alta

Paulo Lopesseg, 15/08/2011 - 11:19

A dinâmica do mercado de trabalho está sujeita a uma série de variáveis econômicas, políticas e sociais que se reconfiguram a todo momento. É comum nos depararmos com expressões que procuram definir, conceituar e diagnosticar uma fase, uma tendência, uma novidade a cada nova quebra de paradigmas que procuram contextualizar questões referentes a Emprego e Carreira. Como construir uma sólida Carreira? Como alcançar o sucesso profissional e quando é hora de pensar em aposentadoria? Na nossa vivência como headhunter temos observado que a grande maioria dos executivos está prolongando a sua carreira e procurando se manter produtivo até uma idade mais avançada. Dando suporte a essa nova realidade, existe uma demanda por parte das empresas de setores específicos que buscam por esse perfil – o profissional de cabelos brancos – que simboliza vivência, conhecimento e maturidade.

Antes de mais nada, convém definirmos alguns termos. O que é velho e o que é novo? O que é tradicional e o que é ultrapassado? No mundo do trabalho esses termos ganham outras dimensões por estarem diretamente vinculados aos mitos que construímos e que exercem forte influência em nossa cultura. Na década de 90 as empresas apresentavam resistência ou simplesmente não admitiam profissionais com idade superior a 45 anos. Hoje a idade não é mais fator limitante para a contratação. Ao contrário, em alguns processos, a depender do setor de atuação, o cliente tem preferência por profissionais com uma bagagem  maior.

É preciso saber o que deve ser preservado e o que deve ser superado em termos de mercado de trabalho. A competência, por exemplo, é algo que jamais poderá ser substituída, e isso independe de idade. Por outro lado, a maturidade profissional é uma variável diretamente ligada a idade. Recentemente, realizamos dois processos de contratação que traduzem bem essa crescente busca por profissionais mais maduros – ao final dos processos a escolha recaiu em profissionais com idades mais avançadas (63 e 65 anos).

Não é raro atualmente escutarmos depoimentos de executivos com idades acima de 60 anos que expressam se sentirem mais preparados e motivados para o trabalho do que no início de suas carreiras – “antigamente eu andava a 100km/h., hoje acelero a 220km/h e estabeleço o ritmo da minha empresa - quem não vier atrás, correndo o trecho na minha cola, vai comer poeira”. E esperam se manter assim ativos e produtivos durante mais alguns anos. Exemplos como esses são cada vez mais comuns a medida em que se percebe que há uma preocupação das pessoas com a qualidade de vida. Hoje o profissional chega a senioridade em condições de saúde física e mental infinitamente superiores a de tempos atrás.

As empresas que limitam seus cargos à idade e não possuem planos e programas para manter os profissionais mais experientes nos seus quadros, correm o risco de perder um elemento de fundamental importância para a perpetuação da filosofia empresarial, de seus valores e de sua base de conhecimento.

São os profissionais mais maduros que podem desempenhar essa tarefa de transferência de conhecimento, tecnologia e expertise, servindo de coach para formar futuros líderes e executivos de sucesso. Na empresa, assim como em qualquer equipe, é importante mesclar elementos novos com o tradicional, pois dessa maneira estará pronta para reagir de maneira mais flexível às demandas do mercado.

COMENTÁRIOS dos leitores